Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Saiba | Formação inicial


Por: Tory Helena

Como saber se um curso EaD é de qualidade?

Matrículas em licenciaturas a distância em instituições privadas cresceram 1.500% nos últimos 10 anos

O Brasil observou, nos últimos anos, expressivo aumento nos cursos dedicados à formação de professores. Na Pedagogia, a proporção de estudantes cresceu 164%, ao passo que, nas demais licenciaturas, o aumento foi de 104%, segundo o livro Professores do Brasil. Apesar de atrelado, em parte, às políticas que ampliaram e subsidiaram a oferta dos cursos superiores nessa área, a expansão aconteceu, sobretudo, por meio de instituições privadas. Outra grande transformação aconteceu na modalidade ofertada: 42% dos alunos das licenciaturas estudavam a distância em 2016. Na Pedagogia, a taxa é de 52%. Os números são impressionantes: aumento de 1.500% nas licenciaturas em geral e17.735% na Pedagogia ofertada a distância entre 2001 e 2016. Especialistas apontaram, porém, que o problema não é o curso ser ofertado na modalidade EaD, mas, sim, a qualidade da formação recebida. Saiba mais abaixo:

A DISTÂNCIA, MAS COM QUALIDADE
Como avaliar se o curso é de boa qualidade e oferecerá uma boa formação para quem quer ser professor

1) Está credenciado?
Verifique se a instituição está autorizada pelo MEC a ofertar o curso. Recomenda-se também saber a nota dada ao curso pelo ministério.


2) O que falam sobre o curso?
O curso é novo ou já há turmas formadas? Tente descobrir o que os ex-alunos têm a dizer sobre a experiência.


3) Quem ensina?
Analise o corpo docente: Informações sobre quem são os professores e suas qualificações podem ser encontradas no Currículo Lattes.


4) Investigue
Como o curso será desenvolvido: qual é a metodologia? Como são os encontros presenciais? Como será o estágio? Em quais escolas? Quem é o tutor responsável pela mediação?


5) Serve para mim?
O valor mais acessível, a flexibilidade do horário e a economia no tempo de deslocamento podem contar para um bom custo-benefício, mas é preciso disciplina, resiliência e foco para tocar os estudos.

Fontes: Renato Bulcão (Unip), Maria Elizabeth Almeida (PUC-SP) e Daniela Ramos (UFSC)

O QUE DIZ QUEM SE FORMOU VIA EAD

“Fiz bom proveito porque não me limitei aos encontros e aos trabalhos sugeridos. Pesquisei e me aprofundei por conta própria”
Marina Nabarrete Bastos, professora na em Sebastiana Bittencourt, em São Sebastião - Sp

“Foi bom, gostei da metodologia e o material era extenso. O que a gente perde, talvez, é a troca com os colegas”
Jaqueline Sousa, Pedagoga e técnica da Secretaria De Educação de Nova Serrana - MG

Ilustrações: Rodrigo Damati