Compartilhe:

Jornalismo

Gestão escolar: como acolher e orientar novos professores?

Diretores enfrentam o desafio de receber novos docentes na volta às aulas. Veja como acolhê-los e integrá-los à equipe

PorDimítria Coutinho

06/02/2024

Vá além da recepção e faça uma integração completa de quem está entrando agora na equipe docente da escola. Foto: Getty Images

Novo ano letivo, novos desafios para a gestão escolar, sobretudo para quem comanda escolas com alta rotatividade de professores. É o caso do Centro de Ensino Fundamental (CEF) 15 do Gama, no Distrito Federal (DF). Neste ano, dos 60 professores que compõem o corpo docente, apenas 12 já eram da casa - ou seja, 80% dos educadores são novos na unidade, taxa que vem acompanhando a escola há alguns anos.

E esse não é um cenário isolado, mas uma realidade em várias partes do Brasil, onde o ensino público conta muito com professores temporários. Isso faz com que a rotatividade dos docentes seja muito alta e, no início de cada ano, os gestores escolares tenham que se preparar para receber novos profissionais.

“O primeiro grande desafio é o acolhimento desses novos professores, garantindo que eles se sintam pertencentes à escola. Como existe essa grande movimentação, muitos chegam sem conhecimento da identidade, contexto e cultura da escola”, afirma Ana Élen Moitinho, diretora do CEF 15 do Gama.

Além desse acolhimento socioemocional, os novos docentes precisam tomar conhecimento do regimento da escola, do Projeto Político Pedagógico (PPP), das rotinas de formações, dos projetos em andamento e do perfil dos alunos, entre outros aspectos. Em muitos casos, até a própria prática pedagógica é algo que precisa ser apresentado, a depender dos novos docentes - a escola do DF, por exemplo, costuma receber muitos professores recém-formados.

“Em meio a isso tudo, o gestor ainda precisa garantir que os novos docentes não se sintam sobrecarregados e forçados a assimilar todas essas informações de uma vez”, alerta Maura Barbosa, coordenadora pedagógica da Comunidade Educativa CEDAC e especialista em gestão escolar. 

Outro ponto importante é a equipe gestora planejar esse primeiro encontro junto com os professores da casa. “Pensando em uma gestão democrática, precisamos fortalecer a participação de todos”, orienta a coordenadora. 

Acolhimento de novos professores

Foi pensando exatamente em não sobrecarregar os novos docentes que a equipe gestora da escola do CEF 15 do Gama dividiu a recepção do início deste ano em vários dias. Em um primeiro momento, apenas os docentes que já atuam na unidade se reunirão, participando de um acolhimento interativo com atividades, músicas e palestras.

Só depois os novos professores chegarão, permitindo que os antigos ajudem a gestão na integração e ambientação dos novatos. Ana comenta que a recepção dos novos professores será dividida em quatro etapas:

  • Acolhimento afetivo: ambientar os novos professores à escola e permitir que eles conheçam uns aos outros e realizem atividades interativas;
  • Acolhimento social: realizar dinâmicas de entrosamento entre os docentes novos e os que já atuavam na escola;
  • Acolhimento operacional: mostrar aos novatos informações importantes, como história da escola, regimento, perfil dos estudantes, território no qual a unidade está inserida e análises referentes ao ano anterior;
  • Acolhimento pedagógico: apresentar o calendário anual, a rotina pedagógica e os projetos que serão trabalhados ao longo do ano.


“Nessas quatro etapas, nós vamos envolver não só os professores, mas também outros funcionários, como os do setor administrativo”, detalha Ana. Ela conta que esse formato foi criado a partir de experiências de anos anteriores que permitiram identificar as práticas que funcionam melhor nesse momento inicial. “Mas, mesmo olhando para essas vivências, essa acolhida é sempre uma surpresa, pois porque começamos uma proposta com novas pessoas, que não conhecemos.”

Checklist da apresentação da escola aos novos professores

Confira o que não pode faltar

  • Apresentar todos os funcionários, não apenas os professores;
  • Contar sobre a história da escola;
  • Mostrar o perfil dos estudantes;
  • Contextualizar o entorno no qual a escola está inserida;
  • Explicar como a escola se articula com a comunidade escolar e com as famílias;
  • Apresentar o PPP e o regimento escolar;
  • Mostrar projetos institucionais fixos, como feira de Ciências e clube do livro;
  • Contar sobre a rotina da escola – quando acontecem, por exemplo, as reuniões, formações e encontros com familiares.

Formas de apresentação

Além de um checklist com tudo o que os novos professores precisam saber ao chegar na escola, a equipe gestora também precisa focar em como essas informações serão passadas.  É preciso trabalhar sempre com muita empatia e afeto. Gostamos de deixá-los bem à vontade para se conhecerem e, a partir dessa construção de vínculo, começarmos um trabalho”, explica Ana.

Para tornar essa primeira interação mais leve e atraente, Maura sugere que os gestores utilizem diferentes formatos nas apresentações. “Elas podem ser feitas por meios de fotos, depoimentos ou vídeos”, exemplifica.

Na escola do Distrito Federal, uma alternativa encontrada pela gestão para presentear os professores e, ao mesmo tempo, facilitar o acesso às novas informações foi dar um planner pedagógico personalizado, que já traz todo planejamento anual.

Além do institucional

Em Manaus (AM), o acolhimento também é a palavra-chave na Escola Municipal Professor Waldir Garcia, que recebe, em média, dois ou três novos docentes a cada ano.

Mas não é porque são poucos que os novos professores deixam de ter uma recepção bem preparada e planejada.“É muito importante a gente acolher bem a todos eles, com carinho. Quem está nesse processo de mudança de uma escola para outra, geralmente, chega muito inseguro, pois não conhece a equipe, a escola, o espaço físico, o trabalho. Nesse primeiro momento, esse acolhimento é fundamental para que a pessoa se sinta bem e à vontade”, reforça Lúcia Cristina Cortez, diretora da escola.

Para que esse afeto seja demonstrado, a equipe da escola prepara a acolhida nos mínimos detalhes, designando alguém para fazer a recepção no portão, além de preparar um “mimo” para os novatos e realizar uma recepção com café da manhã. “Sempre fazemos uma dinâmica, colocamos música e focamos em deixar o ambiente bem alegre e não tão formal”, destaca Lúcia.

Como a escola Waldir Garcia é conhecida por promover muita interação com a família e com o bairro no qual está inserida, os novos professores também são ambientados nesse sentido, conhecendo todos os funcionários, os pais de alunos que ajudam na escola, cada canto da unidade e também o entorno.
“Fazemos um tour pela escola, para que o professor conheça todos os espaços onde ele pode trabalhar, porque aqui a gente sai muito da sala de aula. Também realizamos o mapeamento do território e do bairro, para que ele conheça o que está no entorno da escola”, salienta Lúcia.

E no resto do ano?

Depois desse acolhimento inicial, ainda é necessário garantir que os novos docentes se integrem, de fato, à equipe. Lúcia considera que, passado o período de adaptação, é essencial ouvir os novos professores para incluir também suas demandas no planejamento anual da escola, sobretudo no que diz respeito à formação continuada.

Além disso, a escola Waldir Garcia tem a cultura de oferecer um tutor para cada funcionário, que pode ser um professor universitário ou um técnico da Secretaria de Educação, por exemplo. Essa tutoria também faz parte do processo de formação, oferecendo a todos os docentes, sejam novatos ou antigos de casa, a possibilidade de terem um acompanhamento personalizado.

Na escola em que Ana atua, no CEF 15 do Gama, essa mentoria é realizada entre professores da casa e os novos, permitindo que os mais experientes ajudem nesse acompanhamento. Assim como Lúcia, Ana conta que também espera os novos docentes se adaptarem à escola para, então, definir o planejamento anual.
“Nesse primeiro momento, trazemos um script inicial para termos um norte para trabalhar. Depois que os professores conhecem a escola e os estudantes e se ambientam, elaboramos um planejamento que vai ser movimentado ao longo dos bimestres, de acordo com a necessidade do grupo”, relata. “Ao longo do ano, fazemos muitas rodas de conversa, planejamento entre pares e observação de sala de aula para auxiliar os novos professores no dia a dia”, completa a diretora.

Integração e acolhimento

Veja dicas de Maura Barbosa, especialista em gestão escolar, para tornar o espaço escolar mais acolhedor para os novos professores

  • Prepare o ambiente: tornar o local acolhedor ajuda a construir vínculos. Então, pense como esse professor será recepcionado, seja com um lanche ou com presentes, por exemplo;
  • Solicite ajuda: peça para que os professores da casa apresentarem a escola aos novatos, mostrando o espaço, contando suas experiências e fazendo a recepção;
  • Permita que os novos professores falem: promova uma roda de conversa, na qual os novos educadores tenham liberdade para se apresentarem, contarem um pouco sobre si e exporem suas dúvidas e inseguranças;

Busque novos formatos: junto com a equipe gestora, pense em como apresentar as informações essenciais da forma mais atraente possível.

Veja mais sobre

Últimas notícias