Professora empodera estudantes no CE com Literatura de mulheres engajadas

Projeto em Fortaleza foi feito a partir de poema de escritora mineira Conceição Evaristo

POR:
Camila Cecílio
A professora Camile Baccin de Moura e os alunos da EEFM Aloysio Barros Leal
A professora Camile Baccin de Moura com os alunos da EEFM  Aloysio Barros Leal Foto: Igor de Melo/Revista Vós

Um poema que retrata a trajetória de cinco gerações de mulheres negras de uma mesma família. Assim é Vozes Mulheres, da escritora mineira Conceição Evaristo. E essas estrofes que traçam um paralelo entre a escravidão e o racismo no Brasil foram a inspiração para a professora de Literatura e Redação Camile Baccin de Moura criar um projeto homônimo para trabalhar identidade e empoderamento da mulher negra com seus alunos do Ensino Médio da EEFM Aloysio Barros Leal, localizada na periferia de Fortaleza (CE). O projeto da professora foi selecionado na iniciativa Conectando Boas Práticas, idealizada pela Conectando Saberes, rede de professores apoiada pela Fundação Lemann, mantenedora da NOVA ESCOLA

Pesquisar planos de aula para usar a distância

A ideia de criar o Vozes Mulheres surgiu após a educadora ver a reação dos alunos depois de conhecer o poema. A turma se identificou imediatamente com o texto, que traz em sua essência temas subjacentes como ancestralidade, pertencimento, identidade e racismo, segundo explica Camile. Em seguida, alunas e alunos começaram a contar suas histórias e as histórias de suas famílias a partir da relação de identidade com o conteúdo trabalhado.  

LEIA MAIS Como ensinar habilidades socioemocionais por meio da Literatura 

Essa identificação com o poema de Conceição Evaristo não é à toa. Assim como o entorno da comunidade, a maioria dos alunos da escola onde Camile dá aulas é de origem periférica. Ao lançar um olhar sensível para essa realidade, a professora percebeu a importância de abordar temas tão complexos. “Construí o projeto pensando na necessidade de abordar uma literatura mais próxima das vivências dos meus estudantes, que pudesse fazê-los despertar criticamente a partir das relações de sentido estabelecidas entre leitor e escritor”, conta. 

Para isso, ela indicou aos estudantes autoras mulheres, negras, engajadas com o movimento feminista negro, como Angela Davis, Chimamanda Ngozi Adichie, Djamila Ribeiro, Lélia Gonzalez, bell hooks e Grada Kilomba. Dessa forma, Camile organizou seminários, trabalhos artísticos, cartas, leitura e interpretação de contos, além da exposição dos trabalhos pelo ambiente escolar. 

LEIA MAIS  Como trabalhar clássicos da literatura no Fundamental

“O projeto foi ultrapassando o esperado, alunas e alunos fizeram uma revolução na escola, em todos os espaços havia leitores atentos, agarrados aos livros. Eles liam, se emocionavam, levavam os livros para casa para ler para suas mães, depois vinham me abraçar, contar sobre seus sentimentos”, lembra a professora. Ela conta que o envolvimento dos estudantes foi tão forte que, a cada novo passo, se empenhavam em explorar os objetivos do projeto por meio de desenhos, imagens, pinturas, releituras de contos, raps, slam, perfis das autoras, desenhos de personagens dos contos e sequências em quadrinhos. 

Uma das alunas da professora Camile Baccin de Moura deitada em meio aos trabalhos inspirados pelas obras lidas no projeto
Estudantes fizeram trabalhos a partir das obras lidas e também cartas para a autora Conceição Evaristo  Foto: Arquivo Pessoal/Camile Baccin

Como posso desenvolver esse projeto na minha escola? 

Para replicar o projeto é necessário, sobretudo, determinação e afeto, de acordo com Camile. Ela reforça que os alunos precisam primeiramente se encantar pelas autoras e suas biografias para que haja engajamento real e espontâneo. O caminho para isso é apresentar a eles vídeos, livros, imagens e entrevistas. Se a escola tiver biblioteca, faça dela uma aliada. “É importante salientar que nós, professoras e professores, tenhamos a nossa leitura em dia sobre as escrevivências de Conceição Evaristo e outras escritoras negras”, enfatiza. 

Com duração de dois bimestres, o projeto Vozes Mulheres teve três etapas: 

1.  Interpretação e debate do poema Vozes-Mulheres, de Conceição Evaristo, e apresentação de outras escritoras negras feministas (citadas acima). 

2. Seminários com trabalhos artísticos expostos no pátio escolar sobre as autoras escolhidas;

3.  Leitura da obra Olhos D’água, também de Conceição Evaristo. Análise de contos, interpretação, desenho (opcional) dos personagens ou autora, elaboração de cartas para a autora. Confecção de um portfólio com as cartas e os desenhos para entregar à Conceição Evaristo. Recepção da escritora na escola, culminância do projeto com apresentações artísticas: Slam, Rap, percussão, mesa redonda e coquetel.

 

Vozes Mulheres - por Camile Baccin de Moura

A professora Camile Baccin de Moura e os alunos da EEFM Aloysio Barros Leal mostram os livros pesquisados
Foto: Igor de Melo/Revista Vós

Indicação: Ensino Médio
Disciplinas: Língua Portuguesa, História, Geografia, Sociologia, Filosofia
Duração: 6 meses

O que é o projeto?
O projeto Vozes Mulheres foi criado com o objetivo de promover a leitura de uma literatura crítica, contemporânea, identitária, de valores étnico-racial. “Assim, promovemos a leitura de textos de autoras negras brasileiras e estrangeiras, feministas, entre literatas e filósofas, para que os alunos do Ensino Médio pudessem perceber uma outra escrita não realizada por corpos brancos, (cis)heteronormativos. Vivemos em uma sociedade heterogênea quanto a gênero, raça, religião, ‘deficiências’, padrões culturais e outros. Dessa diversidade surgem conflitos, por que a sociedade e a escola padronizaram uma cultura e um raça estereotipada, por exemplo. Proporcionando direitos desiguais de sobrevivência e ação individual no espaço vivido. Gerando-se nesse contexto histórico, conflitos dos subalternos em busca de seu reconhecimento e respeito ao seu modo de ser pensar e agir. A escola é um sistema aberto que faz parte da superestrutura social formada por diversas instituições como: a igreja, família, meios de comunicação; faz parte do ambiente escolar crianças pertencentes a classes sociais, costumes, aspectos físicos, e culturais diferentes que estão em processo de aprendizagem.”

Do que vou precisar?
- Obras de Conceição Evaristo, como o livro Olhos D’água e o poema Vozes-Mulheres;
- Data-show;
- Tesoura, papel, cola, Eva, canetinhas, tintas, pincéis, cartolinas dupla face, glitter, botões, fitilhos;
- Vídeos sobre as autoras citadas;
- Papel 40kg para as cartas, envelopes, lápis:
- Impressão de imagens sobre a autora, barbante, prendedores de roupa, cavaletes.

Quais os objetivos de aprendizagem trabalhados?
- Desenvolver habilidades socioemocionais; 
- Que os alunos refletissem sobre sua própria escrita e o sistema alfabético e assim avançassem em suas hipóteses, chegando à hipótese alfabética consolidando os seus conhecimentos, rumo a alfabetização;
- Escrever alfabeticamente textos de próprio punho, de autoria, individualmente e coletivamente, tendo como modelos os textos apresentados, ainda que escrevessem com erros ortográficos;
- Produzir textos buscando aproximação com as características discursivas do gênero Conto e Carta 
- Apreciar textos literários;
- Ler com a ajuda da professora textos de gênero literário, apoiando-se em conhecimentos sobre o tema do texto e sobre as características de seu portador e sobre o gênero.

E os desafios? Como encará-los?
“Tive muito apoio da diretora e adesão total dos alunos, mas pouco envolvimento dos demais professores. Também usei recursos próprios para ir até o Rio de Janeiro, durante a FLIP 2019, para conhecer a autora mineira, apresentar o projeto e convidá-la a conhecer a nossa instituição e ver os resultados da nossa revolução leitora”, explica Camile. 

E no final? O que meus alunos vão aprender?
O aprendizado é para a vida. Alteridade. Identidade. Pertencimento. Autoestima. Consciência social. Prazer pela leitura, fomento à escrita. 

Camile Baccin de Mouraé professora de Literatura e Redação, licenciada em Letras Vernáculas e Literaturas pela Universidade Federal do Ceará, especialista em Ensino Metodológico de Literatura Brasileira e pós-graduada em Gestão Escolar pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Está na sala de aula há 18 anos. 

 

 

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias