Alfabetização matemática não é apenas trabalhar com números

É preciso refletir e repensar a prática para realmente desenvolver as habilidades necessárias. Para te ajudar, confira quatro sugestões práticas

POR:
Selene Coletti
Créditos: Getty Images

A alfabetização matemática precisa estar sempre em pauta nos momentos de reflexão sobre a prática pedagógica nos Anos Iniciais. Nesse processo, os professores precisam compreender que alfabetizar- matematicamente ou não – está sempre relacionado com o processo de letramento.

Os números estão à nossa volta. Ensinar as operações é necessário, no entanto há aspectos que precisam ser levados em consideração para a concretização do processo da alfabetização matemática. Nosso trabalho deve ir além das quantidades e contas para que o estudante entenda a linguagem da Matemática, o que ela significa, suas relações e os contextos sociais em que estão inseridas.

A Matemática na organização de casa
Devemos trabalhar de forma lúdica. Investir em jogos, brincadeiras e situações nas quais as crianças precisem aprender a contar, seriar, classificar, nomear e agrupar.  

Neste momento de ensino remoto, um caminho é propor situações nas quais as crianças organizem as coisas de casa (brinquedos, materiais escolares, produtos recicláveis). É a oportunidade para que eles pensem logicamente - habilidade que, muitas vezes, fica de fora das propostas do cotidiano, principalmente nas turmas dos Anos Iniciais do Fundamental.

Uma ideia é  solicitar que seus alunos organizem seus brinquedos ou o material reciclável que vai para a coleta seletiva. Peça para que eles registrem, fotografando ou desenhando, o que fizeram e expliquem suas ideias. Dessa forma, será possível compreender a lógica que utilizou, planejar as próximas atividades e focar no que o aluno precisa para avançar. Dentro dessa proposta, é possível, portanto, trabalhar a classificação. dos objetos.

Use e abuse de jogos
Trabalhar com jogos que tem regras também é uma forma de alfabetizar e letrar matematicamente, pois permite desenvolver, dependendo do jogo escolhido, o pensamento lógico. Os alunos terão a oportunidade de ter contato com processos de contagem, medição, orientação e visualização de quantidades. Existem muitos jogos que você poderá utilizar ou construir com a turma.

Quando estiver planejando, pense em intervenções, dentro da dinâmica do jogo, que você pode fazer para entender o raciocínio da criança. É possível, por exemplo, propor exercícios de imaginação para que os alunos tenham que pensar nas consequências que aconteceriam “e se você fizer...?”. Criar esses questionamentos previamente se tornará mais fácil conforme fizer parte da sua prática. Dentro dessa dica, não esqueça de, quando levar essa proposta, pedir para que eles registrem.

Curso: Jogos matemáticos para o Ensino Fundamental 1

Entenda o que levar em consideração na hora de escolher um jogo e como ele pode ser um recurso eficiente e potencializador, capaz de desenvolver as habilidades propostas na BNCC e também vai conhecer as relações entre Matemática e outras áreas do conhecimento. 

Que tal um caça ao tesouro?
Para trabalhar orientação espacial você pode organizar um caça ao tesouro. A experiência que me rendeu, em 2016, o Prêmio Educador Nota 10 traz ideias que podem ser aplicadas a diferentes realidades, inclusive, durante o ensino remoto.

A partir de um tutorial, ou bilhete bem detalhado, proponha que a família organize um caça ao tesouro em que a criança tenha que seguir setas, ou  o desenho do percurso a ser realizado ou ainda dicas que ele deve seguir para encontrar o tesouro.  Registrar isso depois é sempre importante!!

Todo espaço é matemático
Explorar as formas tridimensionais, panfletos e gráficos que estão presentes no espaço de convivência da criança também é uma forma de colaborar para a alfabetização matemática – saiba aqui como utilizar a Matemática no dia a dia das crianças para desenvolver habilidades do componente.

Quando estamos na escola, precisamos garantir que o ambiente da sala de aula seja propício para o letramento, isto é, que tenha diferentes materiais: a reta numérica, quadros de números, calendário, jogos, panfletos de propaganda contendo preços, gráficos, dentre outros. Pode parecer que só estará apresentando números, mas o que fará a diferença é o seu direcionamento. É preciso mostrar os usos sociais desses materiais e como utilizá-los para facilitar as resoluções das situações-problemas que são propostas.

Como enxergar a Matemática no dia a dia

Confira 3 dicas para ajustar o olhar e identificar as oportunidades de trabalhar conteúdos curriculares a partir de contextos reais

Para quem estiver trabalhando de forma remota, é possível propor para que esse ambiente seja criado em casa. Se possível, faça um tutorial explicando aos responsáveis o porquê de construir esse material e o como. Você pode enviar um quadro de números, uma reta numérica, o calendário mensal e jogos variados. Solicite que os alunos e famílias pesquisem panfletos e organizem todo o material em uma caixa para poder acessar durante as aulas.

Tudo que trouxe se relaciona com a proposta de trabalhar resolução de problemas reais para desenvolver as habilidades matemáticas de uma forma significativa para as crianças.

E neste atual cenário, como você está investindo na alfabetização matemática?

Abraços e até a próxima!

Selene

Selene Coletti é professora há 40 anos na rede pública. Atuou na Educação Infantil e foi alfabetizadora por 10 anos tendo trabalhado do 1º ao 5º ano. Recebeu, em 2016, da Fundação Victor Civita, o Prêmio Educador Nota 10 com o projeto “Mapas do Tesouro que são um tesouro”, na área de Matemática. Foi diretora de escola e recebeu, em 2004, o Prêmio “Gestão para o Sucesso Escolar”, do Instituto Protagonistes/Fundação Lemann. Atuou como coordenadora do Núcleo de Formação Continuada e também como formadora da Educação Infantil, na Prefeitura de Itatiba. Atualmente é vice-diretora da EMEB Philomena Zupardo, em Itatiba.