Estante: Uma centena de clássicos

Para ler por prazer

POR:
Beatriz Vichessi
Foto: Marcelo Kuraenda

“O inferno são os outros.”
É bem provável que o leitor já tenha deparado com a famosa frase de Jean-Paul Sartre mas não conheça sua origem nem o autor. Retirada do livro Entre Quatro Paredes, publicado em 1944 pelo filósofo francês, sintetiza de maneira existencialista como ele enxergava a vida em sociedade. De olho nessa e em outras famosas citações de autores e personagens clássicos, Frank Lanot, Emmanuel Deschamps, Pierre Présumey e Bénédicte Lanot (leia entrevista com a autora abaixo) reuniram oito séculos de literatura a fim de selecionar uma centena de nomes consagrados e melhores momentos, como o reproduzido abaixo.

Dicionário de Cultura Literária: 100 Citações & 100 Personagens Célebres, Bénédicte Lanot e outros, 440 págs., Ed. Difel, tel. (21) 2585-2070, 59 reais

TRECHO DO LIVRO

"Situação. Macbeth é o personagem título de uma tragédia de Shakespeare, datada de 1606. (...)

Caracterização. Depois de terem conduzido leal e valentemente seu exército à vitória sobre o rei da Noruega, Macbeth e Banquo retornam para Forres, onde os espera Duncan, rei da Escócia. No caminho, três feiticeiras predizem que Macbeth será rei. Perturbado, ele conversa a esse respeito com Lady Macbeth, sua mulher, que o incita a assassinar o soberano (Ato I). (...) Feito rei, Macbeth manda assassinar Banquo (...), mas o espectro da vítima vem pessoalmente inquietar Macbeth, que volta a consultar as feiticeiras (Ato III). Segundo elas, Macbeth nada terá a temer de qualquer criatura colocada no mundo por uma mulher (...). Quando luta contra Macduff, Macbeth é informado de que seu adversário foi arrancado do ventre de sua mãe antes do tempo. Ele morre, vencido por Macduff (...)

Projeções. (...) Macbeth é aquele que não recua jamais, que vai até o fim.

O mundo é um teatro de sangue, para o qual será inútil buscar um sentido.

A História apresenta-se ao mesmo tempo trágica e absurda, um conto narrado por um idiota (...)."

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Bénédicte Lanot

A professora de Literatura Francesa é casada com Frank Lanot, também autor do Dicionário de Cultura Literária. Na entrevista a seguir, ela fala sobre os personagens citados no livro e sua aplicação na escola. Confira:

Quais foram os critérios levados em conta para selecionar personagens e autores para o livro?
Todos foram escolhidos pela fama e pela marca que deixaram na memória cultural. Alguns viraram figuras comuns: você chama um rapaz conquistador de dom-juan e uma tragédia romântica de shakespeareana.

Por que a seleção não inclui nomes da literatura oriental?
Porque leitores ocidentais não são familiarizados com figuras das tradições japonesa, árabe e persa, por exemplo.

O que faz dos personagens selecionados referências até hoje?
Um personagem é honrado no hall da fama da literatura porque seu autor foi bem-sucedido ao lhe dar valores individuais e universais.

Por que um aluno leria os textos originais depois de consultar o Dicionário de Cultura Literária?
Pelo prazer de ler. O livro também pode ser usado para encorajar o hábito da leitura na sala de aula. 

Com resenhas de Carolina Costa

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias