Como trabalhar o letramento digital nas aulas

Ao refletir sobre o mundo e realizar diferentes projetos autorais, o aluno participa ativamente da construção do conhecimento

POR:
Débora Garofalo
Crédito: Getty Images

Você já ouviu falar no termo letramento digital? O letramento digital na Educação está relacionado com o conhecimento necessário para saber como usar os recursos tecnológicos e da escrita no meio digital e participar de maneira crítica e ética das práticas sociais da cultura digital.

SAIBA MAIS SOBRE CULTURA DIGITAL

O conceito trata da cultura nascida com a era digital, originária do ciberespaço e da linguagem da internet que busca integrar a realidade com o mundo virtual.

O tema ganhou grande ênfase com a homologação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), devido às mudanças advindas do avanço tecnológico e do crescente acesso a elas pela facilidade de dispositivos como computadores, telefones celulares e tablets, entre outros. LEIA MAIS

A cultura digital tem relação com a maneira de pensar, valores, atitudes e, sobretudo, com a forma como os significados são produzidos e compartilhados por meio de determinadas práticas sociais que envolvem as tecnologias digitais, mídias digitais e linguagens midiáticas.

Mobilizar práticas de cultura digital em diferentes linguagens, gêneros, mídias e ferramentas digitais é importante para expandir e produzir sentidos no processo de compreensão e produção dos alunos. Ao refletir sobre o mundo e realizar diferentes projetos autorais, o aluno participa ativamente da construção do conhecimento.

LEIA MAIS   Cultura digital: o que é e quais ferramentas podem ser utilizadas

E como levar o letramento digital para as aulas?

É importante trabalhar com o tema de maneira transversal e em várias frentes, como a cidadania digital, mídias digitais, apropriação tecnológica, especificidades das tecnologias digitais da informação, da comunicação e das mídias. 

Os estudantes refletem sobre diversos assuntos, ao mesmo tempo em que se tornam produtores de conteúdo ao criar podcasts, blogs, e-books ou mesmo realizar um curta-metragem.

A seguir, eu elenco cinco pontos importantes que o professor deve considerar ao organizar a aprendizagem com a turma.

Conheça as mídias digitais às quais os alunos têm acesso

Um passo importante é realizar um diagnóstico inicial para identificar e conhecer os gostos dos estudantes e conferir quais mídias eles mais acessam. Dessa forma, você poderá potencializar o trabalho em sala de aula de maneira personalizada – considerando o conhecimento prévio dos estudantes ao trazer interatividade e pertencimento às atividades desenvolvidas.

Planeje suas atividades e objetivos

O planejamento é essencial para qualquer atividade. Definir os objetivos e qual ênfase você pretende dar a uma atividade para alcançar determinado resultado deve ser pensado com cuidado. Você quer trabalhar respeito, ética, apropriação tecnológica, mídias e linguagens digitais? O ponto de partida é sempre a aprendizagem.  

Abra espaço para o processo de criação

O processo criativo pode ser surpreendente. Propicie que os estudantes vivenciem a autoria com atividades de pertencimento. Umas das possibilidades é desenvolver em sala o remix, que permite trabalhar com algo existente, transformando- em um conteúdo diferente, derivado do primeiro. Um exemplo é um popurri de uma música ou um meme.

Envolva diversos gêneros digitais nas atividades

Atualmente, o mundo digital oferece uma diversidade de gêneros que fazem parte do universo dos estudantes e que circulam nas mídias – como fanfics, vlogs, charges, vídeos-minuto –, que podem ser transformados e adaptados para os conteúdos que estão sendo trabalhados em sala de aula.

Compartilhe sempre

Realize oficinas e feiras culturais, para que os alunos tenham oportunidade de oralizar suas produções e trocar opiniões com outros estudantes. Outra maneira de levar esse conteúdo a mais pessoas é compartilhar as produções em eventos, como festivais de vídeos, plataformas como a plataforma digital do Museu da Pessoa e realizar intercâmbios entre escolas e ou salas/séries diferentes. Experiências como essas aguçam a criatividade e a inventividade e fazem com que os estudantes vivenciem na prática a cultura digital.

LEIA MAIS   A hora e vez de inserir ferramentas digitais em suas aulas

E você, querido professor, como está trabalhando com o letramento digital em sala de aula? Quais atividades você já desenvolveu com os alunos e quais ferramentas já utilizou? Conte aqui nos comentários.

Um abraço,

Débora Garofalo

Débora Garofalo é Assessora Especial de Tecnologias da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE-SP) e professora da rede pública de ensino de São Paulo. Formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e uma das dez finalistas do Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.

Tags

Guias

Tags

Guias