O papel do PPP da escola e o trabalho do professor em tempos de pandemia

Entenda a relação do documento com as práticas que precisam ser desenvolvidas e respeitadas também nesse período de coronavírus

POR:
Evandro Tortora
menino montando algo com peças de madeira
Foto: Getty Image

Estamos no início de um ano letivo e muito se fala sobre o planejamento das nossas atividades, não é? Nesse contexto, traçamos metas e objetivos para os próximos meses e o projeto político-pedagógico (PPP), ou apenas projeto pedagógico, tem muito a ver com esse momento. Ele trata de um documento obrigatório por lei e que toda a escola deve construir em conjunto com as famílias, profissionais que trabalham na instituição e, inclusive, junto das crianças.

Não se trata de um documento que deve ser construído apenas por uma obrigação legal, mas uma carta que marca os compromissos com a Educação das crianças. E pensando na atual situação e contexto de pandemia: como ficam esses comprometimentos da instituição de Educação Infantil e qual a relação que isso tem com o planejamento docente em sua ação com as crianças?

Primeiramente, é preciso relembrar do importante papel que este documento tem. O PPP descreve aspectos importantes sobre a cultura da instituição, bem como aponta rumos para  o planejamento coletivo poder atingir determinados objetivos. Além disso, ele visa melhorar a capacidade pedagógica das escolas e torná-las uma entidade de sociedade democrática e de interação política.

Como a minha escola construiu o PPP?
Num exemplo mais prático, cito o projeto da minha escola. Por lá, pensando numa educação emancipadora e voltada para o protagonismo das crianças, descrevemos dados bastante específicos, as características das turmas (onde vivem, quem cuida das crianças, etc.) e apresentamos algumas metas baseadas nas expectativas das famílias com relação à escola, nos programando com palestras e outros eventos a serem ofertados aos familiares. Descrevemos também os tempos e espaços físicos para Educação das crianças, nossos objetivos educacionais, recursos disponíveis, referenciais teóricos que embasam nossas concepções... São informações importantes e que refletem o que acreditamos sobre a Educação Infantil.

Falando de outra forma, a cultura da nossa escola está, de certa forma, descrita no documento, no qual os valores, a situação atual em que vivemos e as formas de propiciar o cuidar e educar às crianças estão presentes. Por isso, em meio a pandemia, onde muito se fala do retorno às atividades presenciais da Educação Infantil, é tão importante tratar desse assunto. 

Por que revisar o PPP na Educação Infantil?

Para quem é útil: Gestores e professores de Educação Infantil
Qual o objetivo: Mostrar a importância de se atualizar o documento norteador de cada escola a partir da experiência na pandemia e incentivar a construção de uma cultura de gestão democrática nas instituições de Educação Infantil

Essa temática deve ganhar força agora que discuti um chamado “novo normal” adentrando os muros das escolas. Alguns dos nossos princípios não podem se perder em meio a tantos discursos sobre novas práticas com as crianças, afinal:  vamos ter de abrir mão de tudo para abraçar um novo normal? Não, por isso é preciso que juntos continuemos refletindo sobre isso, pois, silenciosamente, acabamos adotando algumas práticas que vão na contramão do que entendemos como essencial para Educação das crianças.

Pandemia e o PPP: qual a relação?
Tenho acompanhado algumas discussões sobre o tema e percebo que alguns docentes têm buscado nas práticas do Ensino Fundamental determinados fazeres que possam ser transpostos para Educação Infantil, como o envio de tarefas escritas às crianças e pedir para que as famílias mandem fotos das atividades respondidas. A busca pelas tais “atividades”, de certa forma, é algo que já havia sido repensado anteriormente a pandemia, em um contexto em que as brincadeiras e interações deveriam ser privilegiadas. Logo, não faz sentido voltar atrás nesse tipo de concepção para privilegiar um modelo de interação pensando na Educação Infantil como uma “pré-escola de Ensino Fundamental”.

O que isso tudo tem a ver com o PPP? Tudo! Pensem comigo, colegas, o PPP deve ser também uma construção coletiva com base na gestão democrática, em que descreve nossos princípios para Educação de crianças. Há décadas buscamos uma identidade para Educação Infantil e acredito que estamos conseguindo a duras penas. Logo serão esses tempos responsáveis por marcar retrocessos ou reforçar práticas que já deveriam ter sido superadas?

Os PPPs das instituições de Educação Infantil precisam ganhar força em momentos como estes no intuito de ser estudado e garantir que nossas crianças tenham qualidade nos momentos planejados pelos professores. Sei que há muitos desafios pela frente, principalmente quando se fala em retomada presencial. É um momento em que “criatividade pedagógica” deve vir a tona. Por isso, destaco aqui a importância do planejamento docente para concretizar uma parte do que se almeja no PPP.

Quando se fala em retomada das atividades presenciais, logo me remeto ao ano de 2019, em minha sala de 27 crianças “fervia” com os pequenos distribuídos em seus ateliês e compartilhando objetos, onde cada um desenvolvia seu trabalho . Esse era meu planejamento e funcionada muito bem (quer conhecer minha sala? Dá uma olhada nesse curso aqui que nós preparamos em 2019 <3) .

Eu sei que, retomando as atividades presenciais, seja lá quando esta retomada acontecer, o meu planejamento não poderá ocorrer da mesma forma.  Porém, respeitadas as limitações, as interações com as crianças ainda vão acontecer (aliás, já vem acontecendo à distância pois não paramos de trabalhar) e as brincadeiras precisam existir, afinal, esses são eixos norteadores de nossas práticas.  Vale apena então, nesse momento de planejamento, olhar novamente para esse tipo de premissa defendida em nosso PPP e averiguar se as práticas planejadas para os ambientes educativos privilegiam essas premissas.

Curso sobre atividades na Educação Infantil alinhadas à BNCCtitulo

Como campos de experiências e direitos de aprendizagem devem participar da hora do planejamento? Como superar os modelos de "aulinhas" para a Educação Infantil? Saiba mais no curso de NOVA ESCOLA

O PPP precisa ser um documento vivo, não é um aglomerado de folhas escritas que fica guardado no computador da direção da escola. Ele é construído pela comunidade toda e precisa ser tornar vivo por meio das nossas práticas com as crianças. Sei que há muitas dificuldades impostas por esses tempos, como o próprio distanciamento social e o uso das máscaras, porém é uma realidade que não podemos negar e que fará parte dos nossos contextos por um tempo quando todos nós retomarmos as atividades presenciais. Sua escola já parou para pensar nisso?

Aqui na minha rede estamos em tempo de fazer modificações no nosso PPP e, obviamente, muito do que estava lá, do início de 2020, precisará ser revisto. Valores essenciais à prática, como respeito a inteligência das crianças, ouvi-las e acolhe-las em suas necessidades, considerar os conhecimentos científicos para educação dos pequenos, respeito à diversidade e trabalho na perspectiva inclusiva precisam estar presentes no meu planejamento cotidiano.

E você, já tinha parado para pensar nesses princípios presentes no PPP da sua escola e a influência deles no seu planejamento? Como está sendo esse processo na sua rede? É um tema relevante que deve fazer parte das nossas discussões inclusive para argumentar e defender ou não um retorno presencial.

Um abraço carinhoso e até breve!

Evandro

Evandro Tortora é professor de Educação Infantil há 7 anos na Prefeitura Municipal de Campinas, licenciado em Pedagogia e Matemática e doutor em Educação para Ciência pela Universidade Estadual Paulista (UNESP) de Bauru. Além da docência na Educação Infantil, tem experiência com pesquisas na área da Educação Infantil e Educação Matemática, bem como desenvolve ações de formação continuada para professoras e professores da Educação Infantil e do Ensino Fundamental.