Contação de histórias: como retomar a prática na volta ao presencial

Da Educação Infantil ao Ensino Médio, todos têm muito a ganhar quando boas narrativas são apresentadas

POR:
Nairim Bernardo
Crédito: Getty Images

Quem nunca ouviu “Entrou por uma porta, saiu pela outra, quem quiser que conte outra!” ao  término de uma contação de histórias? A prática faz parte da cultura humana desde os tempos mais remotos, entre crianças, jovens, adultos e idosos. Até hoje, é difícil encontrar por aí quem não goste de ouvir uma fábula, um conto clássico… Embalados pela voz do contador, deixamos a imaginação correr solta, lembramos de outras histórias e queremos compartilhá-las também.

O ato de compartilhar histórias ajuda no desenvolvimento de diversas habilidades e competências, como escuta, fala, criatividade, interação, resgate da cultura pessoal e familiar, compreensão dos próprios sentimentos, entre outras.

Na escola, ao compartilhar uma narrativa oral, um dos desafios dos educadores é cativar a atenção das crianças - muitas delas acostumadas demais às linguagens próprias da TV, do videogame e das redes sociais. Por isso, investir em diferentes maneiras de contar e recontar é fundamental. Para lhe ajudar nessa tarefa, confira uma série de reportagens e planos de aula que apresentam projetos de contação de histórias realizados em escolas públicas brasileiras e mais algumas sugestões de atividades para todas as etapas de ensino.

  1. Escuta, fala, pensamento e imaginação: primeiros contatos com a arte da narrativa

Ouvir dos adultos a maneira como são pronunciadas as palavras é um dos motivos pelos quais é importante que bebês e crianças tenham contato com narrativas orais. Além disso, a imaginação, o conhecimento de si e dos outros e a compreensão da escrita também são desenvolvidos com a ajuda da contação de histórias. Saiba o que propõe e como trabalhar com o quarto campo de experiência estabelecido pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

  1. Debaixo da árvore, histórias e mitos

Na volta às aulas presenciais durante a pandemia, o distanciamento físico continua sendo uma medida necessária. Pensando nisso, nada melhor do que aproveitar espaços externos para desenvolver atividades com as crianças. Conheça a história de um educador da Educação Infantil que narra mitos africanos debaixo de uma árvore e como a turma materializa o que escuta com pinturas, construções ou encenações.

Curso: Leitura para bebês

O curso pretende consolidar uma prática habitual de leitura e de conversa sobre livros no dia a dia da Educação Infantil, a partir da reflexão sobre critérios de escolha de livros interessantes, planejamento das situações de leitura e levantamento de expectativas de aprendizagens. 

  1. Criança pequena contando história? É possível!

É muito interessante conhecer e contar várias histórias para a turma. Mas você também pode ocupar o lugar de ouvinte, sabia? Que tal deixar os pequenos ocuparem o papel de contadores de histórias? Para realizar essa atividade é preciso escolher uma narrativa, explorar diferentes estratégias de contação e organizar o espaço. Confira este texto da professora-alfabetizadora Mara Mansani e saiba em detalhes como fazer tudo isso.

  1. Como a contação de histórias e o teatro de fantoches inclui a todos

Em uma turma com uma aluna que tem uma deficiência que limita os movimentos e a comunicação e um aluno com deficiência intelectual, a professora da sala de leitura encontrou recursos para incluir a todos. O projeto Teatro de Fantoches com Painel Sonoro aposta em recursos visuais e sonoros para que as crianças contem, vejam e ouçam histórias, que ficam ainda mais interessantes quando encenadas por fantoches. Um projeto como esse também é uma ótima oportunidade para envolver estudantes de diferentes turmas e anos em uma mesma atividade.

  1. Uma atividade para ouvir histórias de mulheres inspiradoras

Esta sugestão de atividade é um convite para refletir sobre a importância de valorizar o lugar das mulheres no mundo. A ideia é perguntar quem são as figuras femininas importantes na vida de cada criança da turma, uma lembrança marcante, o que gostam de fazer juntos e questionar por que essas mulheres são especiais. Depois, a criançada é orientada a investigar mais sobre a vida de uma dessas mulheres e, posteriormente, (seguindo os protocolos de segurança contra a covid-19) poderá visitar a escola para contar uma história ou compartilhar outro ensinamento com os demais colegas.

Curso: Literatura na Educação Infantil - Como planejar atividades de leitura

Neste curso, vamos refletir sobre o lugar da literatura na Educação Infantil, como promover o encontro entre o livro e a criança-leitora e como realizar uma escuta atenta durante as atividades de leitura, sempre a partir de relatos de experiência.

  1. Inspirada pela bisavó, Maria Isabel propôs um resgate das memórias da região

As atividades de contação de histórias não precisam ficar restritas à Educação Infantil. Conheça o projeto de Filosofia em que alunos do Ensino Médio mergulharam na história das comunidades quilombolas ao redor da escola. A principal ideia é que cada um ouça seus avós, demais familiares e outros membros da comunidade e registrem os relatos. Depois, os áudios registrados, cartas, fotos e objetos antigos das famílias podem ser organizados para rechear um álbum ou um documentário elaborado coletivamente pela turma.

  1. Plano de atividade: Brincar com histórias em um cenário divertido
    Indicado para: bebês

Nesta atividade, os bebês são incentivados a investigar e interagir com tudo o que envolve o espaço da brincadeira, como a cabana, os elementos do cenário, os alimentos, os colegas e os adultos. Para isso, é preciso selecionar um conto para compartilhar e organizar previamente um cenário que se relacione com a narrativa. Para cativar o interesse do grupo, também vale contar a história empregando diferentes entonações de voz e variadas expressões faciais e corporais para representar as características do contexto abordado ou das personagens.

  1. Plano de atividade: Brincando com a história dos Três Porquinhos
    Indicado para: crianças bem pequenas

Sua turma sempre pede que você reconte a mesma história? É normal que as crianças tenham uma história favorita e queiram ouvi-la novamente, por diversas vezes. Ainda assim, é diferenciar o modo como fazer isso. Nesta atividade, que começa com a retomada de uma narrativa já conhecida, as crianças podem escolher diferentes formas de brincar com a história. Utilize livros, fantoches, tecidos e brinquedos para criar diferentes estações de exploração.

  1. Plano de aula: Ouvir e contar histórias
    Indicado para: 2º ano

A finalidade desta aula é refletir sobre o contexto de produção de um conto de fadas tradicional, reconhecendo a finalidade, os espaços e o tempo em que ocorrem as interações. Para isso, use um baú ou uma caixa com diversos livros de contos de fadas tradicionais, divida a sala em grupos e peça que a meninada escolha e investigue as características de um livro. Depois, faça a leitura em voz alta de um título escolhido por todos.

  1. Plano de aula: Contos Populares - Estratégias de contação de histórias
    Indicador para: 6º ano

A intenção de um contador de histórias é fazer, da melhor maneira possível, que o interlocutor enxergue e vivencie de alguma forma o que foi narrado. Por isso,  quem conta deve se apropriar bem da história e (re)contá-la com riqueza de detalhes. Para ajudar nesta tarefa, é interessante investir em diversos recursos, como ritmo, cadência, entonação, timbres, prolongamentos e pausas, possíveis gestos, figurinos e cenários. Nesse plano de aula, saiba como realizar uma contação e depois convidar os estudantes para trabalhar com contos populares brasileiros.

Tags

Guias

Tags

Guias