Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

14 perguntas e respostas sobre setembro amarelo, suicídio e saúde mental na escola

Entenda porque as discussões sobre suicídio se intensificam nessa época do ano e o que a escola tem a ver com isso

POR:
Laís Semis
Duas adolescentes se abraçam
Foto: Getty Images

Em 2018, a notícia de que dois alunos do Colégio Bandeirantes se suicidaram em um período de 15 dias colocou as escolas em alerta. Infelizmente, não se trata se casos isolados. O número de suicídios entre jovens com idade escolar cresceu 18% no Brasil nos últimos anos. 

Em setembro, a discussão sobre o tema é intensificada em virtude da campanha setembro amarelo. Apesar do mês de referência para tratar do assunto, ele não deve ser endereçado apenas nesta época do ano. O trabalho de sensibilização e auxílio deve ser contínuo. Confira abaixo respostas para as principais dúvidas sobre setembro amarelo e suicídio:

O que é o setembro amarelo?

É uma campanha de prevenção ao suicídio. A iniciativa do setembro amarelo é um desdobramento do Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, que acontece no dia 10 de setembro. Ela visa promover e ampliar a discussão e ações sobre o tema. 

Qual é o tamanho desse problema?

Cerca de 800 mil pessoas cometem suicídio anualmente. O suicídio é a segunda causa de morte entre jovens de 15 a 29 anos. Os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS)

mostram também que o Brasil é o oitavo país entre aqueles com maior número de suicídios. 

O que isso tem a ver com a escola?

Entre 2011 e 2015, as mortes por suicídio de adolescentes de 10 a 19 anos cresceram 18%, de acordo com dados do Sistema Único de Saúde (SUS). Geralmente, nessa faixa etária, os estudantes começam a encarar as primeiras frustrações e a escola costuma ser um dos principais espaços de socialização. Assim, criar um bom clima escolar, de escuta ativa e acolhedora pode ajudar na saúde mental da comunidade e evitar que os casos de ansiedade e depressão possam se transformar em algo ainda maior. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ações preventivas podem evitar suicídios –  o que inclui medidas educacionais.

Suicídio: que comportamentos exigem atenção do educador? from Nova Escola on Vimeo.

Como clima escolar e saúde mental se relacionam?

O clima influencia a qualidade de ensino, a prática democrática e também a socialização das crianças e adolescentes. Em um ambiente de conflitos, pouco colaborativo, sem confiança entre os membros da comunidade, com casos de bullying, brigas e problemas de integração, há um impacto nas relações (e no espaço escolar). Com tanta tensão no ar, o clima tende a não ser saudável – tanto para os alunos quanto para os funcionários – e, disso, acarretam outros problemas, como intensificação dos conflitos, inviabilização do engajamento em ações da instituição, queda no rendimento escolar e problemas emocionais (ansiedade e depressão, por exemplo).

Que tipo de ações as escolas podem fazer para atuar no problema?

Existem ações que podem ser realizadas de forma preventiva ou mesmo, quando uma tragédia se abate sobre a escola, de intervenção com a comunidade. Não existe uma receita mágica para lidar com o tema, mas todas passam por esclarecer informações relacionadas, conscientizar sobre o tema, estimular o diálogo e abrir espaços de acolhida.

Há diversas instituições que produzem materiais orientadores sobre o tema. No site do Ministério da Educação, por exemplo, há informações sobre sinais de alerta, o que fazer e como buscar ajuda. Confira aqui. A Associação Brasileira de Psiquiatria e Conselho Federal de Medicina desenvolveram a cartilha "Suicídio: informando para prevenir". No material, é possível entender alguns mitos sobre comportamento suicida, fatores de risco e proteção e qual o impacto do suicídio, por exemplo.  No site do Centro de Valorização da Vida (CVV) também é possível encontrar referências de instituições que trabalham com o tema.

Além disso, existem organizações mais focadas em ações educacionais na área de saúde mental, como o Cuca Legal e a Associação pela Saúde Emocional de Crianças (ASEC). Ambos possuem cursos e programas voltados para escolas que visam à promoção de saúde mental, a prevenção de transtornos mentais em ambientes de ensino e o desenvolvimento de habilidades socioemocionais.

No que consistem as ações de prevenção?

As ações de prevenção são aquelas feitas antes da escola ter um caso de suicídio dentro da comunidade. Elas consistem, portanto, em sensibilizar alunos e professores sobre o tema e em desenvolver ações que possam melhorar o diálogo e o clima escolar para evitar suicídios e outros transtornos de saúde emocional.

E o que são as ações de posvenção?

A posvenção consiste em uma série de ações de intervenção junto à comunidade quando um suicídio acontece com alunos ou outros membros da instituição. No geral, um acontecimento como este pode gerar traumas e inquietações na comunidade – especialmente entre aqueles que eram próximos do suicida. A situação não pode ser silenciada e ignorada. É preciso criar um ambiente em que as pessoas se sintam seguras a falar sobre isso, os impactos sentidos pela comunidade e ações que possam evitar futuros casos.

Quando alguma tragédia impacta a comunidade escolar, a escola precisa lidar com tudo sozinha?

Não. Por mais que a linha entre o papel da escola e de outras instituições nem sempre seja muito clara em assuntos comportamentais é necessário entender onde acaba o papel da escola. A escola não tem responsabilidade de assumir um atendimento psicológico, diagnosticar síndromes – mas, do mesmo jeito que a escola ajuda a identificar problemas de aprendizagem que muitas vezes são causados por fatores como a necessidade de uso de óculos, ela pode estar atenta à comportamentos socioemocionais que se diferem do resto do grupo e que podem ser perigosos. A escola não deve assumir o papel de psicóloga, mas ela pode ser mediadora dessas ações – seja oportunizando espaços para que o diálogo aconteça e que sentimentos, por exemplo, de solidão possam ser minimizados, ou mesmo indicando a necessidade de uma ajuda profissional. Embora a recomendação seja que a escola trabalhe seus problemas de convivência e comportamento, sempre que a situação for extrema, os órgãos e pessoas responsáveis devem ser envolvidos – família, assistência social, posto de saúde, polícia. 

Quem pode ajudar a escola quando uma tragédia acontece com membros da comunidade escolar?

Se a escola já possui uma rede de apoio, ela pode ser ativada para auxiliar no acolhimento e ações de posvenção. A rede de apoio pode ser composta, por exemplo, pela própria comunidade externa (famílias, indivíduos e organizações no entorno da escola), instituições que desenvolvem projetos e ações na escola, parcerias com atendimento psicológico e outros serviços públicos de saúde.

Caso a escola não possua essa rede, ela pode fazer um chamado à comunidade ou mesmo pedir orientações e auxílio da secretaria de Educação. O episódio em que dois ex-alunos armados invadiram a Escola Estadual Professor Raul Brasil, em Suzano (SP), deixando 10 mortos (incluindo os atiradores) e 10 feridos, mobilizou diversos segmentos da sociedade para trabalhar em ações de acolhimento e posvenção. Apesar da chacina não se tratar de uma violência autoprovocada (como cutting e suicídio), mas, sim, interpessoal (contra outras pessoas), ela pode dar indício do tipo de rede de apoio que a escola pode trabalhar e ações a serem desenvolvidas.

No retorno depois da tragédia, uma das principais ações de acolhida da Raul Brasil foi o apoio psicológico, com atendimentos individuais e rodas de conversa para que as pessoas pudessem compartilhar seus pensamentos e angústias em relação ao acontecimento. Além do apoio da secretaria estadual de Educação e da prefeitura de Suzano, a escola contou com entidades parceiras, como a Universidade de São Paulo (USP) e o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) da prefeitura. Os apoios aconteceram nas áreas da saúde mental, justiça restaurativa e atividades recreativas, como a terapia com cães, esportes, apresentações artísticas e homenagens com balões brancos. 

Autolesão provocada é a mesma coisa que tentativa de suicídio?

Não. As tentativas de suicídio (aquelas lesões consideradas de grande potência letal) podem ser consideradas uma autolesão provocada – registro que se tornou obrigatório no Brasil desde 2011. No entanto, nem toda automutilação (comum entre os adolescentes) possui uma intenção letal por trás dela.  De 2011 a 2016, foram registradas 176.226 lesões autoprovocadas no país. Destas, 27,4% se tratavam de tentativas de suicídio.

Minha escola não possui histórico de casos de suicídio, no entanto, muitos alunos praticam a automutilação (cutting). Devo chamar a atenção do aluno?

Quando o assunto é um tabu, chamar a atenção, julgar, agir com preconceito ou implicância, geralmente possui um efeito reverso ao desejado. A abordagem em uma situação delicada precisa ser no sentido de criar um espaço de confiança em que a criança ou adolescente possa se abrir. O propósito deve ser criar um diálogo e não repreender e minar as possibilidades de um adulto auxiliar na situação. Casos de cutting são frequentes dos 10 até os 25 anos e precisam de atenção. Pesquisas estimam que 20% dos jovens já se automutilaram pelo menos uma vez. Ações de pré e posvenção podem ser usadas como estratégias pela escola.

O bullying tem alguma coisa a ver com essa história toda?

Em alguns casos, sim. Alguns dos alunos que praticam cutting ou se suicidam possuem histórico de vivências em que eles não se sentem pertencentes ou aceitos nos espaços que frequentam. No entanto, não é possível generalizar que os alunos que sofrem bullying são (ou serão) adeptos dessas práticas. Apesar disso, ações que atuam no clima escolar e no desenvolvimento das competências socioemocionais podem ajudar não só a minimizar casos de bullying como evitar que eles evoluam para esferas maiores. É necessário ressaltar, porém, que o bullying é um tema que exige atenção e ação da escola, independente das discussões de saúde mental. 

Quando o assunto é saúde emocional, que comportamentos das crianças e adolescentes exigem atenção do educador?

Isolamento, crises de choro, automutilação (ou uso de roupas de mangas longas em temperaturas altas, que podem ser usadas para esconder os cortes da mutilação), tristeza, agressividade e afastamento são alguns sintomas de que algo pode estar errado. Também é interessante observar se o aluno está tendo mudanças de comportamento, como perda de prazer em atividades que gosta ou queda no rendimento escolar sem um motivo aparente. Identificar essas características não fecham um diagnóstico de ansiedade, depressão ou propensão ao suicídio. No entanto, elas podem auxiliar na identificação de casos de bullying ou de outras situações que não estão bem na vida escolar ou pessoal do aluno e que podem, futuramente, gerar outras consequências para a saúde mental. Casos de cutting, por exemplo, costumam estar relacionados com a falta de preparo emocional para lidar com sentimentos como raiva, desespero, aflição ou pressão. A automutilação acaba sendo um “escape” para aliviar os sentimentos.

Como posso saber mais sobre setembro amarelo, suicídio e automutilação?

Devido ao crescimento de suicídios entre crianças e jovens em idade escolar, NOVA ESCOLA e NOVA ESCOLA GESTÃO têm acompanhado mais de perto esse tema nos últimos três anos. Em nossos sites, você pode encontrar uma série de conteúdos que podem te auxiliar no entendimento do tema e inspirar ideias de ações para sua escola: 

.

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias

Tags

Guias