Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias

É tudo música, do clássico ao erudito

A escuta de obras eruditas e populares ajuda a quebrar preconceitos em relação aos dois estilos

POR:
Bruno Mazzoco, NOVA ESCOLA, Fernanda Salla

Rede de influências: uma amostra dos intercâmbios de estilo. 45JJ

Rede de influências: uma amostra dos intercâmbios de estilo 
Consultoria Ana Fridman


O que artistas com produções tão distintas como o maestro Heitor Villa-Lobos, a banda The Beatles, a compositora Chiquinha Gonzaga e o cantor Bobby McFerrin têm em comum? Eles deixaram de lado concepções rígidas sobre o fazer artístico para produzir obras que misturam influências, diluindo a já tênue fronteira que separa o popular do erudito na música. Mostrar o diálogo entre os dois estilos para os alunos revela que existe um universo musical a ser explorado, não apenas o que chega pelos círculos de influência social e pela mídia.

Essa abordagem, além de aproximar o repertório que o docente pretende trabalhar das referências comuns da turma, ajuda a quebrar preconceitos: se por um lado as manifestações populares são muitas vezes subestimadas, a música de concerto também recebe conotação negativa, pois é considerada uma arte inacessível. "Apresentar obras que não são nem uma coisa nem outra para provocar a discussão faz as crianças chegarem a uma elaboração sobre erudito e popular, que é melhor do que dar conceitos prontos", afirma Maria Paula Zurawski, artista da Cooperativa Paulista de Teatro e do Grupo Furunfunfum de teatro.

De modo geral, o erudito é atribuído às produções consideradas sérias enquanto o popular englobaria as voltadas ao entretenimento. Porém, é comum uma obra mudar de categoria com o tempo. "No passado, as suítes de Bach eram dançadas na corte. Só depois viraram peças de concerto", diz Enny Parejo, docente em didática para o ensino musical da Faculdade Cantareira. Além disso, essa categorização não dá conta de traduzir a permeabilidade das influências mútuas que sempre marcou a criação musical (veja exemplos no infográfico acima). "Em vários momentos, esbarramos em hibridismos", diz Ana Fridman, pesquisadora do Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora (Nics) da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Os artistas citados no início deste texto são provas disso. Já famosos, os Beatles pesquisaram diferentes tradições musicais, o que refletiu no uso de orquestração sinfônica e de sons indistintos repetidos em intervalos constantes, como nas faixas A Day in the Life e Straw-berry Fields Forever. Isso impulsionou o nascimento do rock progressivo e do rock sinfônico, gêneros que usam elementos da música sinfônica. Já Bobby McFerrin, depois de cativar o público com a canção Dont’t Worry, Be Happy, em que usa apenas a boca para fazer todos os sons que compõem a música, retornou a suas raízes eruditas.

No caso de Chiquinha Gonzaga, a formação em piano clássico foi utilizada para compor choros, maxixes e polcas, todos ritmos populares. "O interessante é que ela traz essas duas influências bem claras. O tango Suspiro deixa a dúvida se é erudito ou popular", analisa Ana. Já o maestro Heitor Villa-Lobos, para criar um repertório de concerto brasileiro, misturou orquestração a ritmos e instrumentos colhidos da tradição popular e folclórica na composição de seus temas.

Toda essa fusão, entretanto, não significa que cada estilo não tenha especificidades. O erudito costuma se caracterizar por um maior apuro técnico, marcado pelo estudo mais detalhado de seus elementos, como a melodia e a harmonia. Outro traço marcante são as apresentações formais e pautadas na notação musical, em que valoriza-se o rigor na reprodução do que indica a partitura - diferentemente da tradição popular, com espaço para improvisações, em que os músicos buscam imprimir sua marca pessoal na hora de tocar. Há, ainda, estilos que conjugam ambas as características, como o jazz sinfônico, que une a orquestra às invenções das big bands de jazz.

Escuta além dos conceitos

A Jazz Sinfônica mescla o popular e o erudito na composição da orquestra e nas criações. Foto: Chema Llanos
A Jazz Sinfônica mescla o popular e o erudito na composição da orquestra e nas criações

Ao trabalhar o assunto em sala, a garotada deve ser capaz de identificar as diferenças entre um estilo e outro, mas é preciso ir além. O caminho é apresentar trechos de peças produzidos pelas diferentes tradições e instigar a sala a chegar às particularidades de cada uma em relação à estrutura, instrumentação e duração das obras, estabelecendo as diferenças entre as produções a partir de suas impressões. "Não rotular previamente ajuda os alunos a construírem a ideia de que música pode ser muita coisa", afirma Ana.

Vale ressaltar que levar somente referências muito distantes do repertório da turma pode causar estranhamento. A dica é apresentar aos alunos também algo que seja familiar a todos e ampliar o debate com base nesse estilo. E aí pode tudo, até o funk. "Com esse material, o professor deve começar a pesquisa para levar o aluno a conhecer outras coisas", diz Áudrea da Costa Martins, professora do Instituto Federal do Rio Grande do Sul (IFRS). "Isso amplia o horizonte cultural da garotada e fica mais difícil que um estilo musical se torne hegemônico", completa Enny.

Segundo Ana, é bacana também abrir a escuta dos estudantes para os sons que estão ao redor e trabalhar a sensibilização deles para que "enxerguem o mundo como uma caixa acústica" e olhem o entorno como um manancial de sons à disposição, que podem ser explorados em suas criações sonoras (leia a sequência didática). Essa seria uma forma de introduzir as crianças à produção erudita contemporânea e estimulá-las a fazer experimentações.

Esse percurso, além de enriquecer o repertório e ampliar as possibilidades musicais da garotada, permite desenvolver outro aspecto caro à criação artística: a autoria. "Parece ser um assunto árido, mas é muito estimulante, pois os alunos não se prendem em rótulos na hora de produzir e podem se expressar", diz Áudrea. Dessa forma, a turma pode ter uma formação musical realmente erudita, não como um rótulo, mas como está no dicionário: com uma instrução vasta e variada.

Tags

Guias

Tags

Guias