Compartilhe:

Jornalismo

Educação Infantil: 6 dicas para o fechamento do nosso trabalho em 2021

Analisar as ações desenvolvidas ao longo do ano pode ajudar o professor a elaborar os encaminhamentos necessários para o próximo período letivo

PorPaula Sestari

07/12/2021

Getty Images

Olá queridos professores e professoras, tudo bem? Não sei se vocês estão lembrados, mas na minha coluna anterior, eu trouxe alguns pontos de apoio para o registro avaliativo das crianças da Educação Infantil – e naquele momento, deixei explícito como esse momento está diretamente relacionado à avaliação do próprio trabalho desempenhado pelo educador. 

Essa reflexão sobre as nossas ações vai ajudar a criar alguns encaminhamentos para o próximo ano letivo. Por isso, na minha última coluna de 2021, resolvi avançar nessa conversa, e sugerir seis pontos que considero fundamentais para se despedir desse ano letivo com a certeza de dever cumprido –  e já apoiar o início dos seus trabalhos em 2022. Vamos nessa? 

  1. Faça uma autoavaliação 

Na conversa que iniciamos na segunda coluna de novembro, mencionei que o registro avaliativo das crianças é também a oportunidade do professor olhar para o seu próprio desempenho. Nessa hora, é possível analisar pontos como: se a organização de espaços, tempos, materiais e agrupamentos foi de qualidade; se houve a diversidade necessária para atender as características e necessidades da faixa etária trabalhada; e ainda verificar se as suas intervenções funcionaram, no que diz respeito a mediar os pequenos conflitos, e organizar as movimentações entre os diferentes espaços e momentos do cotidiano com o grupo. 

Após identificar os pontos que foram mais frágeis, não precisa se desesperar: a dica é delimitar algumas estratégias, como a leitura de bons textos, a troca com professores mais experientes ou que você observa que possuem uma melhor habilidade nesses aspectos, ou mesmo procurar a coordenação ou gestão da sua instituição, compartilhando esses seus desafios para que, juntos, possam pensar em soluções – até porque muitas das demandas dos professores necessitam do apoio desses outros atores para que sejam vencidas.

Curso: Os campos de experiências na BNCC da Educação Infantil

O curso vai apresentar os diferenciais e as inovações que o documento apresenta em relação aos que o antecederam, aborda o modo como a Base está estruturada e organizada e, por fim, explica de que maneira os direitos de aprendizagem e desenvolvimento se articulam e se concretizam.

  1. Avalie ferramentas de trabalho e os instrumentos de coleta de registros 

A prática do registro é fundamental para o trabalho do professor da Educação Infantil, já que permite, acima de tudo, que se identifique os avanços e as aprendizagens das crianças. Por isso, avalie se os seus instrumentos e o seu processo de documentação das práticas foram suficientes. 

Se após essa análise você encontrar dificuldades para enxergar os avanços com as crianças, pode ser um sinal de que existem fragilidades. Desse modo, uma boa sugestão é já pensar, para o ano que vem aí, em criar registros individualizados de acompanhamento das crianças, como por exemplo, dividir em grupos semanais com a delimitação de pontos de observação a partir dos objetivos de aprendizagem e desenvolvimento. Trata-se de uma boa perspectiva para conseguir consolidar elementos mais substanciais para o registro dos pequenos. 

  1. Participe ou sugira uma avaliação institucional 

Sabemos que no mês de dezembro está todo mundo cansado, mas é interessante fazer uma reflexão em equipe sobre o ano, em especial sobre esse 2021 em que tivemos tantos desafios em virtude da pandemia. 

Assim, vale retomar nesse momento os compromissos do início do período letivo e fazer uma análise do que foi possível realizar –  e se não realizaram,  refletir sobre quais foram os motivos para isso. O ideal é, a partir desses pontos, já pensar no período letivo que vem aí, caso você e sua equipe entendam que certos compromissos merecem ser mantidos, além é claro, de traçar novos objetivos, entendendo que as demandas também se modificam de um período para o outro.

Curso: Atividades de Educação Infantil: Planejamentos alinhados à BNCC

Neste curso, você conhecerá experiências e sugestões que ajudam a realizar um planejamento alinhado à Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e voltado aos interesses e à perspectiva das crianças que frequentam a Educação Infantil.

  1. Organize os registros para apoiar o início do próximo ano 

Outra boa dica é deixar separados os registros individuais e coletivos que poderão subsidiar as propostas de acolhimento do ciclo a seguir. No caso de acompanhar o mesmo grupo, é preciso pensar que o crescimento das crianças acarreta em novos desafios e necessidades da faixa etária – lembrando que esse não é um processo linear ou de acúmulo de novas habilidades. 

Se a proposta é trabalhar com um grupo diferente de crianças, existe aí um desafio de coleta de informações com o professor atual. Já no caso de se manter com a mesma faixa etária, temos a segurança da experiência desenvolvida ao longo desse ano, mas lembre-se que a ideia não é repetir planejamento. 

Agora, quando a mudança é mais radical, vale conversar com professores que já atuam com a faixa etária em que você vai trabalhar. Nessa hora,  procure conhecer a dinâmica das vivências diárias, os materiais e espaços disponíveis, além de reconhecer quais foram os contextos educativos organizados ao longo desse ano, quais os momentos mais significativos, e qual é o repertório que o grupo já têm constituído. 

Por fim, se é um grupo que está iniciando na instituição, procure acompanhar a entrevista com os familiares, e a construção da ficha de anamnese com as informações mais importantes da criança desde o seu nascimento, incluindo as pessoas com as quais mais convive, as preferências alimentares, hábitos de rotina e dados socioeconômicos. 

  1. Organize também os seus materiais 

Lembra quando nossas avós ou mães faziam uma faxina de natal? Esse momento aqui tem o mesmo poder de renovação. Faça uma organização completa dos seus materiais: veja, por exemplo, se faz sentido manter todos os elementos produzidos – de repente, eles podem ficar num local comum da escola para os demais professores usarem em outros contextos. 

Assim, pratique o desapego pedagógico mas com a consciência da sustentabilidade, sempre visando o descarte correto dos materiais, e identificando o que eventualmente pode ser reaproveitado. Vocês vão perceber que toda essa ‘faxina’ nos ajuda até em relação à nossa saúde mental.

Curso: Literatura na Educação Infantil - Como planejar atividades de leitura

Esse curso destaca as características e os objetivos de diferentes modalidades de leitura (em voz alta, individual, em capítulos, rodas de apreciação etc) e traz sugestões de como planejar essas atividades. 

 

  1. Aproveite as férias: descanse e invista em você! 

Faça uma programação de férias, principalmente separando boa parte do tempo para um merecido descanso. Além disso, toda essa reflexão realizada evidenciou quais competências poderiam ser aprimoradas para o período letivo que vem aí. Então que tal investir na leitura de livros agradáveis, que possam inspirar em uma perspectiva mais teórica ou mais prática? Ou talvez um curso de carga horária leve sobre práticas de planejamento de contextos significativos, documentação pedagógica alinhada à BNCC, ou de outros temas pertinentes? 

São apenas algumas possibilidades que têm o objetivo de fortalecer e aprimorar o seu trabalho, que com certeza já é de excelência! De qualquer forma, o foco é aproveitar essa reta do final de ano para recarregar as energias e chegar ao próximo ciclo com disposição para encarar os desafios que virão. 

Finalizo essa coluna agradecendo a companhia de vocês, professores e professoras, ao longo de 2021, e desejando um ótimo final de ano e um feliz 2022. 

Um abraço e até breve, 

Paula Sestari é professora de Educação Infantil da rede municipal de ensino de Joinville (SC), com 10 anos de experiência nessa etapa, e mestre em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias. Em 2014, recebeu o Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita, e foi eleita Educadora do Ano com um projeto na área de Educação Ambiental com a faixa etária das crianças pequenas.

continuar lendo