Crie sua conta e acesse o conteúdo completo. Cadastrar gratuitamente

Alfabetização matemática: Como começar a trabalhar as frações?

Confira dicas para introduzir o conceito no ciclo de alfabetização

POR:
Selene Coletti

Com apoio de peças de mosaico, aluno entra em contato com a ideia da divisão em partes iguais. Esse trabalho favorece a construção da noção de parte-todo, conceito fundamental para o entendimento das frações. Crédito: Acervo pessoal

Assim como a divisão, a fração está presente em nosso cotidiano em diferentes situações: ao realizar uma receita, ao dividir uma massinha, cortar um bolo, distribuir as peças de um jogo, dentre tantos exemplos.

A forma como isso é introduzido na escola faz toda a diferença na construção do conceito e entendimento das frações. Esse trabalho repercute nas relações que o aluno estabelece com os conteúdos matemáticos e que ele levará consigo para sua trajetória escolar e pessoal.

Por isso, nossa conversa será no sentido de pensarmos em como introduzir as frações de uma forma mais significativa para as crianças do ciclo de alfabetização.

Do letramento à probabilidade: compreenda os caminhos da BNCC para a Matemática

Confira intensivo de 40h para entender a proposta da BNCC para a Matemática. Em cinco cursos, entenda base teórica e conheça exemplos práticos de atividades e recursos que podem te ajudar a levar esse conhecimento para sua sala de aula


O que levar em consideração

Antes de iniciar nossa conversa, convido você a pensar como aprendeu fração na escola. Certamente, isso repercutiu na forma que entende e trabalha hoje as frações. No meu caso, lembro-me que só fui entender o significado delas quando precisei estudá-las com meus alunos – vale destacar que sempre tirei boas notas na escola, por isso um bom resultado nem sempre é sinal de entendimento do conteúdo.

Ao pensar em fração, vem à nossa mente a ideia da divisão de pizza ou da barra de chocolate em partes iguais. No entanto, para começar a pensar em como trabalhar o assunto, necessário ter em mente que, além das quantidades contínuas, temos as descontínuas que também devem ser apresentadas para as crianças – ao longo do texto explicarei melhor cada uma delas.

Inspire-se no ensino híbrido para criar aulas de Matemática

Conheça os modelos e experiências de professores com os modelos de rotação por estações e sala de aula invertida para avançar nas aprendizagens matemáticas


Quando trabalhamos o conceito de fração trazemos situações em que a relação parte-todo está implícita, como quando dividimos uma pizza em partes iguais. Entretanto, vale lembrar que a fração como relação parte-todo implica que a divisão seja sempre em partes iguais. Essa divisão pode se referir a quantidades de objetos idênticos que podem ser contados, agrupados ou distribuídos (quantidades descontínuas ou discretas). A divisão também ser representada por uma figura dividida em partes do mesmo tamanho (quantidades contínuas). Dessa forma, ambos os tipos precisam ser trabalhados ao longo dos Anos Iniciais.

De acordo com os documentos oficiais, a ideia de fração deve começar a ser abordada no 1º ano do Ensino Fundamental, segundo a Política Nacional de Alfabetização (PNA). Ela propõe que a primeira ideia trabalhada é a noção de metade. A Base Nacional Comum Curricular, por sua vez, propõe que seja trabalhada no 2º ano e aprofundada de forma gradual a cada ano. 

Confira habilidades previstas da BNCC referentes as frações 

(EF02MA08) Resolver e elaborar problemas envolvendo dobro, metade, triplo e terça parte, com o suporte de imagens ou material manipulável, utilizando estratégias pessoais. 

(EF03MA09) Associar o quociente de uma divisão com resto zero de um número natural por 2, 3, 4, 5 e 10 às ideias de metade, terça, quarta, quinta e décima partes. 

(EF04MA09) Reconhecer as frações unitárias mais usuais (1/2, 1/3, 1/4, 1/5, 1/10 e 1/100) como unidades de medida menores do que uma unidade, utilizando a reta numérica como recurso. 

(EF05MA03) Identificar e representar frações (menores e maiores que a unidade), associando-as ao resultado de uma divisão ou à ideia de parte de um todo, utilizando a reta numérica como recurso. 

(EF05MA04) Identificar frações equivalentes. 

(EF05MA05) Comparar e ordenar números racionais positivos (representações fracionárias e decimal), relacionando-os a pontos na reta numérica.  


Colocando em prática

Existem muitas situações, desde a Educação Infantil, que podem ser utilizadas para construir o conceito de fração. Por exemplo, distribuir em partes iguais uma quantidade de peças ou de brinquedos (quantidades descontínuas) ou mesmo a massinha (quantidade contínua). Repartir entre dois, três ou quatro amigos é uma possibilidade de estudar as noções de metade, um terço, um quarto.

Nesse momento de primeiros contatos não é necessário utilizar a palavra “fração” ou nomear os seus termos. Permita que os alunos percebam a divisão do todo (seja contínuo ou não) em partes iguais.

Aluno manipula disco para representar uma fração como forma de construir a ideia de parte-todo. Crédito: Acervo pessoal

Existem materiais manipuláveis que podem ser utilizados para trabalhar de forma lúdica e significativa o conceito. Temos o disco, o mosaico e as tiras de frações como possibilidades para que a turma use e possa ir construindo as ideias por trás. No seu planejamento, professor, não esqueça de prever os materiais e intervenções que fará para avançar nas aprendizagens.

Também é possível fazer uso da reta numérica, como já falamos aqui em outro momento. Ela pode contribuir na construção do conceito e é possível utilizá-la em paralelo a outros materiais, por exemplo, explorar as tiras de fração e depois representá-la na reta numérica. – confira aqui um exemplo de atividade.

Aluno faz uso de peças quadradas e retangulares para montar tiras que represente uma fração. Crédito: Acervo pessoal

Outra possibilidade é trabalhar o conceito a partir da literatura. O livro O pirulito do pato, de Nilson José Machado, propõe situações-problema que podem ser exploradas para observar o que cada criança já domina. A obra traz uma situação em que os irmãos Lino e Dino precisam dividir um pirulito. Inicialmente, eles precisam repartir igualmente entre eles (noção de metade). Depois mais um amigo chega e a divisão se torna de um terço do pirulito. Conforme mais amigos chegam, os alunos entram em contato com a ideia de  um quarto, um décimo.

Explore as estratégias de resolução utilizadas pelas crianças, faça intervenções para estimular o raciocínio da turma e depois apresente a proposta do autor. Isso encherá de significados o processo de ensino e aprendizagem!

Essas são algumas possibilidades que merecem ser levadas em consideração para repensar sua prática e planejar as aulas sobre frações. Percebeu diferença entre a forma como você aprendeu e a forma como propus? Como você costuma fazer esse trabalho? Conte-me nos comentários.

Um abraço e até a próxima!

Selene

Selene Coletti é professora há 40 anos na rede pública. Atuou na Educação Infantil e foi alfabetizadora por 10 anos, lecionando do 1º ao 5º ano. Em 2016, foi uma das ganhadoras do Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita,  com o projeto “Mapas do Tesouro que são um tesouro”, na área de Matemática. Foi diretora de escola e recebeu, em 2004, o Prêmio “Gestão para o Sucesso Escolar”, do Instituto Protagonistes/Fundação Lemann. Atuou como coordenadora do Núcleo de Formação Continuada e também como formadora da Educação Infantil na Prefeitura de Itatiba (SP). Atualmente é vice-diretora da EMEB Philomena Zupardo, em Itatiba. 

Tags

Guias

Tags

Guias