Como um jogo de tabuleiro estimula a inclusão

Material pedagógico acessível reúne todos os alunos e ensina sobre seres vivos e biodiversidade

POR:
Flavia Nogueira
Alunos do 3º ano da EMEF Desembargador Teodomiro Toledo Piza, em São Paulo, brincam com o jogo de tabuleiro Trilha dos Seres Vivos em uma sala de aula divididos em grupos de quatro
Alunos da EMEF Desembargador Teodomiro Toledo Piza brincam com a Trilha dos Seres Vivos Foto: Portal Diversa/IRM

Nada melhor do que um jogo de tabuleiro para reunir crianças em volta de uma mesa. E, se esse jogo também inclui todos os alunos, com e sem deficiência, e trabalha disciplinas como Ciências, Geografia, Língua Portuguesa e até Matemática, melhor ainda.

Essa é exatamente a proposta do Material Pedagógico Acessível Trilha dos Seres Vivos (saiba mais sobre esse projeto aqui), criado na EMEF Desembargador Teodomiro Toledo Piza, em São Paulo (SP). Esse material faz parte do projeto Materiais Pedagógicos Acessíveis, lançado pelo Instituto Rodrigo Mendes (IRM) no portal Diversa, que consiste em uma série de recursos desenvolvidos por educadores para auxiliar o processo de ensino-aprendizagem em turmas compostas por estudantes com e sem deficiência.

LEIA MAIS Como um jogo de roleta pode ajudar na inclusão

O jogo de tabuleiro Trilha dos Seres Vivos foi idealizado para trabalhar temas ligados à biodiversidade e ecologia, mas o material pode ser utilizado de acordo com o conteúdo a ser trabalhado, pois permite várias formas de uso com outras disciplinas. E são várias vias de aprendizagem: visual (cenário e miniatura), tátil (miniaturas, braile e numerais em relevo) e sonora (dado sonoro, permitindo várias associações e ampliação das possibilidades de percepção).

O projeto foi desenvolvido na turma do 3º ano do Ciclo de Alfabetização da EMEF Desembargador Teodomiro Toledo Piza, que tinha alunos com idades entre 8 e 11 anos, incluindo um com hipótese diagnóstica de autismo e outros com dificuldades de aprendizagem.

Uma das criadoras do jogo, a professora da Sala de Recursos Multifuncionais (SRM) Eliane Pereira de Oliveira, contou à NOVA ESCOLA que tudo começou com o aluno com diagnóstico de autismo.

LEIA MAIS Inclusão: “A teoria nem sempre dá conta”

“Eu falava das plantas com a minha sala e o aluno com diagnóstico de autismo queria compreender como as plantas de alimentavam. Plantamos alfaces, hortaliças e ele começou a compreender, viu crescer, viu que tinha um processo. Então nós começamos a falar dos seres vivos e surgiu a ideia da trilha”, explica Eliane.

“Todos os alunos se envolveram, eles ajudaram a construir, a fazer as fichas, recortar, fazer os números em braile, toda a descrição do jogo. A construção foi toda coletiva”, acrescentou.

Também participaram da criação do projeto as educadoras Marcia Regina Cassiano e Sandra Azevedo Augusto.

CONHEÇA O NOSSO CURSO DE INCLUSÃO

O que é – A Trilha dos Seres Vivos é um jogo de tabuleiro idealizado para trabalhar temas ligados à biodiversidade e ecologia, mas que pode ser adaptado para outras disciplinas. O material usa diversos recursos (visuais, sonoros, táteis) para minimizar as barreiras à participação autônoma de todos os alunos, com ou sem deficiência. Além disso também permite a participação de todos de maneira colaborativa, viabilizando o envolvimento e o aumento da interação.
Como funciona – O material é composto por uma estrutura produzida em MDF, casas com números em braile, feitos com miçangas, e em algarismo com relevo em EVA; um dado digital com recursos visual e sonoro; peões com cores e formatos diferentes; cartas de apoio com informações do conteúdo do jogo. Para jogar, o participante aciona o dado e anda o número de casas correspondente. Em 10 casas da trilha (composta de 30 casas no total), há caixinhas abaixo do nível do tabuleiro contendo miniaturas de animais (mamíferos, répteis, aves, anfíbios, insetos, entre outros), que podem ser tocados e visualizados pelos alunos. Caso pare em uma casa com caixinha com a miniatura, o jogador deverá responder a uma pergunta relacionada ao tema da casa selecionada. Em seguida, o jogador abre a caixinha para ver se sua resposta está correta. Respondendo corretamente, o aluno joga novamente; errando, passa a vez. Ganha o jogo o estudante que chegar primeiro ao final da trilha.

 

Aprender brincando

“A trilha veio dessa ideia, para a criança aprender brincando. Ela vai aprender os conteúdos na brincadeira, na troca com o amigo, com o professor”, explica Eliane.

“E eles compreenderam o conteúdo, as coisas que eram difíceis para eles, houve essa compreensão de uma forma mais fácil. Qualquer coisa que falássemos (em sala de aula), eles já respondiam ‘já sei!’”, conta.

Eliane afirma que a principal mudança foi observada no aluno com diagnóstico de autismo, já que sua sala, por ser SRM “já era uma sala inclusiva, eles já tinham a noção do respeito, já era do convívio deles”.

“A mudança foi mais com o aluno (com diagnóstico de autismo). Ele era muito tímido, não se aproximava das outras crianças, tinha a questão do estar junto, do toque. Mas, depois do jogo, ele ficou mais próximo: ele não fazia duplas, com o jogo ele começou a fazer dupla com outros alunos, queria falar na frente da sala de aula, começou a responder chamada”, diz.

Eliane conta que os alunos que iniciaram o projeto em 2018 agora estão no 4º ano, com outra professora, mas ainda jogam o Trilha dos Seres Vivos.

O jogo original está na sala de recursos, de Eliane e, quando os outros professores precisam, pegam para usar com seus alunos. E a professora explica que fez mais adaptações para uso em outras turmas de outros anos.

“Começamos a trabalhar no jogo com nomes dos animais, letras iniciais, cores, a questão dos números, eles podem descrever os animais, algo mais diferenciado”, afirma.

 

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias