Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

O exercício da empatia entre professores

Praticar atitudes simples para acolher as dificuldades de colegas e construir uma rede de apoio podem tornar mais leves as questões do dia a dia

POR:
Laís Barros Martins
A empatia é o elemento básico que sustenta redes de apoio entre colegas, um espaço para estabelecer trocas mais efetivas e canais de comunicação para que professores possam expressar suas angústias e propostas   Crédito: Getty Images

A empatia – essa capacidade de olhar para o outro e enxergá-lo verdadeiramente –, tem se destacado como uma alternativa para estabelecer relações profissionais mais equilibradas. Nessa nova lógica, a regra é menos competição e mais colaboração, com predomínio do senso de coletividade e partilha. Afinal, quando o fardo está pesado, contar com ajuda para carregá-lo certamente torna a missão menos difícil.

O dia a dia da escola envolve demandas relacionadas a alunos, equipe gestora, apoio administrativo e pais. “Além da capacitação como profissional da Educação, o professor requer atenção e cuidado para se preparar para essa rotina”, diz Manoel Alessandro Machado de Araújo, professor de Ciências na escola distrital Centro de Ensino Fundamental do Varjão e líder do projeto VemSER, que olha para a saúde emocional de professores de sua rede

VEJA MAIS   DESAFIO NOVA ESCOLA: vamos falar sobre solidão?

Ao identificar essa necessidade, o professor propôs uma série de atividades para trabalhar a saúde mental em equipes e garantir o acesso de colegas a ferramentas de autoconhecimento e autocuidado com vistas a aprimorar os relacionamentos no ambiente escolar. A iniciativa envolve, por exemplo, a ação do desenvolvimento e reconhecimento do SER (identidade), FAZER (capacidade) e TER (merecimento), e a proposta de alunos fazerem um acrônimo com o nome do professor, para valorizá-lo e fortalecê-lo em momentos de baixa autoestima.

Após uma primeira etapa em grupo, o projeto agora prevê atendimento individual ou ações voltadas a grupos menores. Entre as mudanças já percebidas, Manoel destaca um maior senso de pertencimento, acolhimento e engajamento; melhores índices de bem-estar no ambiente de trabalho; e a descoberta de novas possibilidades e oportunidades, incluindo um olhar diferenciado para o aluno. 

Atenção plena e muito diálogo

A empatia é o elemento básico que sustenta redes de apoio entre colegas, um espaço para estabelecer trocas mais efetivas e canais de comunicação para que professores possam expressar angústias, opiniões, queixas e propostas. É importante saber que se pode contar com alguém para escutá-lo com atenção plena, dialogar e compartilhar ideias e experiências. Essa troca de feedbacks pode garantir o enfrentamento de desafios e a criação de projetos coletivos, incentivando o desenvolvimento pessoal e profissional, e fortalecendo o aspecto socioemocional à medida que cada um se instrumentaliza para superar e resolver conflitos, aponta Manoel.

“Conversar sobre as emoções ajuda a não se fechar em um campo de tensão interior no qual só se vê um lado da situação”, afirma Marilda Novaes Lipp, diretora do Instituto de Psicologia e Controle do Stress (IPCS). Com isso, diz ela,a pessoa é “capaz de perceber os eventos de outra forma, obter apoio e até sugestões sobre como lidar com o que está ocorrendo”. 

Além dos benefícios sentidos individualmente – o altruísmo impacta não só quem recebe a ação, mas também quem a pratica –, essas ações têm o potencial de gerar relações mais equilibradas com os colegas e conexões mais verdadeiras, afetando inclusive o clima escolar. Uma vez que as picuinhas e intrigas cedem lugar à ajuda mútua e a uma maior tolerância social, o resultado é que o ambiente seja um espaço de menos julgamento e mais respeito.


Ir para o desafio

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias

Tags

Guias