Compartilhe:

Jornalismo

Como apoiar a passagem dos Anos Iniciais para os Anos Finais do Ensino Fundamental

A transição se torna mais tranquila para os alunos quando há planejamento, organização e suporte por parte dos professores

PorCarol Firmino

01/11/2022

Foto: Getty Images

Por mais que os alunos estejam sempre sob o olhar atento dos professores, com a chegada dos meses finais do ano, as crianças que vão fazer a transição dos Anos Iniciais para os Anos Finais do Ensino Fundamental exigem ainda mais atenção. Isso porque essa é uma fase que envolve diversas mudanças, o que pode ser bastante desafiador.

Diante de tantas novidades, como amenizar essa passagem e fazer com que os estudantes se adaptem da melhor forma? Acolhimento, conversas autênticas e esclarecedoras com os alunos e as famílias, além de estratégias práticas de organização para o dia a dia escolar, estão entre as prioridades.

Para começar, a consultora pedagógica Renata Borges, que concluiu seu mestrado e o doutorado na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) sobre as particularidades que envolvem a passagem do 5º para o 6º ano do Fundamental, explica que esse apoio à transição dos alunos não pode ser visto como uma ação pontual. “Na verdade, isso precisa fazer parte da proposta pedagógica da escola desde o 1º ano”, afirma.

Ela reconhece, no entanto, que uma das razões para essa passagem ser tão desafiadora é o aumento do número de professores que o estudante passa a ter. “Uma das maiores dificuldades é se organizar dentro dessa nova proposta, com professores para as várias disciplinas. Então, os que estão presentes nos Anos Iniciais precisam ter uma ação voltada para a autonomia do aluno – de ele saber fazer suas próprias escolhas, separar o próprio material etc.”, diz.

A importância do acolhimento

Bruna Albieri, coordenadora pedagógica na EMEF Maria Chaparro Costa, em Bauru (SP), lembra que a passagem dos Anos Iniciais para os Anos Finais é um momento delicado: muda a escola, os professores, os amigos e o ritmo de estudo. “Alguns ficam com medo, muitos estão ansiosos, com aquele sentimento de querer crescer logo, deixando de ser crianças para se tornarem adolescentes”, diz ela.

É por isso que o acolhimento dos alunos que chegam ao 6º ano é essencial. Selene Coletti, professora há 41 anos na rede municipal de Itatiba (SP) e vice-diretora da EMEB Philomena Salvia Zupardo, situada na mesma cidade, diz que uma iniciativa interessante e que promove essa sensação de amparo é levar os alunos do 5º ano, acompanhados dos professores, para conhecer a sua nova instituição de ensino.

“Realizar um rito de passagem também pode ser interessante. Por exemplo: queimar o que não querem levar do 5º para o 6º ano ou fazer uma cápsula do tempo com fotografias da turma e cartas dos pais. Vi isso em um colégio particular e achei legal. Agora, adaptando para nossa realidade, vamos propor que os estudantes do 6º ano escrevam uma carta coletiva para os do 5º sobre como é estar lá”, conta. Para o fechamento do ciclo, a educadora também sugere fazer uma roda de conversa para que todos dividam o que estão levando de aprendizado e o que esperam para o ano seguinte.

Outro ponto importante é envolver as famílias. Os pais e responsáveis também precisam ser acolhidos em suas dúvidas e participar de momentos com os filhos nessa fase de mudança. “É interessante trazer os pais para a escola, apresentar os professores, a história do lugar, explicar o que vai ser cobrado, os tipos de materiais solicitados e a rotina de maneira geral, que é diferente do 5º ano. Sabemos que é uma correria para todos, mas pode fazer a diferença para a família”, entende Selene.

Recomposição de aprendizagens

Além dos desafios próprios da transição, há os esforços no sentido da recomposição de aprendizagens por conta da pandemia e a consequente suspensão das aulas presenciais. “Todo e qualquer professor precisa de um ponto de partida, ter um diagnóstico de como está o aluno e de suas habilidades e competências adquiridas para que consiga fazer o seu trabalho. Além disso, é necessário que a escola tenha uma boa proposta pedagógica e que o educador siga um bom plano de ensino”, orienta Renata.

Ela explica que, dessa forma, é possível acolher, estabelecer vínculos já no primeiro bimestre do 6º ano e respeitar as mudanças físicas, emocionais e sociais. “No 6º ano, o profissional tem de lidar com todas essas questões, além de realizar o trabalho pedagógico. Então, a existência de uma comunicação entre as coordenadoras ou unidades, onde haja um instrumento avaliativo que dê esse diagnóstico no 5º ano, facilita.”

Ajudando na organização

Karina Manhenti Faustino, coordenadora de gestão pedagógica geral na EE Marisa de Mello, em São Paulo (SP), conta que por lá, já no 4º ano, os professores começam a ter um olhar mais atencioso para algumas questões – entre elas, a gestão do tempo. “Esse é um grande desafio dos Anos Finais do Fundamental. Mesmo como professora polivalente, eu tenho de ensinar esse aluno a ter uma rotina, usar a agenda, entender quanto dura cada aula, desenvolver seu protagonismo e trabalhar metodologias ativas que sugiram responsabilidade”, exemplifica.

Outro conselho é contribuir para que o estudante organize as datas de trabalhos que precisa entregar e fortalecer esse tipo de hábito para tornar mais tranquila a chegada ao Fundamental 2. “O professor do 6º ano espera encontrar um aluno mais estabelecido em suas rotinas. Percebendo essas dificuldades [na EE Marisa de Mello], começamos a viabilizar esses métodos para que a transição flua melhor”, conclui.

Práticas que promovem fluidez na passagem do 5º para o 6º ano

 

Realize diagnósticos. “O professor precisa ser capaz de viabilizar um instrumento avaliativo para compreender o que o aluno está trazendo dos Anos Iniciais e aonde ele pode chegar”, diz Renata.

 

Promova trabalhos em grupo desde os Anos Iniciais para fomentar a autonomia e a divisão de tarefas. “Quem controla o tempo, quem modera as discussões e outras atribuições ajudam a trazer responsabilidade. Assim, quando o professor sugerir um trabalho no 6º ano, o aluno já tem iniciativa e autonomia”, diz Karina.

 

Incentive as famílias a acompanhar cada etapa da mudança e o que vem depois. “Eles precisam ser orientados a olhar o caderno, ajudar na organização e cobrar informação dos filhos e da escola, como a pauta do dia, o calendário de provas, eventos e mais”, diz Selene.

Veja mais sobre:

Últimas notícias