Salário do professor é 30% menor que média de profissionais com mesma escolaridade

Anuário da Educação aponta desafios para melhorar a Educação no Brasil e analisa em que ponto estamos das metas do PNE

POR:
Paula Salas
Crédito: Getty Images

Em média, um professor de Educação Básica com Ensino Superior recebe R$ 3.823. Se comparado com a remuneração média de profissionais com a mesma escolaridade, esse valor representa apenas 69,8% do que poderia ser o salário ideal. A disparidade é ainda maior se comparado com profissionais da área de Exatas ou de Saúde - com a diferença na ordem de 50%, ou seja, metade do salário. Esses dados fazem parte do Anuário Brasileiro da Educação Básica 2019, iniciativa do Todos Pela Educação com a Editora Moderna. 

A publicação traz, desde 2012, indicadores educacionais, analisa as políticas públicas prioritárias e aponta os desafios para avançar na qualidade da Educação Básica brasileira. Ao analisar a meta 17 do Plano Nacional de Educação (PNE), que busca valorizar professores das redes públicas da Educação Básica, fica evidente que as políticas públicas ainda estão longe de equiparar o rendimento médio de professores ao de profissionais com escolaridade equivalente. Pela meta, isso deveria acontecer até 2020. 

LEIA MAIS: De pedreiro a Uber: o malabarismo para viver com os salários do magistério

O Anuário da Educação, que segue o PNE, reforça a importância de retomar e reforçar os esforços para o cumprimento das metas – até para afastar a desigualdade que é uma das marcas no país. Isso fica claro ao analisar a situação em municípios. Enquanto a receita vinculada à Educação, em 2015, num município do Rio Grande do Sul era de R$ 19.5 mil aluno/ano, uma cidade maranhense contava com apenas R$ 2,9 mil. Isto é, quase 7 vezes menos. 

O QUE O ESTUDO MOSTRA?
Além de posicionar o país em relação às metas, a pesquisa faz um recorte que demonstra as disparidades por região, localidade, renda e raça/cor. Vejas alguns dados encontrados no Anuário:

- A Meta 3 do PNE prevê que, até 2022, pelo menos 70% dos estudantes estejam aprendendo o que é adequado para o seu ano. No entanto, no Fundamental 2, 39,5% têm aprendizagem adequada em Língua Portuguesa e 21,5%, em Matemática. Esse número se agrava no Ensino Médio, quando os índices caem para 29,1% e 9,1%, respectivamente.

- A Meta 16 é referente à formação do professor tem como objetivo, até 2024, formar 50% dos professores da Educação Básica em nível de pós-graduação. Atualmente, 36.9% dos professores brasileiros têm pós-graduação. Mas ao analisar os estados identifica-se que o cenário mais grave é marcado pela desigualdade entre os estados. No Maranhão, 26,6% dos professores têm pós-graduação, enquanto no Espírito Santo esse número sobre para 78,4%. No entanto, o desafio da desigualdade é anterior: 57% dos professores maranhenses têm Ensino Superior, enquanto entre os capixabas esse número é de 94,3%.

Veja também onde o Brasil está em relação às metas de primeira infância, Ensino Médio, alfabetização, Base Nacional Comum Curricular, carreira e valorização docente, governança e financiamento da Educação. Para conferir o material, clique aqui!

Tags

Guias