Racismo e mídia: como abordar o tema com a sua turma?

Veja como relacionar habilidades e competências da BNCC do Fundamental e Médio

POR:
Ana Paula Bimbati
Foto: Getty Image

Diferenciar fato de opinião, produzir conteúdos em mídias variadas, analisar séries, vlogs, tweets e outros gêneros próprios das formas de expressão juvenis são habilidades na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) desde os Anos Iniciais. Para a escola do século 21, é cada vez mais é importante conectar os conteúdos dados em sala de aula com a realidade dos alunos. Portanto, trabalhar os gêneros digitais abre uma porta de diálogo com a cultura do dia a dia dos estudantes que pode ser aproveitada para refletir sobre a cultura digital, analisar acontecimentos de interesse social e trabalhar temas atuais e relevantes para a formação dos alunos.

Para a professora Gina Vieira Pontes, da rede pública do Distrito Federal, é essencial que o professor pense em uma Educação que “faça sentido e colabore para que o sujeito tenha um pensamento crítico sobre sua realidade e entenda até mesmo relações de poder”. Ela acredita ainda que é necessário pensar a aprendizagem como um processo que é atravessado por questões como gênero, raça, classe social e até mesmo território geográfico.

Uma boa sugestão é abordar o racismo, assunto que é destaque no debate público e nas redes sociais e que é essencial para reflexão e desenvolvimento da diversidade na escola. Além dos noticiários, é possível pautar com a turma a representatividade negra na mídia.

Vidas negras importam

Veja como abordar a questão do preconceito racial de forma consistente e responsável com seus alunos. Abaixo, você confere uma lista de sugestões de atividade para explorar com a turma. 

Juarez Xavier, professor de Jornalismo na Universidade Estadual Paulista (Unesp) e coordenador do projeto Educando para Diversidade, explica que a mídia passou a fazer parte da socialização e “não é mais possível não considerá-la como um educador coletivo”. Portanto, segundo o professor, é necessário que a escola leve os alunos a compreenderem e debaterem em sala de aula o que é veiculado nos mais diversos formatos da comunicação. “O racismo é estrutural porque ele estrutura as relações na sociedade e também é responsável por fundar mecanismo de persuasão, onde entra o universo cultural e da mídia”, pontua. 

O que DIZ A BNCC SOBRE MÍDIA?

Competências específicas para Língua Portuguesa

"Ler, escutar e produzir textos orais, escritos e multissemióticos que circulam em diferentes campos de atuação e mídias, com compreensão, autonomia, fluência e criticidade, de modo a se expressar e partilhar informações, experiências, ideias e sentimentos, e continuar aprendendo."

Fonte: BNCC

Sugestões de atividades sobre racismo e mídia
A análise de notícias, fato e opinião é uma habilidade presente desde os Anos Iniciais na BNCC. Pensando nisso, Gina sugere que o professor leve diferentes reportagens jornalísticas para que os alunos analisem títulos, imagens e como os fatos são abordados. “O estudante vai perceber nuances em situações que acontecem com pessoas que têm a cor da pele diferente”, aponta a professora Gina, que também é pesquisadora na área de análise do discurso crítico. Ela exemplifica: “Quando um estudante branco é encontrado portando drogas, a imagem dele é preservada nos jornais, é nomeado como ‘estudante’. Já quando isso acontece com um estudante negro, ele tem a foto estampada e mesmo tendo outras identidades, ele é colocado como ‘traficante’”.

Ainda na linha de análise de notícias, professora Naiara Chaves De Carvalho, que leciona Língua Portuguesa e Literatura no Colégio Estadual Rui Barbosa, em Seabra (BA), trabalhou com as suas turmas do Fundamental 2 e Ensino Médio usando notícias publicadas sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco. Em grupos, os alunos fizeram um levantamento de notícias e analisaram como a imagem do negro estava relacionada à notícias ligadas a violência ou criminalidade. A ideia agora, segundo ela, é montar um portfólio desse levantamento e análises usando o Google Sites.

Habilidades previstas na bncc que podem se relacionar com o tema

(EF04LP14) Identificar, em notícias, fatos, participantes, local e momento/tempo da ocorrência do fato noticiado.

(EF05LP16) Comparar informações sobre um mesmo fato veiculadas em diferentes mídias e concluir sobre qual é mais confiável e por quê

(EF05LP19) Argumentar oralmente sobre acontecimentos de interesse social, com base em conhecimentos sobre fatos divulgados em TV, rádio, mídia impressa e digital, respeitando pontos de vista diferentes

(EF05LP20) Analisar a validade e força de argumentos em argumentações sobre produtos de mídia para público infantil (filmes, desenhos animados, HQs, games etc.), com base em conhecimentos sobre os mesmos.

(EF69LP02) Analisar e comparar peças publicitárias variadas (cartazes, folhetos, outdoor, anúncios e propagandas em diferentes mídias, spots, jingle, vídeos etc.), de forma a perceber a articulação entre elas em campanhas, as especificidades das várias semioses e mídias, a adequação dessas peças ao público-alvo, aos objetivos do anunciante e/ou da campanha e à construção composicional e estilo dos gêneros em questão, como forma de ampliar suas possibilidades de compreensão (e produção) de textos pertencentes a esses gêneros.

(EF69LP03) Identificar, em notícias, o fato central, suas principais circunstâncias e eventuais decorrências; em reportagens e fotorreportagens o fato ou a temática retratada e a perspectiva de abordagem, em entrevistas os principais temas/subtemas abordados, explicações dadas ou teses defendidas em relação a esses subtemas; em tirinhas, memes, charge, a crítica, ironia ou humor presente.

(EF69LP04) Identificar e analisar os efeitos de sentido que fortalecem a persuasão nos textos publicitários, relacionando as estratégias de persuasão e apelo ao consumo com os recursos linguístico-discursivos utilizados, como imagens, tempo verbal, jogos de palavras, figuras de linguagem etc., com vistas a fomentar práticas de consumo conscientes.

(EM13LGG102) Analisar visões de mundo, conflitos de interesse, preconceitos e ideologias presentes nos discursos veiculados nas diferentes mídias como forma de ampliar suas as possibilidades de explicação e interpretação crítica da realidade.

(EM13LP44) Analisar, discutir, produzir e socializar, tendo em vista temas e acontecimentos de interesse local ou global, notícias, fotodenúncias, fotorreportagens, reportagens multimidiáticas, documentários, infográficos, podcasts noticiosos, artigos de opinião, críticas da mídia, vlogs de opinião, textos de apresentação e apreciação de produções culturais (resenhas, ensaios etc.) e outros gêneros próprios das formas de expressão das culturas juvenis (vlogs e podcasts culturais, gameplay etc.), em várias mídias, vivenciando de forma significativa o papel de repórter, analista, crítico, editorialista ou articulista, leitor, vlogueiro e booktuber, entre outros.

FONTE: BNCC

Gina também sugere trabalhar a partir da arte, como fazer a leitura crítica a partir de novelas e peças publicitárias. Naiara já usou a abordagem. Ela iniciou uma das aulas fazendo uma conversa a partir das mídias que os alunos consumiam e chegou ao tema de séries e filmes de super-herói. “A partir daí fiz perguntas para eles sobre quem são os protagonistas dessas produções, quais papéis são ocupados pelos negros, qual a história contada, por exemplo”.

Depois da discussão, Naiara apresentou algumas produções, além das já conhecidas pelos alunos, para que a turma analisasse e, a partir das referências, pudessem criar pequenos vlogs ou podcasts discutindo as comparações. Dentro da atividade, a professora aproveitou para trabalhar a escrita de roteiros e a argumentação, já que os estudantes precisavam justificar as afirmações.

“A escola precisa tocar profundamente nesse tema e fazer com que outras histórias possam ser contadas também”, diz Naiara. Gina segue a mesma linha da professora de Seabra e acredita que, além de oferecer o conteúdo obrigatório, abordar essa temática é oferecer outras possibilidades identitárias para os alunos.

PARA SABER MAIS
Conheça materiais de apoio para estudar o tema

Brincadeiras africanas para sua sala, NOVA ESCOLA BOX
Autoras negras para conhecer e levar para sua turma, NOVA ESCOLA BOX
Documentos de identidade: Uma Introdução às teorias do currículo, de Tomaz Tadeu da Silva
Do silêncio do lar ao silêncio escolar, de Eliane dos Santos Cavalleiro
A Vida e a História de Madam C.J. Walker, série da Netflix
Alma Preta Jornalismo, agência de jornalismo especializado na temática racial

Tags

Guias