Compartilhe:

Jornalismo

Educação Infantil: sugestões para envolver as famílias na adaptação

Entenda o que significa acolher as crianças, como planejar a recepção dos responsáveis e os espaços da escola

PorPaula Sestari

31/01/2024

Relação escola-família deve ser cultivada para além dos momentos de reunião. Confira sugestões para estreitar os laços desde o período de adaptação. Foto: Getty Images

Olá, professores e professoras! As férias passaram rápido e já chegaram ao fim. É hora de retomarmos nossas atividades com os bebês e crianças pequenas da Educação Infantil.

Para começar essa conversa, não posso deixar de lembrar dos vários memes nas redes sociais sobre a reação inversa de professores e pais com o final das férias. 

No caso deles, os pais, felizes da vida com a retomada da rotina, para nós, a certeza de que seremos novamente abduzidos por completo para esse universo. 

Brincadeiras à parte, pela experiência profissional, sabemos que os sentimentos não se reduzem a esses únicos extremos e que investir na relação com as famílias desde o início do período letivo é fundamental para a construção dos primeiros vínculos com as crianças. 

Como tranquilizar e acolher as famílias

Quando os pais e responsáveis escolhem uma escola de Educação Infantil, uma gama de sentimentos e emoções envolvem toda a família e reflete na criança, a qual, ainda que não tenha dimensão exata do que isso significa, vivencia cada um deles. Em minha experiência recente como mãe, posso afirmar que, ainda que já tivesse total confiança nos profissionais, passei por um turbilhão de emoções – que não eram questionamentos a respeito dos professores ou da escola. Pensando nisso, a recepção dos adultos também deve ser pensada, minhas sugestões são:

1. Criar espaços para os responsáveis sanarem suas dúvidas, exporem seus receios e compartilharem seus sentimentos. Pode ser na forma de uma entrevista realizada preferencialmente pelo regente da turma, a fim de obter mais informações sobre a rotina da criança. 

2. Apresentar todos os espaços da instituição e quais são as propostas para cada um deles. Também explique como é organizada a rotina com foco nas necessidades e bem-estar de cada faixa etária. 

3. Conversar sobre temas importantes. Por exemplo, após os casos de violência nas escolas no ano passado, essa pauta deve ser discutida com as famílias para contar quais as medidas de segurança da escola e para que eles possam contribuir com sugestões. Também garanta a construção de combinados importantes, por exemplo, firmar o compromisso de compartilhar mudanças na rotina da família ou imprevistos que exigem mudanças nos horários de entrada e saída. 

LEIA TAMBÉM – Reunião de pais e responsáveis: como engajar as famílias

O que é acolher na Educação Infantil? 

O acolhimento do bebê e da criança deve ser pensado como um dos resultados do processo educativo que perdura todo o período letivo, sendo assim, para além da adaptação. Neste texto, compartilhei sugestões de como ir além das ações no início do ano letivo. 
Acolher na Educação Infantil tem a ver com dispor de conhecimentos e ações que considerem a integralidade da criança em seus aspectos físicos, emocionais e sociais, de acordo com a etapa de desenvolvimento. Vejo esse momento como um constante movimento de abordar a diversidade e valorizar as particularidades, isso inclui as origens e culturas familiares.

Prepare o espaço para receber as crianças

Quando pensamos na preparação do lugar para recepcionar os bebês e crianças, imaginamos espaços bem decorados com muitos elementos coloridos, imagens que remetem às crianças a personagens típicos da cultura infantil, que busquem também impressionar os pais. Sobre isso, gostaria de convidar você a trocar a palavra decorar por ambientar o espaço

Nesse sentido, a ambientação tem a ver com tornar o lugar aconchegante e receptivo para aqueles que pertencerão àquele espaço. 

De acordo com a faixa etária, é importante introduzir elementos que despertem o interesse das crianças. Na reunião com as famílias, explique a intencionalidade pedagógica por trás dessa organização. 

Para os bebês, os móbiles com materiais de largo alcance, chocalhos, brinquedos de borracha com possibilidade para morder. Para as crianças bem pequenas, peças de variadas formas e texturas, obstáculos que incentivem o movimento. Já para as pequenas, cantinhos com diferentes contextos, materiais riscantes e jogos.

Sugestões para envolver as famílias na adaptação

Ao desenvolver um planejamento que considere o acolhimento das crianças, precisamos levar em consideração que todo o núcleo familiar deve sentir-se confiante e pertencente ao espaço escolar. 

Geralmente, as famílias são trazidas para dentro da escola no início do ano para reuniões com pautas extensas de solicitações e combinados, e depois, ao final do semestre letivo, são chamados para a entrega de avaliações e festividades que envolvem apresentações das crianças, mostras de trabalhos e promoções realizadas pela Associação de Pais e Professores, visando melhorias na instituição. 

No entanto, o investimento nessa relação deve ser diária. Pequenas ações podem ser realizadas já nos primeiros dias de aula: 

  • Preparar um momento de acolhimento com brinquedos em que os pais possam brincar em sala com os pequenos por alguns instantes antes da despedida; 
  • Construir um mural coletivo em que as famílias possam deixar mensagens escritas, desenhos e fotos para os filhos; 
  • Organizar um alongamento no início da manhã ou da tarde que os pais possam realizar juntos com os pequenos. Ou, que tal um momento de dança no sling ou carregador, dos pais com os seus bebês? 
  • Fazer um lanche ou piquenique com a participação de membros da família. 
  • Ter espaços de leitura ou de jogos para que possam utilizar enquanto aguardam o horário de entrada ou de saída.

Caso seja difícil a presença dos responsáveis na escola, uma alternativa é o envio de áudios e de vídeos a serem compartilhados em sala, com mensagens que contribuam para ampliar a proximidade na relação entre família e escola em que a criança perceberá a afinidade existente na relação.

Desde o início do ano letivo, temos o compromisso de acolher bem todas as crianças e suas famílias. Ao investir nessa relação e trazê-las para o trabalho da escola, estaremos fortalecendo vínculos garantindo a dimensão social da educação.

Um ótimo retorno e até breve!

Paula Sestari é professora da Educação Infantil da rede municipal de ensino de Joinville (SC), com dez anos de experiência nessa etapa, e mestra em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias. Em 2014, recebeu o Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita, e foi eleita Educadora do Ano com um projeto com crianças pequenas na área de Educação Ambiental.

Veja mais sobre

Últimas notícias