Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Autismo: como desenvolver a comunicação e relação com o outro

Comunicar-se não tem só a ver com a habilidade de falar e um bom trabalho envolve mais do que fonoaudiologia

POR:
Beatriz Vichessi
Crédito: Getty Images

Quando tratamos de comunicação no universo do Transtorno do Espectro Autista (TEA), um dos pilares alterados geralmente diagnosticados em muitas pessoas autistas é o do comportamento verbal, que diz respeito a se comunicar com o outro, não necessariamente por meio da fala. Levando em conta que justamente a relação com o outro é um dos pontos de atenção no desenvolvimento de pessoas com autismo, é preciso investir nessa questão desde a infância. Existem terapias para trabalhar o comportamento verbal. A fonoaudiologia é a área, por excelência, para lidar com isso, mas não a única: o trabalho em parceria com uma equipe multidisciplinar é sempre importante.

LEIA MAIS   Autismo: como funciona e quais os benefícios da terapia ocupacional

Para saber mais sobre o tema, confira as respostas dadas por Andréa Fonseca, psicóloga, doutora e mestra em Teoria e Pesquisa do Comportamento pela Universidade Federal do Pará (UFPA) e diretora da clínica Link Soluções Comportamentais, em Belém; Thais Priore Romano, analista do comportamento e supervisora da equipe transdisciplinar do Grupo Gradual, na capital paulista; e Jullie Gottschall, fonoaudióloga, responsável pela área da fonoaudiologia na equipe transdisciplinar do Grupo Gradual. 

LEIA MAIS Autismo: conheça o PRT e Denver, duas abordagens para trabalhar com crianças com autismo

1. O que é comportamento verbal?

Trata-se de um comportamento descrito pelo psicólogo comportamental norte-americano Burrhus Frederic Skinner (B.F. Skinner) e diz respeito, de maneira geral, à comunicação com o outro e suas funções, necessariamente. Confira os principais operantes verbais descritos e note que todos são mediados pelo outro:

  • Tato (comportamento de nomear): por meio do tato, as pessoas descrevem os aspectos do ambiente, nomeiam pessoas, objetos, características e eventos. Por exemplo: criança vê água e nomeia para o ouvinte “água”.
  • Mando (comportamento de pedir): descreve pedidos, ordens, solicitações. Por exemplo: a criança está com sede, fala “água” e recebe a água do ouvinte.
  • Ecoico (comportamento de repetir): da habilidade de repetir verbalmente produções vocais. Esse é o primeiro operante verbal adquirido pelas crianças. Por exemplo: o parceiro de comunicação fala “água” e a criança repete “água”.
  • Intraverbal (comportamento de responder ao ouvinte): relacionado à habilidade de responder, completar, participar de diálogos. Por exemplo: o parceiro de comunicação fala “o que você tem no copo?”, e a criança responde “água”.

2. O que os estudiosos observam no comportamento verbal de pessoas autistas?

Uma das características do TEA está relacionada aos déficits persistentes na comunicação social e interação social que aparecem desde a primeira infância. A dificuldade de comunicação ou a ausência da habilidade de se comunicar pode aumentar e agravar os chamados comportamentos disruptivos. Além disso, dada a abrangência da dificuldade na comunicação, há casos em que as crianças autistas falam, mas isso não quer dizer que se comunicam. É possível ainda que os problemas de comunicação se manifestem por meio de falas repetitivas ou sem sentido ou ainda de discursos empregados de forma equivocada ainda que bem elaborados, conhecidos como ecolalias.

Por conta disso tudo, embora o comportamento verbal seja aprendido naturalmente no dia a dia por crianças neurotípicas, para crianças autistas ele precisa ser ensinado, muitas vezes, de forma sistematizada, inclusive para as não vocais (ou seja, para que as que não falam).

3. Qual o papel do trabalho do fonoaudiólogo no desenvolvimento do comportamento verbal?

O fonoaudiólogo tem um papel fundamental na avaliação e na intervenção do comportamento verbal. É esse profissional que auxilia no diagnóstico diferencial, dando apoio à equipe multidisciplinar para entender os atrasos na linguagem e na fala, pois é muito comum problemas envolvendo questões motoras na fala. O principal foco terapêutico com as crianças com TEA é despertar o interesse pela comunicação, a iniciativa de comunicação, os aspectos suprasegmentais de linguagem (como reconhecer expressões faciais) e a fala (se alterada).

Vale ressaltar que, quando há questões de fala, apenas o fonoaudiólogo pode intervir aplicando técnicas específicas para o desenvolvimento de fala. Uma queixa muito comum tem a ver com crianças que, para pedir que uma porta seja aberta, pegam a mão de um adulto e o leva até a porta, em vez de pedirem a ele que abra a porta. É o chamado mando mecânico. Conforme já explicado, o mando é um operante verbal que exige a mediação do outro e o fonoaudiólogo trabalha para estimular essa comunicação de forma mais assertiva.

4. O que é possível fazer para contribuir com o desenvolvimento de crianças autistas que não falam?

Alguns estudos revelam que cerca de 25% de crianças autistas são não-vocais, não falam. Para trabalhar com elas, pode ser usada, dentre outras possibilidades, a chamada comunicação alternativa. Um exemplo é o Sistema de Comunicação por Troca de Figuras (do inglês, Pictures Exchange Communication System®, PECS®).

5. Em que consiste o PECS®?

É um sistema de comunicação alternativa e aumentativa desenvolvido nos Estados Unidos em 1985 por Andy Bondy e Lori Frost, que foi implementado pela primeira vez com crianças autistas de pré-escola no Programa de Autismo de Delaware. Seu principal objetivo é ensinar comunicação funcional. Há evidências que algumas crianças que usam o PECS® também desenvolvem a fala. Basicamente, com esse sistema, a criança aprende a se comunicar com outras pessoas usando placas com figuras que indicam o que ela quer. Essas placas ficam em uma pasta que ela leva para onde for. Em ambientes como a escola e a casa onde mora, ficam expostas nos diversos cômodos, para que ela as aponte com facilidade e comunique suas vontades e necessidades. As pessoas à volta dela usam as placas para se comunicar com ela também, se necessário.

O ensino do PECS® tem como base o livro Comportamento Verbal, de B.F. Skinner, e os procedimentos da Análise de Comportamento Aplicada (ABA). O PECS® é composto por seis fases, quando são ensinados todos os operantes verbais de forma gradativa. No início, o indivíduo é ensinado a dar uma única figura de um item ou ação desejada para o chamado “parceiro de comunicação”, que imediatamente responda a ele, fazendo a troca da figura pelo que lhe foi pedido. Mais adiante, é ensinada a discriminação de figuras e como juntá-las em frases. Nas fases mais avançadas, aprende a responder perguntas e fazer comentários.

6. O uso do sistema PEC® causa dependência?

Não, se orientado por profissionais capacitados e com formação específica, que sabem identificar quando a criança já tem condições de não fazer mais uso do sistema.  Sabem também a importância de trabalhar as questões de fala em paralelo ao sistema para ter um resultado eficaz na comunicação. Ainda assim, é preciso destacar que nos casos de crianças em que a fala emerge, elas passam a se comunicar de forma funcional e deixam de usar o PECS®; no entanto, crianças não-vocais vão precisar do PECS® ou de outra forma de comunicação para o resto da vida.

7. Autistas que não falam têm condições de serem alfabetizados?

Sim. A alfabetização é a habilidade de decodificar e compreender um código - e para esse processo não é necessário a fala. As crianças não-vocais podem conseguir decodificar e compreender o código escrito.

 

Tags

Guias