Professores como leitores: 4 dicas para criar esse hábito

Educadores contam como colocar a leitura no seu dia a dia

POR:
Ana Paula Bimbati
Foto: Getty Image

“Ler mais”, “criar o hábito de ler”... quantas vezes você colocou isso nas suas resoluções de começo do ano? Muito se fala sobre a importância da leitura e, dessa vez, queremos também falar sobre como e por onde começar. “Precisamos começar formando professores leitores antes de ir para os alunos”, explica o professor Marcelo Ganzela, coordenador do curso de Letras do Instituto Singularidades.

No entanto, Marcelo explica que o professor não precisa ficar preso somente na leitura para estudo, ou seja, livros voltados para sua prática pedagógica.

A importância do professor como leitor
“Eu entendo que não tem como vender algo que você não conhece. Se eu não sei, como vou ofertar? E o mesmo acontece com a leitura. Como vou ensinar e incentivar, se não tenho meus momentos como leitora?”, questiona a professora Renata Gibelle, da rede pública estadual de São Paulo. Para ela, os momentos de aula são importantes para promover a leitura, mas a presença da literatura se faz muito nos corredores, quando os alunos a veem com um livro na mão, por exemplo. 

Renata Frauendorf, coordenadora de projetos do Instituto Avisa Lá e do Grupo Alfabetização em Diálogo, da Universidade Estadual de Campinas, em São Paulo, explica que o professor leitor promove uma relação diferente dos alunos com as obras. “É diferente de um professor que está ensinando, que didatiza esse momento, cumprindo apenas como uma parte da rotina.” 

Para Ganzela a figura de um professor leitor pode contribuir muito mais para a formação de alunos leitores do que um pedido para “leia um livro para o próximo mês”. “No Fundamental 2 tive estímulos diferentes para leitura e um deles era de uma professora de Ciências, ela tinha um controle de tempo espetacular e sempre deixava 5 minutos pra gente fazer o que quisesse”, conta. 

Segundo ele, nos minutos finais da aula, essa professora abria um livro e lia. “Eu achava fascinante! Os alunos precisam ver seus professores lendo e saber que aquela pessoa consome livros”, afirma.

Por isso, para te ajudar a se tornar um leitor assíduo, conversamos com educadores e listamos 4 dicas para criar esse hábito. Vamos lá?

1. Entenda o seu tipo de narrativa, livro, tema
Antes de pegar o primeiro livro que encontrar para começar a criar esse hábito, Marcelo explica que é importante que o professor faça um exercício de pensar sobre o que ele gosta. “O leitor literário, que lê por prazer, para ver o mundo de outra maneira, precisa se alimentar de histórias que se interesse para depois ampliar seu repertório”, diz. 

Coloque em um papel quais tipos de história você prefere ler: romance? suspense? ficção científica? biografias? Acha mais interessante textos escritos em primeira pessoa? Vale também pensar nos estilos de texto de cada autor e qual te chama mais atenção. Com o registro, fica mais fácil entender as obras de interesse e seguir a nossa segunda dica. 

2. Comece lendo o que você gosta 
Enquanto você escrevia os tipos de história que prefere, pode ter surgido diversos livros. Use esses nomes para começar sua leitura. “Tem um livro que eu tinha vergonha de falar que gostava dele, porque muita gente achava que era de autoajuda, mas a gente precisa quebrar esses preconceitos”, conta a professora Renata Gibelle. Para a educadora é importante que a leitura, no início, proporcione prazer para quem está lendo. 

3. Converse com outros leitores
“A leitura não é, nem deve ser solitária. É importante que seja um momento socializado também”, sugere Marcelo. Por isso, o coordenador do curso de Letras do Instituto Singularidades indica buscar  parceiros com quem você possa conversar sobre suas leituras e também receber indicações. 

Para Renata Frauendorf, acompanhar algum tipo de leitura através do olhar de um leitor experiente e apaixonado pode colaborar no processo de criar esse hábito.

“Eu, por exemplo, já tinha criado o hábito pela leitura, mas eu consegui mantê-lo, pois passei a conviver com pessoas leitoras. Seja meus colegas, ou até meus alunos, quando falo de alguma HQ, por exemplo”, conta a professora Renata.

Participar de saraus, rodas e ou clubes de leitura pode também contribuir no processo de criar o hábito por ler. “Um professor que tenha pouca experiência com a leitura, mas participa de uma atividade como essa, vai construindo seu repertório”, afirma a especialista Renata. 

Durante esse momento de distanciamento social é ainda possível fazer esses encontros por Hangouts, Zoom ou até mesmos em grupos de Whatsapp com seus colegas professores, por exemplo. 

4. Incentive a leitura na escola 
Se você é gestor escolar o horário de trabalho pedagógico coletivo (HTPC) pode ser um momento privilegiado para incentivar a leitura. “Nas reuniões é possível pedir que cada professor indique uma leitura, por exemplo, ou fale uma leitura que te marcou”, sugere Marcelo. “É interessante que seja um exercício democratizado e não apenas do gestor falar”, pontua. 

É importante que o professor não se sinta sozinho nesse processo e, por isso, o papel do coordenador pedagógico é importante. “É possível criar situações em que os educadores precisarão ler. Situações problemas em que ele vai precisar fazer pesquisas e usar da leitura para solucionar”, indica. 

Então, está pronto para começar a construir esse hábito que traz benefícios para você e também para sua prática pedagógica? 

Tags

Guias

Tags

Guias