Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Notícias
01 de Junho de 2012 Imprimir
5 4 3 2 1

Os termos "a gente" ou "agente" são corretos ou só é certo usar "nós"?

Nova Escola te ajuda a tirar dúvidas sobre a Língua Portuguesa

Por: Paula Peres, Elisa Meirelles, Gabriela Portilho


Pergunta enviada por Natália Fortunato, Paraisópolis, MG

Agente

É um substantivo que não deve ser usado para se referir a “nós”. Agente é aquele que age, quem realiza uma ação. Usado também para se referir a profissionais que trabalham intermediando ou atuando em negócios e serviços públicos, como agentes de saúde, de viagem, bancários, de polícia, do serviço secreto, etc. Exemplos:

A agente quer comida. (Neste caso, “agente” é um substantivo que se refere à profissional, e não a um grupo de pessoas)

O aedes aegypt é o agente transmissor de algumas doenças.

A gente ou nós?

As duas formas estão corretas e dependem da ocasião em que são empregadas. A gramática tradicional considera apenas a existência dos pronomes pessoais eu, tu, ele, nós, vós e eles - leque que não inclui formas como “você” e “a gente”. Por isso, quando fazemos o uso da norma culta, é exigido o “nós”. O pronome também é recomendado para situações formais de uso da língua - como um seminário acadêmico. Já na comunicação informal, “a gente” é perfeitamente aceitável. Leia, abaixo, as regras de concordância para usar corretamente essa forma verbal. 

- O verbo fica sempre no singular. Exemplos:

A gente quer comida. = Nós queremos comida

Muitas vezes a gente não sabe o que fazer com nossos problemas pessoais. Forma incorreta: Muitas vezes a gente não sabemos o que fazer.

- O adjetivo fica no feminino caso se refira a mulheres e no masculino se incluir pelo menos um homem . Exemplos:

A gente está cansada. (Quando o grupo for exclusivamente feminino)

A gente está cansado. (Quando o grupo incluir alguém do sexo masculino)

 

Veja outras dicas sobre a Língua Portuguesa na página S.O.S. Português

Consultoria Arlete Bannwart Vieira, professora aposentada e consultora de alunos do Ensino Médio do Colégio Stockler, e Cláudio Rosa, professor de Língua Portuguesa do Cursinho da Poli, em São Paulo.  

Tenha acesso a conteúdos e serviços exclusivos
Cadastre-se agora gratuitamente
Cadastrar