Quais os tipos de registros para avaliar na Educação Infantil?

A escolha do recurso deve ser planejado e intencional para que agregue à avaliação

POR:
Paula Salas

A avaliação na Educação Infantil não tem como premissa a retenção ou a promoção, mas acompanhar o desenvolvimento de crianças que estão em uma etapa de desenvolvimento acelerado e muito rico. Por isso, é essencial ter um olhar atento, contínuo e intencional para eles. “Por que avaliar? Para apresentar um relatório? Não é essa a importância da avaliação”, afirma Jussara Hoffmann, especialista em avaliação, autora e fundadora da Editora Mediação, que publica livros na área de formação pedagógica. 

Para a especialista, esse acompanhamento deve trazer insumos para que o educador reveja sua prática e planeje as próximas propostas e experiência que oferecerá para sua turma. Por isso, uma pergunta muito importante para pensar ao planejar uma atividade e nos instrumentos de avaliação adequados é “por que estou fazendo isso?”. A partir dessa pergunta, o professor estará preparado para escolher o melhor tipo de registro para fazer sua avaliação. 

É importante ressaltar que não se trata de escolher um ou outro, mas de fazer uma escolha consciente dos tipos de documentação que condiz com aquela atividade. Confira abaixo uma breve explicação e dicas sobre como utilizar os principais tipos de registros:

Pauta de observação

Claro, a observação precisa ser constante. No entanto, para guiar seu olhar para pontos que deseja se aprofundar, uma pauta de observação pode ajudar. Esse documento é um tipo de roteiro pré-elaborado - portanto requer um planejamento antecipado à atividade - com algumas perguntas (baseadas nos objetivos de desenvolvimento e aprendizagem propostos na atividade a ser observada) que devem ser respondidas após a observação. Este recurso funciona para observações de todo o grupo, de pequenos grupos ou individuais. 

No entanto, é importante ressaltar que esses questionamentos não devem engessar o olhar, mas tem o intuito de auxiliar a guiar. As perguntas orientadoras não devem ser respondidas com sim ou não, mas devem ser completas e detalhadas. 

Para te ajudar a pensar na pauta de observação que melhor funciona para você, professor, confira o modelo abaixo:

BAIXE O MODELO

Caderno de registro (ou diário de bordo)

Ilustração: Duda Oliveira

“Trata-se de um caderno no qual o professor registra diariamente duas iniciativas com o grupo de crianças, suas hipóteses de trabalhos, suas descobertas, suas preocupações, o que o torna um instrumento para o pensamento do professor” (O trabalho do professor na Educação Infantil, p. 302). Para Karina Rizek, especialista de Educação Infantil, é importante que nesses registros o educador tenha um olhar para os talentos das crianças, isto é, não olhe apenas para as dificuldades ou pontos a desenvolver. Também é importante diversificar os registros seja nas situações abordadas quanto a linguagem. É possível trazer anotações mais narrativas e intercalar com outras mais descritivas.

Fotos, vídeos e áudios

Ilustração: Duda Oliveira

Essas tecnologias estão disponíveis e é preciso aproveitá-las ao máximo. Não significa utilizar todas aos mesmo tempo, mas pensar a partir do que gostaria de avaliar qual agrega mais para a avaliação de forma a não depender apenas de sua memória. Por exemplo, se a atividade for uma roda de conversa um áudio pode te ajudar a recuperar a conversa e registrar as falas específicas das crianças. Se a atividade envolver movimentos e interação, uma filmagem permite que você reassista e se atente aos detalhes, gestos e ações dos pequenos. Enquanto fotografar permite capturar cenas e situações específicas da atividade como, por exemplo, registrar a criança fazendo um desenho ou manuseando um objeto. As fotos também permitem analisar grandes planos como a organização do espaço. Então, aproveita ao máximo, mas leve em consideração o objetivo desejado e como o registro pode te ajudar.  Mas, não vale gravar ou fotografar e não retomar o registro depois, hein?

Portfólio

Ilustração: Duda Oliveira

O portfólio pode ser coletivo ou individual, mas eles devem trazer uma amostra da produção dos alunos e do processo de criação. Os conteúdos devem fazer sentido para todos, inclusive os pais, por isso é importante que o material não seja produzido apenas pelo professor ou que seja engavetado. Segundo o curso Educação Infantil: Como fazer uma avaliação de qualidade, vale pedir para as famílias auxiliarem na escolha do que irá para o portfólio e darem sua opinião. 

Este tipo de registo permite acompanhar o percurso das crianças a partir de suas produções. Fala-se muito de portfólio na Educação Infantil. No entanto, é preciso ter clareza do propósito dele. Para Jussara, ele deve ser apenas um material bonito para as famílias, mas um instrumento valioso de avaliação, um reflexo de desenvolvimento. Para tal, é preciso ter em mente o objetivo e os materiais que irão compor esse material. Não se trata apenas de uma seleção aleatória, mas precisa ser constantemente analisado e refletido. 

Fontes: Jussara Hoffmann, especialista em avaliação, autora e fundadora da Editora Mediação, que publica livros na área de formação pedagógica; Karina Rizek, especialista de Educação Infantil e formadora na Escola de Educadores; O trabalho do professor na Educação Infantil, de Zilma Ramos de Oliveira, Damaris Maranhão, Ieda Abbud, Maria Paula Zurawski, Marisa Vasconcelos Ferreira e Silvana Augusto (Editora Biruta, 2014); Curso Educação Infantil: Como fazer uma avaliação de qualidade, da NOVA ESCOLA.