Paula Peres Jornalista pela Universidade de São Paulo (USP), trabalhou com Educação antes mesmo de entrar na faculdade e foi educadora voluntária do Projeto Redigir por quatro anos. Nasceu no Capão Redondo, periferia de São Paulo, é feminista, pagodeira e tem sempre uma piada na ponta da língua. Gosta do cheiro de escola, café e pipoca.

Hoje quase não teve newsletter

POR:
Paula Peres
Crédito: Duda Oliva

Olá!

Como foi a sua quinta-feira, professora?

Por aqui, muitas reuniões e demandas novas, além das que já estavam comigo desde o início da semana. Para completar, tomei café demais e ultrapassei a barreira da “cafeína que acorda” para a “cafeína que me deixa com muita energia e completamente sem foco no trabalho”.

O dia passou e eu rendi muito aquém do que deveria. Houve um momento em que eu mal sabia por onde começar a cumprir minhas tarefas e pequenos desentendimentos estavam tomando grandes proporções no meu humor. Precisei parar, respirar fundo, fazer um chá que foi presente de uma amiga querida e aceitar que a maioria das coisas ficaria para o dia seguinte, e eu focaria nas que precisavam ser entregues hoje. Entre elas, esse texto.

É hora da inteligência emocional entrar em jogo

Percebi que meu estresse não estava me fazendo bem, e também não ajudava a melhorar o ambiente dos meus colegas de equipe. Identificar e avaliar os próprios sentimentos e dos outros é uma habilidade que pode ser aprendida, chamada de “inteligência emocional”. Este texto da nossa colaboradora Débora Garofalo explica um pouco melhor a inteligência emocional e traz uma sugestão de atividade que pode ser feita em grupo com os alunos para debater colaboração e empatia.

Por falar em colaboração, você já parou para pensar se a democracia é um valor vivido na prática na sua escola? Ou é apenas uma palavra bonita defendida no Projeto Político Pedagógico e nos discursos? As regras estabelecidas, por exemplo, foram impostas ou combinadas? Qual é o espaço que os estudantes têm para se manifestar? Este artigo mostra como a democracia é um valor pouco vivido nas escolas (e o que pode ser feito para mudar o quadro).

Apresentado por PALAVRA ABERTA
EDUCAÇÃO MIDIÁTICA JÁ

Em uma sociedade cada vez mais conectada, é importante que seus alunos saibam produzir, interpretar e refletir sobre conteúdos que chegam diariamente pela internet. Veja aqui como você pode ajudá-los nesse processo.

Um abraço,

Paula Peres
Repórter de Nova Escola