Falar português na aula de Língua Estrangeira

ASSIM NÃO DÁ!

POR:
Rita Trevisan, NOVA ESCOLA, Bruna Nicolielo

É fundamental proporcionar aos alunos, em classe, o maior tempo possível de contato com a língua estrangeira para ajudar o aprendizado. Isso implica ouvi-la repetidamente, perceber os contextos em que ela se situa, tentando, em muitos casos, descobrir o significado das palavras. O primeiro obstáculo a vencer é o estranhamento inicial. É esperado que os estudantes não compreendam algumas expressões de imediato. Serão capazes, contudo, de lidar com isso à medida que aprimoram a competência de inferir o significado das palavras e seus usos.

O uso controlado da língua materna não é completamente contraindicado. Ela pode ajudar o professor, em explicações mais complexas para alunos de níveis muito básicos, por exemplo. Porém deve ser utilizada com cautela: a cada nova aula e de acordo com os objetivos propostos, caberá ao educador fazer uma avaliação criteriosa de seu papel.

Usar a língua estrangeira permite um trabalho mais rico, mas também exige empenho dos professores. É preciso planejar bem as aulas e empregar recursos visuais ou de demonstração para facilitar as explicações. Também é interessante acompanhar o nível de compreensão dos alunos e avaliar se as condutas adotadas em sala são apropriadas. Uma boa maneira de fazer isso é observar se eles são capazes de usar palavras recentemente aprendidas em outros contextos ou se conseguem se expressar com sentido.


Consultoria Ana Emilia Turbin, doutora em Linguagem e Educação, e Célia da Silva, membro do Grupo de Pesquisa em Psicolinguística da Universidade de São Paulo (USP).

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias