Compartilhe:

Jornalismo

O que é a cultura da infância e como garantir os direitos de aprendizagem na prática?

Neste Dia das Crianças reflita sobre como promover o desenvolvimento dos pequenos ao valorizar a cultura infantil

PorAline Naomi

05/10/2021

Crédito: Getty Images

Os pequenos associam o Dia das Crianças, muitas vezes, a ganhar presentes e comemorar. Para os professores, pode ser o momento de refletir sobre o trabalho pedagógico que é realizado durante a primeira infância — período que vai até os 6 anos — e no seu papel na valorização da cultura da infância e na garantia dos direitos de aprendizagem previstos pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de Educação Infantil.

Para começar, é preciso entender o que são as culturas das infâncias — termo utilizado no plural, por conta da diversidade racial, social, cultural e econômica das crianças em diferentes territórios e tempos históricos. Ana Claudia Leite, pedagoga e consultora de Educação e Cultura da Infância no Instituto Alana, aponta que existem três aspectos dentro dessa perspectiva: aquilo que é produzido pela criança; o patrimônio cultural da infância; e as produções de adultos que dialogam com o público infantil.

No primeiro, a especialista destaca que o pequeno também é um sujeito que produz sua própria cultura e expressa sua percepção do mundo e do outro por meio das narrativas que constrói. “A criança tem um modo próprio de perceber a vida e é através das múltiplas linguagens que ela produz cultura, assim como os adultos e os jovens. Essas linguagens seriam o desenho, as modelagens, as esculturas, a fala, as brincadeiras”, explica.

O segundo aspecto se refere às brincadeiras, histórias, cantigas e músicas criadas ao longo da história em diferentes lugares. Elas são apresentadas às novas gerações de forma material, como é o caso dos brinquedos, ou imaterial através da tradição oral. Por fim, o terceiro “são as produções de teatro, de artes plásticas, de shows, de músicas que têm um caráter cultural, de uma experiência artística, e não de um consumo”, exemplifica Ana Claudia.

A cultura da infância e a BNCC

A BNCC estabelece seis direitos de aprendizagem na Educação Infantil, sintetizados em seis verbos de ação: conviver, brincar, participar, explorar, expressar e conhecer-se. Eles servem como uma bússola para o professor planejar propostas que valorizem a cultura da infância.

Ana Claudia explica que o educador tem o papel fundamental de trazer o repertório dessa cultura — seja da localidade, do Brasil ou até mesmo de outros países — e propiciar o brincar livre. “Essa é, talvez, a maior atribuição dos educadores e adultos, que é possibilitar as crianças a viverem a infância da melhor forma. Isso significa que elas devem ter condições de espaço, de tempo e de materiais para se expressarem em liberdade”, afirma.

Curso BNCC na Educação Infantil: as crianças e suas experiências

Neste curso, aprofunde-se sobre os campos de experiências e direitos de aprendizagem propostos pela BNCC, e entenda como proporcionar experiências significativas que valorizem o pleno potencial das crianças


Adriana Friedmann, coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Simbolismo, Infância e Desenvolvimento (NEPSID), explica que as brincadeiras são fundamentais para que a criança se expresse. “O brincar vai ser o primeiro canal que precisamos oferecer neste momento para que a criança possa se expressar, colocar para fora suas emoções e tudo que ela está sentindo”, afirma a especialista.

Conforme a criança vai se desenvolvendo, seu brincar passa a ser mais organizado e isso ajuda em um desenvolvimento integral e saudável. “[Nesse momento,] o educador tem um papel importante de criar condições para esse brincar ser cada vez mais criativo e potente. Ele faz isso organizando o espaço, trazendo materiais [diversificados] e garantindo um tempo para esse brincar”, explica Ana Claudia.

Como garantir os direitos na prática?
Entenda como garantir essas aprendizagens na retomada presencial

O retorno das atividades presenciais trouxe consigo um grande desafio para a Educação Infantil: propor atividades que garantam o desenvolvimento integral da criança levando em conta todos os protocolos de biossegurança, como o distanciamento. Por conta disso, tornou-se ainda mais necessário usar a BNCC como um norte para a proposição de dinâmicas entre as crianças.

Em sua coluna, Evandro Tortora, professor de Educação Infantil, reforça a importância de pensar em atividades de qualidade, ainda que existam as restrições colocadas pelos protocolos sanitários.

Educação Infantil na pandemia
No Centro de Educação Infantil Espaço da Criança, em Joinville (SC), a professora Marilei Chableski relata dificuldades com as interações entre as crianças e com a exploração dos materiais durante a retomada presencial das atividades. “Você tem que organizá-los separadamente, de forma mais individual, tem que higienizar todos esses esses materiais”, explica.

Jusiara Fumache, educadora no Centro Municipal de Educação Infantil Curió, em Itatiba (SP), também enfrenta o problema compartilhado por Marilei. “Colocavamos um brinquedo em cada mesinha e a criança poderia brincar com aquele brinquedo. Só que fomos percebendo que os pequenos não estavam felizes assim. Elas ficavam olhando para o colega do lado e observando o outro brincar”, relembra.

A saída foi colocar duas crianças por mesinha para que houvesse alguma interação, mas garantindo sempre o uso de máscaras e o distanciamento. Adriana destaca que é fundamental criar esses combinados com a criança, de forma lúdica e sem imposições. “Não é só chegar com essas normas de cima pra baixo, mas como [na linha de] ‘vamos entender juntos’, e trazê-las para construir junto”, explica.

Como preparar espaços convidativos e seguros

Saiba como planejar e organizar ambientes que estimulem as interações e, ao mesmo tempo, respeitem as medidas sanitárias de enfrentamento da pandemia


Isso é o que as professoras da escola de Marilei buscam fazer. “Escutam a demanda ou a curiosidade da criança e vão fazendo provocações, propondo algumas experiências para ela, por si só, fazer suas descobertas”, exemplifica a educadora. Adriana ressalta que é importante estimular esse impulso explorador. “Crianças são pequenos pesquisadores, então temos que propor atividades, de preferência lúdicas, que elas tenham prazer [de realizar], e acolher o que elas trazem”, afirma a especialista.

Outro ponto importante para o momento de retomada das atividades presenciais é dar preferência a espaços abertos que promovam o contato com a natureza. Jusiara conta que leva sua turma ao pátio (ou ao parque) e propõe brincadeiras adaptadas para as restrições da pandemia. “Fazemos atividades em que não precisa encostar no outro. Vamos supor, uma roda, só que sem dar as mãos”, exemplifica a professora.

Vamos aprender ao ar livre?

Conheça os benefícios e possibilidades da aprendizagem em ambientes externos, que devem ser priorizados neste momento de retomada das atividades presenciais de acordo com os protocolos de biossegurança


Caso a escola não disponha de espaços abertos com presença da natureza, Adriana sugere pensar a possibilidade de criá-los, plantando em pequenos vasos e explorando os ambientes da escola de outra forma. “E tudo isso através da brincadeira. As crianças entendem perfeitamente, é só conversar. Construindo junto, a brincadeira se torna absolutamente possível e necessária”, finaliza.

Conteúdos para entender mais sobre o assunto
Quer se aprofundar no tema? Veja as dicas abaixo!

  1. Carretel Cultural: a organização desenvolve projetos ligados à educação, à cultura da criança e à cultura brasileira. No site, há registros e reflexões sobre o tema.
  2. Casa Amarela: o centro de estudos oferece oficinas e minicursos, além de reunir materiais sobre o desenvolvimento humano e as singularidades da infância.
  3. Casa das 5 Pedrinhas: o projeto de Lydia Hortélio, Adelsin e Lucilene Silva promove palestras e cursos sobre o universo da criança e do brincar.
  4. Criança e Natureza: o programa é uma iniciativa do Instituto Alana e no site é possível encontrar conteúdos que relacionam a natureza ao desenvolvimento das crianças. Lá, é possível encontrar gratuitamente a publicação “Desemparedamento da infância: a escola como lugar de encontro com a natureza”.
  5. Infâncias Plurais: a iniciativa do Instituto Alana e do Itaú Cultural promoveu a criação de novos projetos audiovisuais sobre a infância e a adolescência, que podem ser vistos aqui.
  6. Projeto Infâncias: criado pelas jornalistas Gabriela Romeu e Marlene Peret, o site reúne o trabalho de pesquisa, registro e reflexão sobre as diversas infâncias do país.
  7. Território do Brincar: o site reúne os registros de uma pesquisa sobre a espontaneidade do brincar em diversas comunidades no Brasil.
  8. 20 materiais para saber mais sobre brincadeiras: professores e especialistas indicam livros, publicações online, vídeos, filmes e sites para conhecer o universo do brincar
  9. Especial Brincadeiras na Educação Infantil: NOVA ESCOLA conversou com quem entende da prática e selecionou materiais para apoiar professores e gestores na hora de favorecer o brincar das crianças pequenas

LIVROS

  1. Brinquedos do chão: a natureza, o imaginário e o brincar, de Gandhy Piorski (Editora Peirópolis)
  2. Lá no meu quintal: o brincar de meninas e meninos de Norte a Sul, Gabriela Romeu e Marlene Peret (Editora Peirópolis)
  3. A vez e a voz das crianças: escutas antropológicas e poéticas das infâncias, de Adriana Friedmann (Editora Blucher Open Access)

FILMES

  1. Tarja Branca (disponível no Prime Video): O documentário investiga as memórias infantis dos adultos e reflete sobre a importância do brincar em diferentes fases da vida e os impactos dessa escolha na vida social.
  2. Sementes do Nosso Quintal (disponível no Videocamp): O filme retrata o cotidiano de uma escola de educação infantil sem precedentes que, através do pensamento-em-ação de sua idealizadora, a controversa e carismática educadora Therezita Pagani, nos revela o potencial estruturante da educação infantil verdadeira, firme e sensível.
continuar lendo