Educação Infantil: como trabalhar a cultura maker com as crianças

A cultura maker pode ser exercitada dentro dos direitos de aprendizagem previstos na BNCC, com potencial de explorar a criatividade e inventividade

POR:
Débora Garofalo
Construir brinquedos e jogos ou mesmo manusear ingredientes na cozinha são práticas que servem para introduzir a cultura maker para a Educação Infantil     Crédito: Getty Images

A ludicidade é um pilar fundamental para o desenvolvimento da aprendizagem da criança na Educação Infantil. Ao brincar e exercitar novas possibilidades, a criança estabelece contato com a experiência como protagonista de seu desenvolvimento. Essa jornada pode vir acompanha da cultura maker, que vai de encontro aos direitos de aprendizagem previstos na Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e por seu potencial de liberar a criatividade e inventividade dos pequenos.

A cultura maker é uma oportunidade de desenvolvimento para a criança. Através do brincar ela aprende, experimenta o mundo, estreita relações sociais elabora autonomia e organiza suas emoções.

LEIA MAIS   7 ideias para usar tecnologia na Educação Infantil

 

BRINCAR: UM DOS 6 DIREITOS DE APRENDIZAGEM PREVISTOS NA BNCC

A Base Nacional Comum Curricular prevê seis direitos de aprendizagem e desenvolvimento. São eles: Conviver, Brincar, Participar, Explorar, Expressar e Conhecer-se. Veja o que a Base diz sobre o direito de Brincar.

O que diz a BNCC: “Brincar cotidianamente de diversas formas, em diferentes espaços e tempos, com diferentes parceiros (crianças e adultos), ampliando e diversificando seu acesso a produções culturais, seus conhecimentos, sua imaginação, sua criatividade, suas experiências emocionais, corporais, sensoriais, expressivas, cognitivas, sociais e relacionais”.

Como garantir esse direito: as brincadeiras são essenciais e devem estar presentes intensamente na rotina da criança. Se trata de iniciativas infantis que o adulto deve acolher e enriquecer, porém devem ser planejadas e variadas. Para isso, a partir da observação dos pequenos brincando, o professor pode disponibilizar materiais que auxiliem o desenvolvimento da brincadeira ou que conduzam a outras experiências. Leia mais sobre como garantir esse direito de aprendizagem.

 

O movimento maker, “faça você mesmo”, propôs nos últimos anos o resgate da aprendizagem mão na massa, trazendo o conceito “aprendendo a fazer”. O movimento vem crescendo e a consequência direta é que o processo de aprendizagem – e não o produto – passa a ter destaque, colocando o aluno no centro do processo de aprendizagem.

LEIA MAIS   5 dicas para inspirar a criação de um espaço maker na sua escola

A importância da cultura maker no desenvolvimento infantil

Muitos educadores ainda têm receio de levar uma proposta do tipo “faça você mesmo” para uma turma de Educação Infantil, principalmente pela preocupação com a segurança dos pequenos. Saiba que é possível superar essa questão e enriquecer a experiência e aprendizagem das crianças com diálogo. O importante, como em toda proposta educacional, é criar um ambiente regido por respeito e segurança.

O faça você mesmo permite uma infinidade de possibilidades desde criar jogos, oficinas e brinquedos ao trabalhar com objetos estruturados e não estruturados. Isso permite aos pequenos explorar, coletar, selecionar e construir, conforme seus anseios pessoais e observações – com muita mão na massa, claro.

LEIA MAIS   7 ações para superar as barreiras da tecnologia na sala de aula

Como levar a cultura maker para a sala de Educação Infantil

O fazer da cultura maker pode estar presente de muitas maneiras. Confira abaixo três maneiras de desenvolver a mão na massa na sua sala.

Cozinhar com as crianças

Que tal fazer biscoitos com a turma? A atividade é uma oportunidade de falar sobre alimentação, ao mesmo tempo em que trabalha Matemática, Língua Portuguesa, História, além da colaboração e da empatia. Você pode usar a cozinha da escola para o preparo ou preparar os biscoitos na sala e depois levá-los para assar na cozinha. Veja abaixo uma receita simples para fazer com os pequenos:

receita de BISCOITO

Ingredientes

  • 9 colheres (sopa) de amido de milho
  • 9 colheres (sopa) de farinha de trigo
  • 5 colheres (sopa) de açúcar
  • 6 colheres (sopa) de manteiga

Modo de preparo

Misture os ingredientes até que a massa fique bem homogênea. Use uma colher (sopa) para derramar porções da massa em uma assadeira previamente untada. Leve ao forno e deixe assar por 30 minutos em fogo baixo. Retire do forno e sirva às crianças. 

Construir jogos e materiais

E que tal fazer jogos com os pequenos? É uma excelente possibilidade para trabalhar o raciocínio lógico, concentração e colaboração, além de muita mão na massa. Fazer jogos envolve muitas possibilidades, mas tem uma que me encanta de maneira particular: é a possibilidade de resgatar jogos populares. Selecionei aqui um jogo bem conhecido, que é Três Marias. Segue abaixo um passo-a-passo.

JOGO TRÊS MARIAS

Material

  • Retalhos de tecido
  • Pedrinhas e/ou grãos

Modo de fazer

  • Corte cinco retângulos de tecido de mais ou menos 8 X 11 centímetros
  • Dobre cada retângulo e costure em volta, deixando uma abertura de um lado. Eles vão ficar com um formato parecido ao de um saquinho.
  • Encha os saquinhos com pedrinhas e/ou grãos. Feche com uma costura.

 Como Jogar

  • Três Marias pode ser jogado com um ou vários jogadores. Forme um círculo com as crianças ou coloque-as ao redor de uma mesa.
  • Espalhe os saquinhos no chão, sem que fiquem muito longe nem perto demais uns dos outros.
  • A maneira mais comum de jogar é pegar um um saquinho e jogá-lo para cima.
  • Antes que o saquinho caia na mesa, o jogador tem que pegar rapidamente outro saquinho com a mesma mão que atirou o primeiro.
  • Cada criança vai experimentar essa experiência dentro da roda.

Criar objetos com materiais reciclados

E que tal criar algo que funcione e seja capaz de agunçar a curiosidade dos pequenos? Esse processo pode desafiá-los a ir mais longe e se descobrirem inventores, associando o aprendizado a muitas conversas. Indico aqui uma atividade que vai trabalhar as formas geométricas e a lei de força e ar. Confira abaixo a dica.

CARRINHO MOVIDO A BALÃO DE AR

A quantidade de materiais vai depender de quantos carrinhos você pretende montar. Para uma primeira experiência, envolvendo um carrinho, siga a lista.

Materiais

  • 1 Rolinho de papel higiênico
  • 1 Bexiga (balão)
  • 2 canudos plásticos
  • Fita crepe
  • Cola quente
  • Elástico
  • 2 palitos de churrasco
  • 4 tampas (de garrafa pet)

Modo de fazer

Fure a tampinha no meio. Passe o palito de churrasco dentro do canudo. Acrescente em cada ponta a tampinha, criando assim o eixo do carrinho. Repita a operação novamente. A seguir, use a cola quente para para firmar os eixos do carrinho.

Pegue a bexiga e coloque na ponta um canudo, prendendo a boca da bexiga com o elástico. Coloque o canudo no carrinho e prenda com fita crepe. Encha a bexiga ao soprar o canudinho. A primeira invenção das crianças estará pronta.

A filosofia maker pode contribuir no desenvolvimento infantil de maneira decisiva ao construir um indivíduo que acredita no seu potencial transformador e que exercita o pensamento crítico.

E você, querido professor, como trabalha com a cultura maker na Educação Infantil? Conte aqui nos comentários.

 

Um abraço,

Débora Garofalo é Assessora Especial de Tecnologias da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE SP) e professora da rede pública de ensino de São Paulo. Formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e uma das dez finalistas do Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.

Tags

Guias

Tags

Guias