Blog de Alfabetização

Troque experiências e boas práticas sobre o processo de aquisição da língua escrita.

Alfabetização em tempos de coronavírus: como fazer?

Saiba como os alfabetizadores podem orientar as famílias das crianças que estão no ciclo de alfabetização durante o tempo de isolamento social

POR:
Mara Mansani
Foto: Getty Image

Aulas suspensas, férias ou recesso, isolamento social, o desafio da Educação a distância, uso das tecnologias, acesso à internet, as desigualdades sociais, a necessidade de aprendizagem das crianças, as dificuldades dos pais... Nossa! É muita informação para processar. Não é isso que você está pensando ou sentindo? Mas, calma, estamos todos juntos e vivendo essa situação inédita, nunca antes imaginada por nós, professores, e todo o mundo. É normal que estejamos assim.

Agora, você pode se perguntar: o que podemos fazer nesse momento? Primeiro: se acalmar, procurar manter uma rotina saudável e o mais normal possível em casa, prevendo momentos de leitura, de atividade física, de relaxamento. Além das atividades normais da família, fazer o isolamento social, ficar atento a notícias falsas e se cuidar evitando o contágio do coronavírus.

Mas o que podemos fazer pelo nossos alunos na alfabetização? Como orientá-los na continuidade dos estudos para que mantenham a rotina de estudos e se preparando para a volta, mesmo que ela possa demorar mais do que pensamos? Penso que para isso precisamos orientar as famílias a criar uma rotina de estudos para suas crianças. Podemos usar os meios de comunicação disponíveis, mas, antes, precisamos levar em conta alguns pontos:

  • A casa não é escola. Não espere que a família se comporte como uma sala de aula;
  • Pais e responsáveis não são professores. Tenha paciência com eles. Use uma linguagem que compreendam. Proponha atividades que sejam possíveis deles aplicarem com os alunos;
  • Tempo de estudo escolar não é o mesmo tempo da vida em família. Quatro ou cinco horas de estudo ou mais é só na escola. Lembre-se: muitos responsáveis podem estar trabalhando remotamente em suas casas. As crianças precisam de acompanhamento;
  • Nem todos tem acesso e/ou familiaridade com as tecnologias. Nem mesmo nós, professores, sabemos lidar sempre com essas novidades tecnológicas. Por isso, use a criatividade e procure aprender com algum colega para que possa orientar da melhor maneira possível as famílias. Peça ajuda a coordenação pedagógica de sua escola e monte grupos de estudo, por exemplo, entre colegas professores;
  • Não somos professores as 24 horas do dia. Faça combinados com o grupo das famílias. De tempo, de devolutiva. Preserve seu tempo pessoal, mas se for necessário abra alguma exceção;
  • Aproveite os diversos e muitos materiais já produzidos gratuitos e disponibilizados na internet por instituições e profissionais da Educação. Os materiais de NOVA ESCOLA para apoio do professor nesse período de quarentena, por exemplo, estão reunidos nessa página (acesse aqui);
  • Proponha atividades explorando diferentes linguagens. Explore o lúdico e, quando possível, atividades criativas;
  • Use as ferramentas de comunicação disponíveis, se possível de livre acesso. Crie materiais escritos, em vídeos e ou áudios, para orientação aos responsáveis pelos estudantes;
  • Sugira o uso de materiais comuns que os alunos possam ter em casa ou acesso virtual. Nos escritos evite, por exemplo, arquivos pesados (grave em PDF) e dê preferência para materiais que não exijam impressão colorida. Pense preferencialmente em propostas que possam ter o formato adaptado pelas famílias;
  • Procure propor atividades que levam a autonomia das crianças e, na alfabetização, que levem a reflexão sobre o sistema de escrita alfabética;

Veja minha sugestão de plano de estudos para contribuir com a alfabetização das crianças em casa. A proposta está com uma linguagem que os responsáveis possam entender. Mas não esqueça de mandar antes uma mensagem a eles dizendo sobre a importância dos estudos, do papel deles nesse momento, que principalmente tenham paciência e calma com as crianças. Lembre-se de dizer que juntos nós podemos enfrentar melhor esse momento complicado.

No plano de estudos abaixo procurei propor também atividades que as crianças estão familiarizadas e que fazem parte do currículo na alfabetização, de acordo com a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). São atividades de leitura, oralidade e escrita, mas você pode acrescentar atividades de outros componentes curriculares. Fique à vontade para adaptar o plano de acordo com as necessidades de aprendizagem dos seus alunos ou para alunos de outros anos. Clique aqui para baixar em PDF

Atividade 1: leitura de livros de literatura infantil 

Quando a família lê com a criança vai contribuindo na sua formação do leitor. Assim, ela vai pegando gosto em ler, vai ampliando seu repertorio cultural, seu vocabulário, entre tantas outras coisas em sua aprendizagem, mas principalmente vai estabelecendo relações de afetividade e de amor. Na leitura em família todos ganham.

Na internet há vários sites com acesso gratuito a livros virtuais. Veja alguns deles (escolha um livro por vez para a leitura):

>> Programa "Leia para uma criança" do itaú social

>> Espaço de leitura
Apresenta o texto escrito para a leitura, tem a história em áudio e em formato de vídeo. O site disponibiliza um jogo interativo sobre a história e há orientações para pais e educadores.

>> Leitura de contos de literatura infantil
Coletânea de contos organizados por temáticas por NOVA ESCOLA. Acesse o link (https://novaescola.org.br/guias/854/contos) e leia um dos contos. Escolha um para a sua leitura.

Atividade 2: leitura de listas

A criança deve receber uma lista para a leitura com nomes dentro de um mesmo tema. Por exemplo: nomes de frutas, de brincadeiras, de pessoas da família, de salgadinhos e doces para uma festa de aniversário, de roupas de frio, de animais.... Veja abaixo algumas sugestões.   

As listas com palavras misturadas sem um tema definido não são adequadas nesse momento, pois quando as crianças estão aprendendo a ler, vão levantando hipóteses e ideias sobre o que está escrito. Isso significa que fica complicado quando essa escrita não apresenta pistas claras sobre o que pode estar escrito. Sem contar que em nosso dia a dia não encontramos listas assim.

Já as listas com o mesmo tema oferecem muita reflexão quanto a escrita, ou seja, faz a criança pensar sobre como as palavras são escritas e consequentemente contribuem na leitura. Ao apresentar a criança uma lista com nomes de animais, você pode dizer: “Essa é uma lista com nomes de animais. Quais os nomes de animais você acha que estão escritos? Qual nome de animal você conhece que começa com a letra m ou ma? Veja que tem nomes que iniciam com a mesma letra, mas que as outras letras são diferentes. Tente ler sozinho, pensando na forma da escrita da palavra. O nome que conseguir ler marque com o lápis e mostre”. Essas são algumas perguntas que podem ajudar os pais.

Atividade 3: leitura de texto de memória (parlenda)

Na infância aprendemos vários “versinhos” que acabamos decorando. Muito deles são parlendas. Esse tipo de texto são uteis para a compreensão das crianças em relacionar a fala e a escrita. Leia com a criança indicando com o dedo onde estão lendo. Depois peça que ela também indique. Peça que encontrem e circulem na parlenda pelo menos umas três palavras que você ditar. Ao fazer esse ajuste do falado e o escrito, vão aprendendo e desenvolvendo a leitura.

Veja abaixo alguns exemplos de parlendas para a leitura.

Você pode encontrar mais parlendas para atividade de leitura e escrita de texto de memória aqui e aqui.

Atividade 4: leitura de poemas

Outra boa opção para os alunos do ciclo de alfabetização é a leitura de poemas. Nesta coletânea de poemas (veja aqui), há uma série de textos interessantes para a faixa etária. Escolha e compartilhe um dos poemas com a turma. 

Atividade 5: música para cantar o alfabeto

Para crianças que ainda não identificam as letras do alfabeto, proponha brincadeiras que explorem o alfabeto, que alinhem oralidade e leitura. Uma boa dica nesse sentido é recitar e ou cantar “suco gelado” fazendo a leitura do alfabeto.

Atividades 6 e 7: escrita de listas e parlendas

Oriente a criança a escrever listas de nomes. Veja abaixo alguns temas para escrita. Não se preocupe se ela escrever “faltando alguma letra” ou mesmo que ainda não saibam quais as letras, pois é pensando sobre como escrever que elas vão aprendendo. Ajude-as fazendo perguntas do tipo: “qual letra começa esse nome?”, “qual o som?” e “termina com qual letra?”.

Faça o mesmo caminho para a escrita de parlendas para criança. Vá com ela fazendo ajustes para que a escrita chegue na forma correta, que chamamos de alfabética, mas sem corrigir riscando a palavra ou reprendendo a criança.

Sugestões de listas:

  • NOMES DAS PESSOAS DA FAMLIA
  • NOMES DE JOGOS E BRINCADEIRAS
  • NOMES DE SOBREMESAS PARA COMER EM FAMÍLIA
  • NOMES DE CIDADES
  • NOMES DE FLORES
  • NOMES DE PRESENTES PARA CRIANÇAS
  • ROUPAS PARA UMA VIAGEM NO VERÃO
  • NOMES DE COLEGAS DA TURMA
  • COMPRAS DA FAMÍLIA
  • NOMES DE LUGARES QUE VOCÊ GOSTARIA DE CONHECER

E vocês, queridos professores? Estão orientando seus alunos no estudo em casa? Como isso está sendo feito? O que vem dando certo? Quais são as dificuldades? Conte aqui nos comentários e compartilhe suas experiências com a alfabetização nesse momento de crise do coronavírus.

Um grande abraço e até a próxima!  E não se esqueçam: estamos todos juntos!

Mara

Professora há quase 30 anos, lecionou em vários segmentos, da Educação Infantil ao 5º ano do Ensino Fundamental, passando também pela Educação de Jovens e Adultos (EJA). Em 2006, teve dois projetos de Educação Ambiental para o Ensino Básico publicados pela ONG WWF, no livro “Muda o Mundo, Raimundo”. Em 2014, recebeu o Prêmio Educador Nota 10, da Fundação Victor Civita, na área de Alfabetização, com o projeto Escrevendo com Lengalenga.

Tags

Guias