Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Yoga: entenda por que essa prática pode ajudar a reduzir ansiedade e estresse

O yoga é uma prática milenar que apresenta benefícios comprovados para a saúde, como o aumento da capacidade de concentração. Saiba mais sobre essa técnica que vai muito além da prática física

POR:
Ana Carolina C D'Agostini
Prática da yoga permite cultivar o autoconhecimento    Crédito: Getty Images

Em 2017, o Sistema Único de Saúde (SUS) incorporou 11 novas terapias, dentre elas o ioga ou yoga. A inclusão de Práticas Integrativas e Complementares como política nacional era parte de uma estratégia de prevenção de saúde: permitir que toda a população tivesse acesso gratuito a essas terapias. E faz parte de um movimento maior, que hoje engloba diversas escolas no país – públicas e particulares – que já oferecem yoga como prática na escola, tanto para alunos como para professores. Algumas, inclusive, têm parceria com a Secretaria de Saúde de sua região. 

LEIA MAIS   Meditação nas escolas: é sério que dá para fazer?

O que é yoga?

O yoga nasceu na Índia e a palavra é derivada do sânscrito, língua na qual foram escritos os textos originais que conceituam essa prática milenar.  A palavra yoga tem mais de um significado e o mais utilizado é "união", porém também pode ser compreendido como "método" ou "caminho". Apesar de ter influenciado algumas religiões presentes na Índia como a budista, hinduísta e jainista, o yoga não é uma religião e seus princípios e práticas podem ser seguidos por qualquer um.

LEIA MAIS   Aprenda a reduzir o estresse na sua vida

Qual é a proposta do yoga

A proposta do yoga é o autoconhecimento: pela prática do yoga, a ideia é que o indivíduo se desenvolva em diversas dimensões por meio da prática física dos asanas (ou posturas), das práticas respiratórias (pranayamas), da meditação (dhyana) e da limpeza corporal (kriyas). Os benefícios da prática regular de yoga apontam para a redução da ansiedade e do estresse, o aumento da capacidade de concentração, melhoria no sono e no quadro geral na saúde. Por conta desses benefícios e por envolver também uma série de princípios filosóficos, o yoga pode ser incorporado à escola.

LEIA MAIS   Como inserir poucos (mas bons) hábitos em sua rotina

Princípios filosóficos do yoga

Um dos princípios filosóficos é o da Não-Violência, ou Ahimsa em sânscrito. A Não-Violência inclui a contenção ou restrição de qualquer forma de violência contra si mesmo e com os outros, o que se assemelha aos conceitos de cultura de paz na escola. A Não-Violência pede compaixão consigo mesmo e com os demais, pede também respeito, abertura, compreensão, paciência, amor próprio, bondade e tolerância ao aceitar outros pontos de vista.

Já o princípio filosófico do Autoestudo, ou Svadhyaya em sânscrito, propõe o autoconhecimento de nossos pensamentos, emoções e experiências que constituem quem somos de maneira única. A identidade de cada um de nós muitas vezes não é tão clara devido aos traumas que vivemos, dos medos que sentimos, dos julgamentos que recebemos ou rótulos que nos são dados. Esse princípio nos convida a aceitar quem somos, incluindo os nossos defeitos, para que assim também possamos aceitar as outras pessoas em sua integridade. Quando nos tornamos capazes de nos aceitar integralmente, nós nos tornamos mais hábeis a desenvolver empatia e compaixão.

O princípio de Concentração, ou Dharana, é um dos mais associados ao bem-estar. Aponta para um estado no qual a concentração está focada em um único ponto e seria o conceito inimigo das tarefas múltiplas, no qual nos sentimos completamente absorvidos por algo que estamos fazendo.

Outro princípio filosófico é o da Disciplina, ou Tapas em sânscrito. A vontade de trabalhar ou de realizar tarefas com disciplina, ânimo e grande vontade de aprender constituem esse princípio. A Disciplina pode ser aplicada a qualquer situação em que queremos que algo “aconteça” em nossas vidas: tocar um instrumento musical, mudar um traço de nossa personalidade, desenvolver hábitos mais saudáveis, melhorar a relação pessoal com alguém próximo, ou aprender um novo idioma. O yoga diz que devemos estar comprometidos com a nossa prática, independentemente de qual seja, criando ao menos uma ação a ser feita todos os dias para nos aproximarmos desse objetivo, nem que seja por 10 minutos. 

LEIA MAIS   Bem-estar do professor melhora o desempenho dos alunos

Yoga na escola

O Centro Educacional Gesner Teixeira, cidade próxima a Brasília (DF), desenvolveu em parceria com a Secretaria de Educação e a Secretaria de Saúde do município o Projeto Cuidado, que inclui estratégias de cuidado emocional, mediação de conflitos e terapias comunitárias gratuitas para alunos de 13 a 17 anos. O programa nasceu como uma diretriz do Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola frente a situações de violência que estavam ocorrendo ali. Dentre as iniciativas, os profissionais da Secretaria de Saúde do Gama oferecem alternativas gratuitas para o desenvolvimento de projetos de Saúde Integrativa em escolas públicas, tais como arterapia, automassagem, dança e yoga.

 

O yoga, portanto, propõe práticas que vão além das ações físicas e nos convida a um constante processo de autoconhecimento e desenvolvimento pessoal. Para aqueles que são adeptos do yoga, cabe questionar como os demais princípios estão sendo incorporados à vida pessoal e nos ambientes dos quais fazemos parte.

 

Ana Carolina C. D'Agostini é psicóloga e pedagoga com formação pela PUC-SP, especialização em psicologia pela Universidade Federal de São Paulo e mestre em Psicologia da Educação pela Columbia University. Trabalha com projetos em competências socioemocionais e é consultora do projeto de Saúde Emocional da Nova Escola. 

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias

Tags

Guias