Crie sua conta e acesse o conteúdo completo. Cadastrar gratuitamente

Passo a passo: como utilizar a sala de aula invertida na alfabetização

Conheça uma atividade para colocar em prática essa modalidade ativa – que pode render ótimos momentos de aprendizagem e desenvolver o protagonismo dos estudantes

POR:
Mara Mansani
Crédito: Getty Images

No mês de setembro, NOVA ESCOLA publicou um especial com quatro reportagens sobre metodologias ativas. Um questionamento que sempre surge quando falamos dessa temática é: “é possível trabalhar com essas modalidades na alfabetização?”. A resposta é sim, e na coluna de hoje, vou trazer uma sugestão de atividade que utiliza como referência o modelo da sala de aula invertida.  

Como o próprio nome indica, essa perspectiva inverte o modelo tradicional e convencional de ensino: os alunos recebem antecipadamente alguns materiais de leitura e orientações para pesquisas, para estudarem em casa com apoio das tecnologias. O ponto de atenção aqui é o apoio da família nesse estudo, para que os estudantes desenvolvam a sua autonomia, que vai crescendo gradualmente. Em seguida, no retorno ao espaço escolar, os alunos trazem as suas descobertas, reflexões e estudos, que levam a discussões e à realização de atividades práticas com toda a turma. 

Dessa forma, a sala de aula se torna realmente um espaço para a aprendizagem ativa, e o professor assume o papel de mediador de todo o processo, ao invés de ser apenas o transmissor de informação das aulas tradicionais.

Live gratuita: Práticas de alfabetização para contexto presencial, remoto e híbrido 

Aprenda a atender as demandas de alfabetização e desenvolver as habilidades essenciais desta etapa com a educadora e colunista Mara Mansani


Aplicando metodologias ativas na alfabetização
 

Considerando que essa modalidade exige uma certa autonomia nos estudos, no ciclo da alfabetização o mais indicado é explorá-la com alunos que já dominem o básico na leitura e escrita, mesmo que com apoio. Caso não haja essa autonomia, podemos fazer uso de alguns elementos que compõem a sala de aula invertida, como por exemplo, definir e encaminhar alguns conteúdos que sejam possíveis de serem estudados previamente, mas que não dependam de pesquisas autônomas. 

A seguir, apresento então a minha proposta de atividade, que tem como tema “Os cuidados com animais domésticos”. Nela, os alunos são convidados a pesquisar, fazer descobertas, refletir, ler conteúdos informativos, e finalizam com a escrita de textos de conscientização para a divulgação entre a turma. 

Segundo a BNCC, esses conteúdos trabalhados e estudados aqui pertencem ao campo da vida pública, sendo relativos à participação em situações de leitura e escrita que envolvam textos das esferas jornalística, publicitária, política, jurídica e reivindicatória, contemplando temas que impactam a cidadania e o exercício de direitos.

Trilha de cursos: Intensivo de alfabetização 

NOVA ESCOLA preparou um intensivo com 60h de formação dividido em dois cursos, para você incluir definitivamente as Metodologias Ativas em suas aulas para alfabetizar seus alunos 


Passo a passo - proposta de sala de aula invertida
 

Essa prática pode ser desenvolvida em um tempo de três dias a uma semana, dependendo da organização e distribuição dos materiais de estudo para casa, e do tempo disponível para atividades presenciais. Além disso, para esse passo a passo, é importante que o professor leve em consideração três momentos: a preparação dos estudantes para entrar no tema; propostas de atividades em grupo para que os alunos possam trocar experiências e também momentos para atividades individuais; e a sistematização de informações e aprendizados. Feitos esses destaques, mãos à obra: 

Tema da atividade: Os cuidados com animais domésticos 

1- No primeiro momento, apresente a proposta, compartilhando com os seus estudantes o objetivo: ler e escrever sobre os cuidados com os bichos de estimação. 

2- Depois disso, disponibilize para os alunos os materiais e indicações para estudos e pesquisas, em formato impresso e digital (pode ser, por exemplo, via WhatsApp  ou outro canal de comunicação com os alunos). As famílias também devem receber o material e as orientações sobre como acompanhar e apoiar os estudos de seus filhos. 

Seguem algumas sugestões de conteúdos e referências: 

- Infográficos e cartazes sobre características e cuidados envolvendo animais domésticos. Muitos desses materiais estão disponíveis gratuitamente on-line;

- Leitura on-line do livro O Sétimo Gato –  uma história superbacana de Luís Fernando Veríssimo. Nesse vídeo em formato de animação do projeto Leia Para Uma Criança, o texto é lido em meio a sons e imagens que se movem; 

- Podcast Bichos na Escuta - conteúdo em áudio sobre a domesticação dos cães; 

- Animais domésticos - Khan Academy Brasil - vídeo que ressalta os cuidados com saúde e bem-estar dos bichos criados em casa; 

- Wordwall - Cruzadinha dos Animais - joguinho por meio do qual, partindo de pistas, descobre-se nomes de animais domésticos e selvagens; 

Como usar ideias do ensino híbrido em alfabetização 

Nesse Nova Escola Box, você vai ter acesso a conteúdos que vão auxiliar no desenvolvimento de uma série de habilidades de leitura e escrita utilizando estratégias típicas de ensino híbrido, como sala de aula invertida. 


3- Em seguida, oriente os seus estudantes a pesquisarem sobre essa temática em casa, com apoio dos familiares e utilizando livros e a internet. Nesse momento, é importante apresentar alguns desafios que irão nortear essas buscas, guiar os estudos e levá-los a reflexões. 

Algumas sugestões de perguntas e pequenas atividades são: “O que são animais domésticos?”; “Escreva uma lista com nomes de animais domésticos”; “Escreva uma dica de como cuidar bem de um bicho criado no ambiente doméstico”; entre outras possibilidades. 

4- No momento do retorno, já em sala de aula, organize uma roda de conversa para que os alunos apresentem e compartilhem as descobertas e resultados dos estudos realizados em casa. 

Nessa hora, o professor deve fazer perguntas relacionadas às pesquisas e atuar como escriba, registrando as descobertas e respostas de todos – além de fazer intervenções em forma de questionamentos, que levem à reflexão quanto à escrita e à temática, de forma a garantir e a consolidar as aprendizagens. 

5- Posteriormente, os alunos devem realizar atividades coletivas e individuais. Na coletiva, eles devem, em grupo, selecionar e classificar animais domésticos, a partir de análises de imagens. 

Já na parte individual, cada um deve produzir de forma escrita algumas dicas de como cuidar dos bichos. Em seguida, essas dicas são compiladas novamente de forma coletiva, compondo um mural colaborativo elaborado por todos os estudantes, que servirá como atividade avaliativa nos âmbitos da escrita, leitura e conteúdo relacionados à temática. 

6- Chegamos, então, ao fechamento, instante em que o professor faz intervenções pontuais, dando feedback aos alunos sobre a participação e a produção de cada um. 

7- Por fim, os alunos devem ler juntos o mural construído coletivamente – e o professor realiza algumas perguntas finais sobre o objeto de estudo, fixando  conceitos e aprendizagens.


Com isso, vemos que a sala de aula invertida pode potencializar o processo de leitura e escrita das crianças, e o destaque dessa metodologia é que, além do tempo e do espaço em sala de aula serem muito bem aproveitados, o protagonismo do aluno fica evidente na busca por validar suas hipóteses e responder os desafios de estudo, saindo da participação passiva para a posição ativa na busca e construção do conhecimento. 

E vocês, professores e professoras, o que pensam que pode ser explorado em suas aulas por meio da metodologia da sala invertida? Se já possuem vivências e práticas desenvolvidas, por favor, compartilhem aqui nos comentários! 

Um abraço e até a próxima!

 

Mara Mansani 

Mara Mansani é professora há 34 anos, lecionou em vários segmentos, da Educação Infantil ao 5º ano do Ensino Fundamental, passando também pela Educação de Jovens e Adultos (EJA). Em 2006, teve dois projetos de Educação Ambiental para o Ensino Básico publicados pela ONG WWF, no livro “Muda o Mundo, Raimundo”. Em 2014, recebeu o Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita, na área de Alfabetização, com o projeto Escrevendo com Lengalenga 

 

Tags

Guias