BNCC e Educação Financeira no Fundamental 1

Vamos refletir sobre a proposta trazida pela BNCC e como levar o tema para as turmas dos Anos Iniciais

POR:
Selene Coletti
Crédito: Getty Images

O que a expressão Educação Financeira lembra a você? É possível que pense em dinheiro, cálculos de juros, investimentos, porcentagens, lucros, capital e outros jargões econômicos. Se esse é o seu caso, vou fazer outra pergunta: quando você soube que deveria ensiná-la em sala de aula fez essa mesma relação?

A proposta trazida pela Base Nacional Comum Curricular é diferente. Ela sugere “um estudo interdisciplinar envolvendo as dimensões culturais, sociais, políticas e psicológicas, além da econômica, sobre as questões do consumo, trabalho e dinheiro”. Ela visa mostrar como os conceitos da Matemática financeira se dão na prática e desenvolver competências que serão fundamentais para os alunos no futuro.  

O que é Educação Financeira?

A partir da perspectiva da BNCC, você deve estar se preguntando o que é essa Educação Financeira. Podemos defini-la como um tema contemporâneo ligado à formação de comportamentos em relação às finanças, ou seja, ajudar os estudantes a desenvolver a capacidade de planejar boas decisões financeiras desde cedo. Ela está inserida dentro de um contexto mais amplo, que é a Educação Econômica – a qual estuda os recursos econômicos que temos disponíveis como forma de refletir e criar hábitos de consumo mais sustentáveis. 

Educação Financeira para alunos: da BNCC ao dia a dia

Entenda o que o documento propõe e Educação Financeira, ajudar os alunos a organizarem suas contas e gastos e propor atividades de Matemática e História relacionadas ao tema para turmas de Fundamental 2 e Ensino Médio.


Dentro dessa perspectiva, o dinheiro é apenas um dos aspectos a serem trabalhados. A Educação Financeira também favorece o desenvolvimento de competências socioemocionais tais como o autoconhecimento, protagonismo, colaboração, entre outras. Por isso, o professor deve pensar em formas de criar espaços para que o aluno conheça suas emoções, seus desejos, suas necessidades reais, seus sonhos e possa se planejar, consumir conscientemente e tomar boas decisões econômicas.

Por que isso é importante? Na sociedade consumista em que vivemos é preciso nos posicionar frente ao dinheiro e repensar a forma como gastamos. Desde cedo os pequenos são bombardeados com propagandas de brinquedos, jogos, roupas, materiais escolares, entre outros. Por isso, é importante ajudá-los a refletir e desenvolver um pensamento crítico sobre o que elas precisam e aquilo que desejam.

Enquanto educadores também precisamos refletir sobre nossa relação com o dinheiro e nossos hábitos de consumo. Somos consumistas ou gastamos de forma consciente? Estamos preparados para trabalhar Educação Financeira com nossos alunos a partir da ótica proposta pela BNCC?

Webinar Educação Financeira para professores: organize as contas
e invista em sua qualidade de vida

Ao longo do curso, o autor irá explicar a importância dos professores entenderem sua atual situação financeira para assim tomarem boas decisões. Serão apresentados conceitos como Visão Patrimonial e Visão Real, explica-se o que são ativos, bens imobilizados, passivos e patrimônio, entre outras ideias importantes.


Para pensar sobre esses e outros questionamentos, é necessário que as equipes gestoras e professores garantam momentos de estudo nos encontros formativos. Para começar, devem mapear o que cada pessoa pensa sobre este tema, o que conhecem sobre ele e o que ainda precisam conhecer para que seja dado o pontapé inicial com os alunos.

Como acontece na prática

A temática não está conectada exclusivamente à Matemática. Pelo contrário, ela é um tema transversal que pode ser trabalhado em todos os componentes. Isto é, o aluno vai aprender a fazer cálculos de porcentagem e juros, e como ler e interpretar boletos e faturas, mas também vai estudar a história do dinheiro, as relações econômicas entre os países, a evolução do consumo ao longo do tempo, compreender o consumismo, seus desdobramentos na sociedade atual. Esses e outros assuntos, ajudarão o aluno a refletir sobre suas escolhas, autorregular-se e planejar sua vida de forma a adquirir conhecimentos que permitam melhorar a sua qualidade de vida e saúde financeira.

A aprendizagem baseada em projetos pode ser uma boa metodologia para ser levada em consideração, pois ela permite um planejamento interdisciplinar sobre o assunto utilizando situações do cotidiano das crianças e seus familiares. Por exemplo, é possível criar um projeto com a turma para investigar, durante o ensino remoto, o que é mais vantajoso: um pacote de assinatura de dados ou colocar semanalmente crédito no celular. Pode ser a oportunidade para que se reflita sobre a melhor forma de consumir diante de uma necessidade real. No final, a partir das descobertas, eles podem criar uma forma de compartilhar as repostas com as demais turmas.

Colocar a Educação Financeira em prática vai implicar rever estratégias e conceitos para que a sala de aula se transforme num espaço de discussão, no qual todos possam se posicionar e que a aprendizagem aconteça de fato.

Os resultados serão a longo prazo. Você já havia pensado sobre o tema? Já está colocando em prática? Compartilhe sua experiência nos comentários

Um abraço e até a próxima,

Selene

Selene Coletti é professora há 40 anos na rede pública. Atuou na Educação Infantil e foi alfabetizadora por 10 anos, lecionando do 1º ao 5º ano. Em 2016, foi uma das ganhadoras do Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita, com o projeto “Mapas do Tesouro que são um tesouro”, na área de Matemática. Foi diretora de escola e recebeu, em 2004, o Prêmio “Gestão para o Sucesso Escolar”, do Instituto Protagonistes/Fundação Lemann. Atuou como coordenadora do Núcleo de Formação Continuada e também como formadora da Educação Infantil na Prefeitura de Itatiba (SP). Atualmente é vice-diretora da EMEB Philomena Zupardo, em Itatiba.

Tags

Guias