8 mitos sobre o suicídio que pais e educadores precisam conhecer

Durante o Setembro Amarelo, campanha mundial de conscientização sobre suicídio, é importante esclarecer o que é fato e o que não é quando se fala em prevenção. Saiba mais

POR:
Ana Carolina C D'Agostini
Vamos parar de repetir frases como "Quem pensa em suicídio é fraco e procura uma saída fácil"? Para prevenir o suicídio é precisa abrir espaços para que a pessoa possa falar abertamente sobre seus problemas    Crédito: Getty Images

As escolas desempenham papel fundamental junto às famílias e profissionais de área da saúde na identificação de sinais de alerta que indiquem que crianças e adolescentes possam estar em risco de suicídio. Hoje a segunda maior causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos, o suicídio é pouco debatido e, talvez por isso mesmo, repleto de crenças errôneas que impossibilitam ações efetivas de prevenção e de pósvenção. Confira alguns dos principais mitos sobre o assunto.

LEIA MAIS   14 perguntas e respostas sobre prevenção ao suicídio

1.MITO: Aqueles que ameaçam se matar estão apenas querendo chamar a atenção.

A pessoa que tem a intenção de cometer suicídio costuma dar sinais sobre as formas como pensa em fazer isso para pessoas próximas, para profissionais de saúde e até mesmo via mídias sociais. Portanto, conteúdos – verbais ou escritos – que possam indicar ideação suicida devem ser levados a sério e não vistos apenas como forma de "chamar a atenção". 

 

2. MITO: Não é possível prevenir o suicídio. Quem quiser se matar, vai se matar.

O suicídio pode e deve ser prevenido. A melhor forma de fazê-lo é falando abertamente sobre o tema em diferentes ambientes e nas mais diversas linguagens. A prevenção começa com educação sobre o tema, com o trabalho contínuo das habilidades socioemocionais, com a existência de redes de apoio e a quebra do estigma em falar sobre questões relacionadas à saúde mental.

LEIA MAIS   Por que precisamos falar sobre Setembro Amarelo e suicídio na escola

3. MITO: Se algum aluno ou aluna pensar ou tentar cometer suicídio estará em risco de recaída para o resto da vida.

O risco de suicídio pode ser tratado de forma eficaz com auxílio de profissionais capacitados, como psicólogos e psiquiatras que podem diagnosticar e acompanhar de perto aqueles que estão enfrentando questões de saúde emocional e mental. O fato de alguém ter enfrentado um período de fragilidade e vulnerabilidade emocional não significa que a pessoa estará sempre em risco de recaída, da mesma forma que acontece com dependentes químicos. É possível se tratar e construir uma rede de apoio para ficar bem. Entretanto, a tentativa prévia de suicídio é um dos principais sinais de risco e pensamentos recorrentes sobre a morte são sinais de alerta que devem sempre ser levados a sério, independentemente do histórico da pessoa.

4. MITO: Não devemos falar sobre suicídio na escola, pois falar sobre o assunto aumenta os riscos de que alguém queira se matar.

Pelo contrário: falar abertamente sobre suicídio não aumenta as chances de ocorrência. O silêncio e a negligência em relação às questões relacionadas à saúde mental é que aumentam os riscos e enfraquecem as ações preventivas. Ter um local em que a pessoa se sinta segura para falar ou alguém com quem possa tratar disso abertamente pode aliviar a tristeza, diminuir a angústia e até mesmo mudar os pensamentos sobre a morte. Além disso, quando permitimos que a pessoa fale sobre suicídio, podemos encaminhá-la para acompanhamento com profissionais de saúde e nos mantermos próximos de quem necessita de apoio.

LEIA MAIS   Quando um suicídio acontece na escola. O que fazer?

5. MITO: O suicídio costuma ser um ato impulsivo e não planejado.

A ocorrência de um suicídio costuma ser antecedida por pensamentos, ideias, fantasias, planos e até mesmo notas públicas nas mídias sociais. Uma criança ou adolescente pode, inclusive, comentar com amigos da escola ou escrever de forma direta ou indireta em uma redação escolar. Há pessoas que chegam a verbalizar a intenção e dão detalhes de como fariam para dar fim à própria vida. Tais evidências indicam que a maioria dos casos de suicídio não indicam um ato impulsivo, e sim de uma sucessão de fatores que podem resultar na decisão de tirar a própria vida. Fique atento aos sinais de alerta mais comuns em crianças e adolescentes em idade escolar, como mudanças repentinas de comportamento, isolamento, verbalização do desejo intenso de morrer, raiva, vontade de vingança e sensação de estar sem saída.

 

6. MITO: O suicídio está sempre ligado à presença de depressão.

Nem toda pessoa que cometeu suicídio ou chegou a tentar estava sofrendo de depressão. Embora a depressão possa estar associada e possa ser um sinal de alerta, o suicídio é multifatorial e não possui uma única causa. Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), mais de 90% dos casos registrados de suicídio estão vinculados à presença de transtornos mentais, logo se diagnosticados e tratados corretamente, aumentam-se as chances de prevenção. Outros distúrbios emocionais como transtorno bipolar, transtornos de personalidade, esquizofrenia e o abuso de álcool e outras drogas podem estar associados ao suicídio. É importante destacar que a presença de um transtorno mental limita a capacidade de escolha da pessoa e que muitas vezes não é feito um diagnóstico efetivo, por isso muitos casos de suicídio podem ser decorrência de quadros não diagnosticados. Além de questões vinculadas à saúde mental, o suicídio pode ser decorrência de outros estressores, como doença grave ou debilitante, morte de alguém próximo, trauma, violência, rejeições recorrentes, ou abuso sexual.

 

7. MITO: Pessoas que cometem suicídio são egoístas, fracas e querem achar uma solução rápida para os seus problemas.

Tais ideias devem ser combatidas porque limitam as chances de que a pessoa que está pensando em cometer suicídio fale abertamente sobre isso por medo de ser julgada. Frequentemente, aqueles que cometem suicídio não o fazem porque não querem viver, e sim porque querem acabar com o sofrimento intenso que estão sentindo. Tirar a própria vida indica, sobretudo, a sensação de desamparo e de falta de esperança, e não "egoísmo" ou uma alternativa simples para resolver problemas. 

 

8. MITO: Quando alguém comete suicídio, necessariamente há um culpado pelo que aconteceu.

O suicídio de alguém próximo é extremamente doloroso e costuma deixar muito mais perguntas que respostas. Cada caso de suicídio é único e envolve toda a complexidade da história de uma pessoa, portanto buscar um culpado pelo o que aconteceu apenas trará mais sofrimento e não ajudará quem sofreu a perda. Mesmo que tenhamos informações e tentemos diversas medidas de apoio, não existe uma receita pronta e eficaz capaz de prevenir todos os casos de suicídio. O tratamento de alguém com pensamentos suicidas envolve uma série de fatores, como remédios psiquiátricos, psicoterapia e grupos de apoio, que podem ter diferentes efeitos em cada pessoa. Embora seja possível prevenir o suicídio, não é possível prever que irá de fato ocorrer. Por isso é tão importante abrir espaços de confiança para que as pessoas possam falar abertamente e encontrar apoio.

Ana Carolina C D'Agostini é psicóloga e pedagoga com formação pela PUC-SP, especialização em psicologia pela Universidade Federal de São Paulo e mestre em Psicologia da Educação pela Columbia University. Trabalha com projetos em competências socioemocionais e é consultora do projeto de Saúde Emocional da Nova Escola.

.

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias

Tags

Guias