Falar da vida dos outros em espanhol

Que fofoca, que nada! A moçada vai produzir biografias

POR:
Beatriz Vichessi

Quem leciona Língua Estrangeira sabe como é complicado acompanhar o desenvolvimento de cada aluno no que diz respeito à expressão e à compreensão oral. Mesmo quando se trata do espanhol, idioma mais próximo do português, a missão tem seus complicadores. São tantos em cada turma! Como dar conta de ouvir todos falarem, um de cada vez, por exemplo?

Com um projeto didático focado no gênero biografia, que explorou a oralidade, Fabíola Ferreira, professora do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), em Florianópolis, conseguiu fazer com que a moçada do 8º ano também trabalhasse com leitura, escrita, gramática, ortografia e vocabulário. Durante as atividades, ela acompanhou os avanços e as dúvidas individuais sem descuidar do grupo.

A estratégia da educadora consistiu em propor que os estudantes entrevistassem parentes ou amigos para elaborar textos biográficos que posteriormente deveriam ser apresentados no formato podcast (programas de áudio disponibilizados via internet, que podem ser baixados e ouvidos no computador ou em aparelhos de MP3). "O trabalho durou 17 aulas e os alunos aprenderam novos termos em espanhol, o uso adequado dos pretéritos, pronomes e artigos, entre outros conteúdos. Eles também tiveram a oportunidade de falar no idioma sem ter de se preocupar com as críticas dos colegas: antes de gravar os podcasts, todos treinaram individualmente fazendo testes e escutando o material para se avaliarem e fazerem as correções e melhorias necessárias", diz Fabíola.

Confira, a seguir, o passo a passo do projeto, que apresenta as atividades desenvolvidas e as competências trabalhadas e inspire-se nelas para fazer a sua turma soltar a língua também.

1 Estudar o gênero Convide a moçada para escrever biografias em espanhol. Apresente bons modelos e analise a estrutura deles: qual o tempo verbal mais usado? E o tipo de pronome? Por quê?

2 Entrevistar personagens Oriente a turma para elaborar uma pauta de questões bilíngue e dê dicas para a realização da entrevista, como gravar a conversa e deixar o biografado contar curiosidades sobre a vida dele.

3 Falar para se escutar Após a escrita das biografias, organize uma revisão coletiva com base nos erros mais comuns e um momento para a reescrita. Depois, oriente as gravações, reservando um tempo para que os alunos possam escutar a própria voz e treinar.

Escuchar

Falar da vida dos outros em espanhol. Tarcisio Mattos/Tempo Editorial. Ilustração Alice Vasconcellos
* Trecho extraído do livro Saludos (Ivan Martin, 160 págs., Ed. Ática, tel. 4003-3061, 93,90 reais)

Fabíola apresentou aos estudantes algumas gravações contidas no CD que acompanha o livro didático - textos curtos sobre a vida de antepassados narrados por algumas crianças. A professora queria que eles tentassem compreender o que era dito e depois respondessem a questões relacionadas à nacionalidade, à profissão e à família dos biografados. Os áudios foram apreciados duas vezes. A turma falou que não compreendeu tudo o que tinha sido dito e Fabíola destacou a importância, nesse momento, de todos garantirem o entendimento geral, sem se apegar a detalhes. "Também conversamos sobre a pronúncia, pois os narradores tinham sotaques variados, e algumas palavras desconhecidas, como bisabuelo", diz. Feito isso, ela propôs que a turma elaborasse biografias.

Comentário da consultora
"De fato, os estudantes não precisam entender todos os termos dos áudios. A compreensão da fala é assimétrica na vida real. O que importa é compreender o todo", diz Fátima Cabral Bruno, docente da Universidade de São Paulo (USP).

Leer

Falar da vida dos outros em espanhol. Tarcisio Mattos/Tempo Editorial. Ilustração Alice Vasconcellos
** Trecho extraído do site

Para que os alunos conhecessem o gênero em detalhes, Fabíola dividiu a sala em dois grupos. Cada um leu uma biografia: a da pintora mexicana Frida Kahlo (1907-1954) e a da cantora norte-americana Julieta Venegas. Depois, a tarefa era apresentar as informações para os colegas, listar as características principais do gênero, definir a quem eram destinados os textos e levantar questões gramaticais. "Questionei em que tempos os verbos estavam conjugados e perguntei sobre os pronomes: por que a maioria era referente à terceira pessoa?", diz Fabíola. Durante a atividade, a educadora registrou as informações no quadro, montando um mapa semântico para ser consultado posteriormente.

Comentário da consultora
"Essa é uma boa ideia para trabalhar leitura com oralidade: a turma tem de falar sobre o que está escrito. É importante explorar de maneira contextualizada o vocabulário, os verbos e outras questões gramaticais. Fica claro que tudo isso tem sentido pois está inserido em um gênero", explica Fátima.

Entrevistar

Falar da vida dos outros em espanhol. Tarcisio Mattos/Tempo Editorial. Ilustração Alice Vasconcellos

O passo seguinte: escolher os biografados. Foi estabelecido que a garotada daria prioridade a pessoas mais velhas, com mais história para contar. Feito isso, Fabíola orientou a elaboração da pauta de questões. "Pensamos em uma série de perguntas que deveriam ser escritas em português e espanhol, mesmo sabendo que a conversa seria no idioma materno, pois era uma forma de usar a língua estrangeira", diz ela. A turma foi orientada para gravar as entrevistas, usando o celular ou o gravador, além de anotar as respostas. "Também destaquei a importância de deixar o entrevistado falar." Todos tiveram uma semana para fazer a tarefa.

Comentário da consultora
"O trabalho pode ficar mais rico se os alunos fizerem entrevistas com nativos. Assim, o idioma é usado com mais ênfase: a turma tem de se fazer entender e compreender a língua estudada o tempo todo. Para tal, vale entrar em contato com consulados, por exemplo, e convidar os funcionários a participar do projeto", diz Maria Senatore, formadora de professores.

Escribir

Falar da vida dos outros em espanhol. Tarcisio Mattos/Tempo Editorial. Ilustração Alice Vasconcellos

De volta à escola, a turma começou a produzir as biografias. Era preciso cuidado para transformar o que tinha sido dito pelo entrevistado em texto escrito, buscar a tradução de termos, prestar atenção na conjugação dos verbos e na organização das informações. Pronta a primeira versão, Fabíola analisou as produções, deixou recados sugerindo mudanças e anotou os erros mais comuns, para fazer uma discussão coletiva sobre eles. "Alguns alunos confundiram o uso do doble L, escrevendo lhama em vez de llama, por exemplo. Então, listamos mais termos afins, como llegar e llorar. Trabalhamos o uso de pronomes e de artigos e conversamos sobre a organização dos textos", diz. A seguir, todos partiram para a reescrita e digitaram as biografias para facilitar na hora da gravação.

Comentário da consultora
"É interessante problematizar os equívocos propondo uma dicussão coletiva sobre eles. Para a revisão, além de o professor dirigir a análise, ele pode recomendar o uso do corretor ortográfico do computador", diz Maria.

Grabar y escucharse

Falar da vida dos outros em espanhol. Tarcisio Mattos/Tempo Editorial. Ilustração Alice Vasconcellos

Depois de analisarem bons exemplos de podcasts, os estudantes se prepararam para as gravações. A professora explicou a importância de fazerem alguns testes para treinar a pronúncia e a entonação, respeitando a pontuação. "Usando o próprio celular ou o computador da escola, eles puderam gravar e ouvir o material diversas vezes para se avaliarem. Eu também tive acesso aos arquivos e sugeri mudanças", diz a educadora. De posse das versões finais, Fabíola organizou um momento de apreciação coletiva. "Para finalizar, retomei alguns trechos para conversar com a classe sobre a pronúncia de certos termos e analisar as várias possibilidades de pronunciar a mesma palavra, aplicando sotaques diferentes", ela conta.

Comentário da consultora
"Escutar-se diversas vezes permite que os estudantes façam uma autoavaliação e decidam o que querem mudar. Para aperfeiçoar ainda mais o trabalho, é recomendável fazer, em paralelo, a escuta de outros áudios, indo além da pronúncia do professor", fala Maria.

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias