"Há uma naturalização dos conflitos e do bullying na escola"

Nesta entrevista, a educadora Flávia Vivaldi comenta dois instrumentos de avaliação escolar, um que investiga o clima e outro específico para enfrentar o bullying

POR:
Ricardo Prado
Flavia Vivaldi durante palestra
Foto: Acervo Pessoal/Flávia Vivaldi

Algumas ferramentas são capazes de aferir a quantas anda o clima na escola, bem como a ocorrência de casos de bullying em determinada turma. Obtendo as informações a partir de questionários anônimos, preenchidos por alunos, professores e gestores, e que abordam diferentes aspectos do convívio social no ambiente escolar, esses instrumentos de pesquisa são úteis porque criam um espaço de manifestação de questões que, quando silenciadas, não são vistas como um problema a ser resolvido por todos. 

Nesta entrevista, Flávia Vivaldi, integrante do Gepem, grupo de estudos sobre Educação Moral que congrega pesquisadores vinculados à Unesp e à Unicamp, explica como funcionam essas duas metodologias.


NOVA ESCOLA BOX: Por que realizar uma pesquisa de clima na escola é importante?

FLÁVIA VIVALDI: Usar instrumentais para se avaliar o clima de um ambiente escolar ou a existência de intimidação nas turmas da escola faz toda a diferença porque dessa forma se convidam os alunos, professores e funcionários a trabalharem na contramão da naturalização da violência. Sim, porque há uma naturalização dos conflitos na escola e do bullying, que são, em essência, formas de violência. Com a adoção desse instrumento se começa a refletir que isso não pode acontecer dentro da escola, que o ambiente escolar não pode ser um espaço de sofrimento. 

Como funciona, em linhas gerais, o instrumento de avaliação do clima escolar?

Todos os questionários desses instrumentais são preenchidos de forma anônima. O questionário sobre o clima escolar é mais amplo, sendo respondido por alunos, professores e gestores. Isso é bem interessante porque permite avaliar como um mesmo problema é visto por ângulos diferentes. Em geral, o olhar dos alunos é mais crítico, costuma apontar mais os problemas da escola do que o diagnóstico feito por gestores e professores. E os resultados da utilização desses instrumentos têm sido altamente positivos porque quando apresentamos para uma turma quais são os problemas apontados por ela mesma, já se cria um espaço para a reflexão.  

E o que fazer quando surgem na pesquisa indícios ou denúncias de bullying?

O bullying não pode ser tratado em assembleia de forma alguma. Se houver algum tipo de denúncia ou comentário, o professor deve buscar se informar discretamente sobre o que está acontecendo e encaminhar a denúncia. Para se lidar com o bullying, o melhor é usar outro tipo de metodologia, que nós chamamos de Responsabilidade Compartilhada. Esse instrumental vai trabalhar com cada um dos envolvidos separadamente, jamais em assembleia. Ele é específico para os alunos daquela turma, e também é preenchido de forma anônima. Há, também, um instrumento reduzido, que conta, inclusive, com a participação dos alunos na compilação dos dados, porque eles vão recebendo as perguntas separadamente por tipos de intimidação.

Como é feita essa compilação pelos alunos?

Eles recebem bloquinhos com cores ou números. São cinco blocos, com três ou quatro questões cada um, que dizem respeito a diferentes situações de intimidação ou violência, incluindo temas como o ciberbullying e o assédio sexual. Eles respondem qual é a incidência que acontece com eles e na turma: se nunca acontece, se acontece uma vez por semana, duas vezes, todos os dias etc. Depois, cada grupo pega uma cor ou número e compila os dados sobre aquele determinado aspecto da intimidação.

E se não houver denúncia de bullying, mas uma suspeita de que há algo nesse sentido?

Quando se sabe que há um problema na sala, usa-se o que nós chamamos de “disparador afetivo”, que pode ser um vídeo, um caso real ou uma história fictícia. É algo que aproxima o olhar do estudante para a questão, sem que esteja diretamente relacionado ao fato de que será levado para reflexão com a turma. Usamos muito esses vídeos, tanto para disparar a discussão quanto para sensibilizar os alunos. 

Tags

Guias

Tags

Guias