Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Educomunicação: o que é e como usar na sua aula

Fazendo uso da Educomunicação, o professor pode desenvolver várias atividades com os estudantes, desde a criação de uma rádio, de um jornal interativo até entrevistas com podcasts

POR:
Débora Garofalo
Estudantes aproveitam recursos de mídias digitais para fazer programas em vídeo, produzir podcasts e entrevistas em texto   Crédito: Getty Images

Você já observou como seus alunos estão cada dia mais conectados e aprendendo a partir de recursos audiovisuais? Dar voz aos estudantes e envolvê-los no processo de aprendizagem de pertencimento através da Educomunicação é essencial para dar sentido às atividades e ao currículo escolar.

A Educomunicação propõe uma intervenção a partir de Educação para a mídia, ou seja, o professor e os estudantes desenvolvem em sala de aula conteúdos educativos, fazendo a gestão democrática das mídias práticas de ecossistemas comunicativos abertos e criativos.

LEIA MAIS   Jogos digitais e alfabetização: como dar mais dinamismo ao aprendizado

A Educomunicação possibilita ampliar o diálogo, a participação e a criatividade

em espaços formais e informais de aprendizagem. Dentro do ambiente escolar, suas ações ampliam capacidade de expressão dos estudantes e também estimulam o pensamento crítico sobre as informações que eles consomem diariamente nos veículos de comunicação. Além disso, as crianças e adolescentes também podem ser protagonistas na produção dos seus próprios conteúdos. 

Beneficios da Educomunicação na aprendizagem

Para levar a Educomunicação para a sala de aula, convidamos o professor Carlos Alberto Lima para comentar possibilidades e falar sobre o trabalho realizado na Rede Municipal de Ensino de São Paulo. O trabalho do professor Carlos tem foco nas ações destinadas a criar e desenvolver ecossistemas comunicativos, abertos e criativos, em espaços educativos mediados pelas linguagens e processos da comunicação, garantindo aprendizagens e a liberdade de expressão.

LEIA MAIS   Tecnologia #vidareal: como aproveitar melhor o que você já tem na escola

SAIBA MAIS

Aplicativo do Núcleo de Educomunicação da Rede Municipal de Ensino  http://app.vc/educomsme

Educomunicação: o conceito, o profissional, a aplicação: Contribuições para a reforma de Ensino Médio – Editora Paulínias - Ismar De Oliveira Soares

Lei 13.941/2004 – Programa Educom – Educomunicação pelas Ondas do Rádio

“A sala de aula é um espaço para as relações humanas”, diz o professor Carlos Alberto Lima. “É também um território dedicado à apropriação, construção e produção de conhecimento”. A proposta da Educomunicação para as aulas é exatamente alinhar relações humanas e aprendizagem.

As linguagens de comunicação e as tecnologias midiáticas têm papel fundamental nos processos educomunicativos. “São meios para que os estudantes possam expressar a sua criatividade, desenvolver a comunicação, engajar-se coletivamente e integrar suas impressões e pontos de vistas no processo de construção do conhecimento e autoria”, diz Carlos.

LEIA MAIS   Estratégias inteligentes de leitura para gêneros digitais

Alunos do projeto Imprensa Jovem entrevistam o criador Mauricio de sousa e o craque do futebol Edson Arantes do Nascimento, o Pelé   Crédito: Acervo pessoal Carlos Alberto Lima

Educomunicação na prática

Segundo o professor Carlos Lima, o rádio na sala de aula e a produção audiovisual, jornalística e fotográfica são propostas que geram participação e processos balizados pela pedagogia de projetos. O estudante “se sente protagonista” ao mesmo tempo que entende o valor da sua colaboração e do colega no planejamento e produção da atividade.

Na sala de aula, muitas atividades podem ser desenvolvidas com os estudantes, desde a criação de uma rádio, de um jornal interativo, passando por podcasts com entrevistas, usando recursos gratuitos como audacity, blogs e recursos como o celular, aos quais o estudante pode recorrer.

LEIA MAIS   Como a aprendizagem criativa pode alavancar o processo de ensino e aprendizagem

O professor enfatiza que é preciso criar ambiência na sala de aula que propicie o diálogo e a interação entre estudantes e dos estudantes com o professor. A participação do professor como mediador do processo é fundamental para a fruição da proposta nas aulas. 

“A Educomunicação cria oportunidades de integrar conteúdos curriculares com as percepções de mundo dos estudantes”, afirma o professor. “Os alunos podem aproveitar a oportunidade para desenvolver intervenções sociais na comunidade por meio da produção de vídeos, programa de rádio, jornal estudantil, jornal comunitário, postagem de matérias jornalística nas redes sociais da escola, realização de mostras fotográficas e realização de cineclubes para atender a comunidade escolar”.

Estudantes do Fundamental trabalham na criação de programas em vídeo   Crédito: Acervo pessoal Carlos Lima

Recursos digitais em sala de aula

O professor pode desenvolver diversos projetos com os estudantes para apoiar o processo de construção do conhecimento e autoria. Os alunos podem utilizar tecnologias móveis, como celulares e tablets, como aliados na construção da mídia – para acessar e pesquisas conteúdos, gravar áudio, produzir imagem, vídeo e texto. Os estudantes serão capazes de criar vídeos e podcasts para postar nas redes, chegando a projetos como mostras virtuais de imagens. 

Os benefícios são muitos para a aprendizagem. Os alunos exercitam a leitura, a compreensão textual, trabalham com diferentes gêneros textuais e ainda diversas formas de comunicação verbal, não verbal e textos multimodais. Eles desenvolvem seu senso crítico em entrevistas e ficam conectados com o mundo a partir de suas visões ao criar pautas e trabalhar com temais atuais.

Com ferramentas digitais, os estudantes podem recorrer a editores de áudio, de vídeo como VSDC ou OpenShot, de imagem GIMP, diagramadores para editoração de jornal ou revista Scribus ou Publisher, produção de história em quadrinhos Hagaquê e de criação de vídeo de animação Muan. São aplicativos gratuitos que podem transformar as aulas em um centro de produção de mídia.

 

E você, querido professor, como trabalha com a Educomunicação em suas aulas. Conte aqui nos comentários.

 

Um abraço,

Débora Garofalo é Assessora Especial de Tecnologias da Secretaria Estadual de Educação de São Paulo (SEE SP) e professora da rede pública de ensino de São Paulo. Formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e uma das dez finalistas do Global Teacher Prize, o Nobel da Educação.

Carlos Lima é professor da Rede Municipal de Ensino de São Paulo, atua desde 2006 na Secretaria Municipal de Educação de São Paulo como Coordenador do Núcleo de Educomunicação. Radialista, especialista em Educomunicação formado pela ECA/USP e em Letras pela Unicsul, desenvolveu os projetos Rádio Escolar em 1999 e Imprensa Jovem em 2005. Atuou como conselheiro Municipal de Ciência Tecnologia e Inovação na cidade de São Paulo. Ganhador do prêmio Mariazinha Fusari de Educomunuicação da ECA USP e vencedor e do prêmio Aprendizagem Criativa do MIT com o Programa Imprensa Jovem – Criando Agências de Notícia.