Com o pé na estrada

Escola do Piauí usa passeios e motiva seus alunos a estudar até nos finais de semana

POR:
Priscila Ramalho

O ônibus está cheio. A professora faz a chamada para conferir se não falta ninguém. As crianças vão até a janela se despedir dos pais e, logo em seguida, começam a cantar seu repertório de músicas de viagem.

Esse ritual já faz parte da rotina do Instituto Dom Barreto, em Teresina. Pelo menos uma vez por bimestre a garotada deixa suas carteiras para visitar museus, parques ou mesmo as ruas do bairro. "Desde que adotamos as excursões como instrumento didático, há mais de dez anos, temos obtido ótimos resultados", diz o diretor do colégio, Marcílio Rangel. "Os alunos voltam mais motivados, verbalizando melhor aquilo que aprenderam."

Rangel lembra que, para ter sucesso, o trabalho não pode ser encarado como um passeio. Precisa seguir um planejamento e estar integrado ao conteúdo programático. "A aula expositiva dá a base para uma observação mais direcionada e a vivência em campo sedimenta aquilo que foi visto na classe", explica.

Essa também é a opinião do professor José William Vesentini, do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo: "Não adianta ir ao zoológico ficar dando pipoca para os bichos", brinca. "É preciso estabelecer objetivos e sistematizar a atividade."

Para a montagem de um roteiro de viagem, siga os passos da turma da 6ª série do Dom Barreto numa dessas visitas, coordenada pelos professores de Geografia, Catarina Santos, e de História, Marivaldo Macedo:

? A preparação começou um mês antes da viagem, com a leitura de textos e a apresentação de filmes e slides sobre a região. O destino era o Parque Nacional da Serra da Capivara, no interior do Piauí, onde se encontra a maior concentração de pinturas rupestres das Américas. Na véspera, os alunos receberam um material de apoio com os objetivos da atividade, mapa e dados históricos e geográficos.

? Os 534 quilômetros entre Teresina e a cidade de São Raimundo Nonato, porta de entrada do parque, também renderam bons ensinamentos: a vegetação à beira da estrada, um animal diferente que cruza a pista e as cidades no meio do caminho viram temas para novas lições.

? Durante a visita aos sítios arqueológicos foi feito um trabalho conjunto entre os guias locais que conduziam o grupo e davam as explicações técnicas e os professores que direcionavam a observação segundo seus objetivos.

? No final do dia, o grupo se reuniu para refletir sobre o que viu, tirar as dúvidas, trocar opiniões, levantar questões-problema.

? De volta ao colégio, com a ajuda do professor de Língua Portuguesa, começou a montagem de uma feira com fotos, suvenires e redações sobre o passeio.

Antes de comprar as passagens



?  Selecione roteiros integrados ao conteúdo programático

? Estabeleça metas, procurando dar à atividade uma abordagem interdisciplinar

? Desperte a curiosidade da turma, chamando a atenção para detalhes como placas de orientação e a paisagem na estrada (1)

? Mantenha uma postura de mediador, direcionando a observação segundo seus objetivos (2) 

? Promova uma discussão para refletir, tirar dúvidas e levantar questões (3)

Quer saber mais?

Instituto Dom Barreto, Rua Gabriel Ferreira, 691, CEP 64000-250, Teresina, PI, tel. (86) 215-6600,
internet: www.dombarreto.g12.br

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias