Crie sua conta e acesse o conteúdo completo. Cadastrar gratuitamente

Como trabalhar a BNCC e o Novo Ensino Médio no ensino remoto?

Professores de escolas públicas compartilham suas experiências com as mudanças propostas para a última etapa da Educação Básica

POR:
Ana Paula Bimbati
Fotografia de aluna do ensino médio em frente ao computador fazendo anotações em seu caderno.
Crédito: Getty Images

Se as transformações propostas pelo Novo Ensino Médio pareciam distantes, hoje elas já fazem parte da realidade de várias escolas. A data-limite de implementação é em 2021. Muitos estados já começaram a implementação do novo currículo neste ano, e mesmo aqueles que ainda não o fizeram devem terminar de redigir seus documentos ainda no primeiro trimestre de 2021.

Mas com o ensino remoto ainda vigorando nas escolas devido é preciso entender como trabalhar e trazer essa Educação efetiva proposta pelos documentos, como aponta Daniel Ramos, professor de Ciências da Natureza na Escola de Referência em Ensino Médio João Bezerra, no Recife (PE).

Para Daniel, as propostas feitas para a etapa não devem representar uma novidade, “já que elas deveriam existir no dia a dia escolar, trazendo o conteúdo para o cotidiano do aluno”. Giulianne Zagury, professora de Linguagens na Escola Estadual Professora Jacimar, em Manaus (AM), também acredita que mesmo no ensino remoto é possível trazer o aluno para o centro da aprendizagem, colocá-lo como protagonista do seu conhecimento e conectar os conteúdos à sua realidade. “Talvez não seja da forma como gostaríamos, mas é possível”.

Curso Ensino Médio na BNCC: Criatividade e Empreendedorismo

Conheça as principais características do novo Ensino Médio e o que a BNCC traz para este ciclo. Neste curso, conheça práticas reais e inspiradoras focadas nos eixos estruturantes Investigação Científica e Mediação e Intervenção Sociocultural.

Primeiros passos
Para os professores que, assim como Giulianne, estão trabalhando no ensino remoto, a dica que ela dá é primeiro entender as mudanças na rotina de cada um. “Precisamos ler e conhecer o que está sendo proposto. Depois, relacionar isso com o que já fazemos em sala de aula e também com os objetivos da escola”, sugere.

Ouvir os estudantes, suas ideias e temas de interesse são pontos cruciais, segundo Giulianne, para começar a pensar no planejamento alinhado às novas propostas. “Faça um mapa mental com todos esses pontos. Isso pode gerar até uma avaliação sobre o trabalho do professor e ajudar a preparar as aulas”, indica.

Daniel sugere um exercício parecido. “Pegue suas aulas e coloque na sua mão esquerda, depois pegue o que você viu sobre a BNCC e coloque na direita. Em um papel, escreva tudo que for congruente e também coloque uma dose de realidade e do cotidiano do aluno.”

Para Taiana Souza, professora de Língua Portuguesa do Centro de Mídias do Estado de São Paulo, o importante é pensar sempre em uma aprendizagem significativa e uma Educação integral, como a própria Base Nacional Comum Curricular (BNCC) aponta.

“Em lugar de pretender que os jovens apenas aprendam o que já sabemos, o mundo deve lhes ser apresentado como campo aberto para investigação e intervenção quanto a seus aspectos sociais, produtivos, ambientais e culturais. Desse modo, a escola os convoca a assumir responsabilidades para equacionar e resolver questões legadas pelas gerações anteriores, valorizando o esforço dos que os precederam e abrindo-se criativamente para o novo”, diz o documento.

Como o trabalho por áreas do conhecimento é uma das mudanças que acontecerão na reforma do Ensino Médio, o trabalho por meio de projetos pode ser uma forma interessante de começar a colocar isso em prática.

Curso Ensino Médio na BNCC: Investigação e Intervenção

Neste curso, saiba mais como trabalhar dentro do eixo estruturante da etapa Investigação Científica e Mediação e Intervenção Sociocultural.

Inspire-se com práticas pedagógicas reais
Para te ajudar a preparar aulas alinhadas com essa nova proposta e que podem ser aplicadas no ensino remoto, os professores compartilharam algumas atividades que fizeram ao longo dos últimos meses com suas turmas.

No ano passado, nas aulas de inglês do 1º ano do Ensino Médio, Giulianne fez uma atividade sobre o Halloween. “Assim como a BNCC leva a gente para a prática, eu fujo de uma aula só com gramática. Então, propus peças de teatro sobre o Dia das Bruxas”, lembra.

A educadora conta que dividiu a turma em vários grupos e que os alunos podiam escolher o que queriam fazer: atuar, roteirizar, cuidar das roupas, editar os vídeos. Todas as peças foram narradas na língua inglesa. “Foi uma experiência muito mais prática e de vida real para eles”, conta.

Já Taiana, que dá aula para alunos de diferentes escolas e cidades do estado de São Paulo, via Centro de Mídias, aproveitou o conteúdo sobre anúncio publicitário, previsto no currículo da rede, para aproximar os adolescentes usando ações do cotidiano. Ela falou sobre técnicas usadas para venda, como um vendedor se comporta e levou os estudantes a fazerem seu próprio anúncio.

Transição para o Ensino Médio

Entenda como driblar os desafios da transição durante a pandemia e entenda os caminhos e reflexões para apoiar os alunos.

“Um aluno me escreveu dizendo que nunca mais iria olhar para uma propaganda da mesma forma. Esse é o nosso objetivo: dar sentido para aquilo que estamos ensinando, ajudar o aluno a formar seu pensamento e se posicionar”, afirma.

O próximo tema que ela abordará será sobre tatuagem. “Posso trabalhar a linguagem não verbal de uma forma tradicional, mas trazer um assunto que nunca imaginei, mas que faz parte das conversas e dia a dia dos alunos, torna tudo diferente e atrativo”, complementa.

O professor Daniel adaptou sua aula sobre mapeamento da presença do Aedes aegypti na comunidade local para o ensino remoto. Ele separou a turma em dois grupos e, em um primeiro momento, os alunos deviam fazer pesquisas sobre o tema e levantar dados e informações. Mas em vez de os estudantes saírem pelo bairro e entrevistar vizinhos, eles fizeram isso com as pessoas que moram com eles.

Para atrair os alunos e garantir uma aproximação da turma com o que estava sendo estudado, o professor apresentou imagens de ruas conhecidas pelos estudantes. Depois, eles se dividiram novamente para pensarem numa apresentação com a sistematização de toda a atividade.

Em outra atividade, durante o ensino remoto, Daniel instigou os alunos a elaborarem a aula. “Falei para eles procurarem os animais que poderiam ter em casa e os que não. A ideia era fazer com que eles entendessem que é possível aprender biologia no quintal de casa”, explica.

De acordo com ele, o importante não é só alinhar as novas propostas, mas motivar o aluno e tornar o conteúdo interessante. “Se está difícil para nós, professores, para os estudantes também está”, pondera.

Tags

Guias

Tags

Guias