Blog de Alfabetização

Troque experiências e boas práticas sobre o processo de aquisição da língua escrita.

Duas atividades de produção de texto para fazer antes do final do ano

Ainda dá tempo de promover oficinas na escola que permitam desenvolver habilidades previstas no currículo

POR:
Mara Mansani
Crédito: Getty Images

O final do ano letivo está batendo na nossa porta. Nessa altura já estamos cansados pelo ano intenso, mas falta pouco e não podemos perder o foco. É hora das provas finais e das avaliações externas propostas pelas Secretarias ou por outros órgãos da Educação. A partir dos resultados e dados, podemos planejar os últimos dias de aula levando em consideração as habilidades que as crianças ainda apresentam alguma dificuldade ou que precisam ser consolidadas. 

Em minha escola, E.E. Professora Laila Galep Sacker, em Sorocaba (SP), estamos planejando os últimos dias de aula e levantamos alguns pontos de atenção como, por exemplo, a necessidade de darmos mais qualidade às produções textuais. Nossa coordenadora pedagógica dividiu as ações desse período entre toda a equipe. Cada professor desenvolverá oficinas com diferentes metodologias e estratégias que explorem as habilidades selecionadas. Os alunos farão um rodízio pelas salas. Haverá o espaço da alfabetização, resolução de problemas, geometria, sala de leitura e unidades de medida. Eu fiquei encarregada de desenvolver as oficinas de produção textual. 

É possível que esteja pensando que não dá mais tempo, que não tem mais energia, como eu também pensei. Ao refletir, cheguei à conclusão que dividindo as tarefas entre todos o trabalho não ficará tão pesado, serão criadas novas oportunidades de aprendizagem e será fortalecido o trabalho em equipe.

Compartilho com vocês duas das oficinas que estou preparando para desenvolver com os alunos. Inspire-se e crie as suas próprias. Se não for possível desenvolver com toda a escola, faça em conjunto com um outro colega.

POEMAS 

Objetivo: Escrever poemas autorais tendo como referências e inspiração dos grandes escritores brasileiros.

Alunos: 1º ao 5º ano.

Distribuição da turma: Carteiras em círculo e em grupos.

Passo a passo da atividade

1) Ouvir a música  “O trenzinho caipira”, composição do maestro Heitor Villa-Lobos que faz parte da peça Bachianas Brasileiras nº 2. Na internet, você encontrará apresentações com diferentes orquestras, mas apresente a música sem imagens ilustrativas. Deixe que as crianças ouçam, curtam e descubram sozinhas a ideia do trem em movimento ou a interpretação que venham a ter. 

2) Apresentação e leitura do poema “Trem de ferro” (conhecido como Café com pão), de Manuel Bandeira.

3) Apresentação e leitura do poema “Tem gente com fome” (conhecido também como Trem Sujo da Leopoldina), de Solano Trindade.

4) Apresentação breve das biografias e principais obras dos escritores dos poemas. É possível apresentar com o projetor ou fazer um cartaz. 

5) Divisão da sala em dois grupos. Cada grupo fará a declamação de um dos poemas alternando canto e fala - também conhecido como jogral. 

6) Roda de conversa sobre os poemas para explorar a temática, características dos poemas, pontos em comum entre os textos, opinião pessoal dos alunos, relação do poema escrito com a música, entre outros tópicos. É interessante criar oportunidades para que todos falem. Para tal, faça a mediação do diálogos, questione de forma a fazer os alunos refletirem sobre a mensagem dos poemas e a escrita, por exemplo.

7) Escrita dos poemas em grupos, duplas ou individualmente com base nos poemas sobre trem. 

Vale ressaltar que todas as atividades podem ser desenvolvidas por todas as turmas. O ponto de atenção está nas turmas de alfabetização que precisam de uma maior orientação, além de boas intervenções pedagógicas para que escrevam alfabeticamente.

Nessa oficina, foram contemplados os poetas Solano Trindade e Manuel Bandeira, mas você pode propor outras oficinas de escrita de poemas no mesmo molde com outros poetas e poetisas. Por exemplo: Cecília Meireles e Tatiana Belink, é sucesso na certa e muita aprendizagem. 


TEXTOS INFORMATIVOS

Objetivo: Escrever alfabeticamente textos informativos no formato de “Você sabia que”, tendo como referência textos de qualidade com linguagem voltada para crianças.

Alunos: 1º ao 5º ano.

Distribuição da turma: Carteiras em círculo e em grupos.

Passo a passo da atividade

1) Apresentação e leitura do livro “Sabores da América”, de Ana María Pavez e Constanza Recart. A obra traz a origem de diversos alimentos provenientes das Américas, como a batata, o milho, o chocolate, o tomate, etc. Selecione os textos que irá usar nas atividades. 

2) Leitura de textos informativos científicos que explorem características e origem de alimentos. Um pode ser lido pela professora e os demais são distribuídos entre os grupos. Se os alunos em alfabetização ainda não dominarem a leitura, um aluno ou a professora pode fazer a leitura. Uma dica é pesquisar textos em sites de Ciências ou de História voltados para crianças.

3) Exibição do vídeo “De onde vem o pão”, da série “De onde vem?”, da TV Escola. Disponível aqui.

4) Roda de conversa sobre os textos e o vídeo para explorar a temática, características dos textos informativos, pontos em comum entre os textos, a opinião pessoal dos alunos sobre eles, entre outras temáticas. É importante criar oportunidades para que todos falem. Para tal, faça a mediação desse diálogos e questione os alunos para que eles reflitam.

5) Escrita do texto informativo “Você sabia que…?” a partir do vídeo e dos textos apresentados sobre a origem e características dos alimentos. A produção pode ser em grupos, em duplas ou individualmente

Todas as atividades podem ser desenvolvidas por todas as turmas. Você perceberá que as produções das crianças se diferenciam e ganham complexidade conforme os alunos são mais velhos, mas todos são capazes de escrever, até os pequenos.

É possível repetir a oficina explorando outros temas como origem dos brinquedos ou as invenções que impactaram a humanidade. 

Entendeu as propostas das oficinas e a importância delas para o desenvolvimento das habilidades? Percebeu que oferecer primeiro referências textuais (e outras linguagens) favorece a escrita do aluno? Essas são boas alternativas para fugir das atividades de reforço que, na maioria das vezes, são repetitivas e não apresentam nenhum diferencial em relação às aulas regulares. Que tal fazer isso na sua escola? 

Boas oficinas a todos, um grande abraço e até semana que vem!

Mara Mansani

Tags

Guias