Crie sua conta e acesse o conteúdo completo. Cadastrar gratuitamente

Como garantir a recomposição das aprendizagens na retomada presencial das aulas

Assegurar que os alunos estejam na escola e qualificar o tempo com eles são medidas fundamentais para avançar nesse processo

POR:
Alessandra Gotti, Helio Daher
Crédito: Getty Images

Quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou que estávamos em uma pandemia global, não houve questionamento da necessidade de fecharmos as escolas – assim como outros serviços que implicam a reunião de um grande número de pessoas. 

Afinal, a suspensão de aulas presenciais como ação para o enfrentamento de epidemias e pandemias já foi necessária em outros momentos. A estratégia foi utilizada, por exemplo, pelos Estados Unidos entre os anos de 1918 e 1919 para conter a gripe espanhola – estudos posteriores mostraram que a ação foi considerada importante para a redução de taxas de mortalidade à época. No Brasil, sob mandato do presidente interino Delfim Moreira, também foi tomada essa medida. Mais recentemente, em 2009, o procedimento foi repetido para conter o avanço da Influenza A (H1N1), conhecida como gripe suína. 

Contudo, se, por um lado, a suspensão de aulas presenciais mitiga a transmissão de doenças virais, por outro traz impactos para a aprendizagem dos alunos. Precisamos falar do assunto e pensar em estratégias de enfrentamento.

Calendário 2022: datas e temas para inspirar suas aulas

Baixe um calendário para uso pessoal ou da equipe e confira sugestões de atividade sobre temas que marcarão o ano.


Os impactos foram maiores em crianças e jovens mais vulneráveis

Obviamente, comparar os efeitos na Educação do início do século XX com a que temos agora é, como diz o ditado popular, comparar bananas com laranjas. Afinal, no Brasil, na época da gripe espanhola, o acesso à escola era exclusivo da elite – por isso, para os mais pobres, a suspensão das aulas não alterou suas rotinas. 

Hoje, embora ainda existam grandes lacunas, nossa Educação Básica está muito mais próxima da universalização. Antes da pandemia, atingíamos patamares de 97,3% de crianças e jovens de 4 a 17 anos na escola, segundo estudo Cenário da Exclusão Escolar no Brasil, elaborado pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e o Cenpec. 

A possibilidade de ter um ensino remoto não foi suficiente para evitar a tragédia educacional causada pelo fechamento das escolas. A pandemia criou um retrocesso de duas décadas para mais de 5 milhões de crianças e jovens – o que equivale a 13,9% da população brasileira de 6 a 17 anos. Esses números são majoritariamente de crianças e jovens pobres, pardos e negros (68,5%). 

Diferentemente do que aconteceu no século passado, a população mais vulnerável é a mais afetada, pois a escola é para essa parcela da população um espaço de aprendizagem, sociabilização, desenvolvimento emocional e, até mesmo, segurança alimentar.

Curso gratuito: como combater a evasão escolar no Ensino Médio

Entenda como fazer o planejamento tendo em vista a realidade dos alunos, compartilhar formas de realizar busca ativa aos evadidos e de resgatar a identidade escolar, para que os alunos se sintam pertencentes àquela comunidade e criem laços com a escola.


Por isso, precisamos ter consciência das consequências deixadas pelo fechamento de escolas. Entender que a adoção emergencial do ensino remoto – por aqueles que tiveram acesso –, aconteceu sem que ninguém estivesse devidamente preparado. Esse cenário causou prejuízos consideráveis no progresso cognitivo e socioemocional dos estudantes, que não podem ser ignorados no retorno presencial. 

Embora tenha sido necessário fechar as escolas no início da pandemia, hoje o cenário é outro. Temos evidências de que é possível retomar as atividades presenciais de forma integral e obrigatória. Com essa possibilidade no horizonte, é imprescindível entender que as estratégias de suplementação pedagógica que utilizamos normalmente, tais como recuperação paralela, revisão de conteúdos e regimes de progressão parcial, não darão conta dos impactos da pandemia. 

Recomposição da aprendizagem

Segundo o dicionário, recuperar significa tornar a ter a posse, reaver; já recompor, reconstituir, reorganizar, restaurar. Por isso, muitos têm preferido usar recomposição de aprendizagem para identificar o movimento que é necessário hoje. 

A demanda que temos atualmente é diferente das defasagens e dificuldades de aprendizagens que existiam antes da pandemia. Por isso, é preciso mais do que recuperar, mas construir uma ação complexa e significativa que vise não só reconectar o estudante à trajetória cognitiva afetada pelo distanciamento, mas também reduzir a desigualdade educacional. 

O foco deve estar na reconstituição, a reorganização e a reconstrução das aprendizagens. Isso significa desenvolver ações que foquem o desenvolvimento das habilidades essenciais que foram prejudicadas, mas que são fundamentais para a continuidade do caminhar pedagógico dos estudantes.

Como superar barreiras de aprendizagem na volta às escolas

Confira estratégias para apoiar alunos com deficiência, ou que não tiveram acesso à internet no contexto remoto ou que sofreram dificuldades financeiras e emocionais no período.


Para isso, a avaliação diagnóstica é o ponto de partida para averiguar a profundidade dos danos. Também é vital a análise de como está o socioemocional dos estudantes e professores. 

A recomposição das aprendizagens deve ser uma ação complementar ao retorno presencial e deve acontecer em paralelo às atividades previstas nos Projetos Políticos Pedagógicos (PPPs) escolares. 

Um caminho é investir em mais tempo qualificado para o processo de ensino-aprendizagem – com o devido cuidado para não sobrecarregar os alunos e afastá-los da escola. É um cenário complexo e desafiador que requer energia e foco.

A experiência de quem já está organizando esse trabalho

No estado do Mato Grosso do Sul, pretende-se realizar a recomposição de aprendizagem em regime de colaboração entre os municípios – com apoio do Comitê de Articulação para a Efetividade da Política da Educação no Mato Grosso do Sul (Caepe-MS), governança com resultados exitosos sobre a qual já falamos nesta coluna

Na rede, as ações de recomposição utilizarão propostas pedagógicas mais engajadoras, como, por exemplo, fazendo uso de metodologias ativas, que buscam dar maior protagonismo aos estudantes. Outra recomendação será de elaborar um trabalho que estimule investigação. A estratégia permite o desenvolvimento de aprendizagens mais significativas e possibilita que os professores explorem temas de interesse e estimulem a aprendizagem colaborativa com grupos de estudos e clubes de pesquisa

Essas não são as únicas estratégias para diminuir os prejuízos causados pelo distanciamento dos estudantes de suas escolas, mas são duas possibilidades. Esperamos que muitas outras mais sejam compartilhadas e que a sociedade venha a se engajar para que não tenha sido em vão o sacrifício que cada criança e jovem deste país fez no combate a pandemia. 

Alessandra Gotti é fundadora e presidente-executiva do Instituto Articule. Doutora em Direito Constitucional pela PUC/SP. Foi Consultora da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) e do Conselho Nacional de Educação (CNE). 

Helio Daher é Presidente do Conselho Estadual de Educação de Mato Grosso do Sul, Superintendente de Políticas Educacionais da Secretaria de Estado de Educação de MS e mestrando em Educação pela UEMS/MS.