Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

5 motivos para inserir programação e robótica no currículo escolar

Elas ajudam no desenvolvimento de habilidades para resoluções problemas reais e das competências socioemocionais

POR:
Débora Garofalo
Crédito: Acervo pessoal Débora Garofalo

Em muitos países, programação é ensinada como uma segunda língua – a linguagem de programação. Não muito diferente ocorre com o ensino de robótica. A Academia de Robótica, nos Estados Unidos, por exemplo, tem o objetivo de ensiná-la nas escolas de Educação Básica.

LEIA MAIS Robótica: como construir protótipos usando recursos de baixo custo

Uma das minhas lutas pessoais enquanto educadora é transformar o ensino de programação e de robótica em uma política pública. A sua incorporação ao currículo brasileiro traria os benefícios de explorar essa linguagem, como o trabalho com resoluções problemas reais, colaboração, empatia e outras competências socioemocionais.

O ensino tem que ser acompanhado de uma metodologia ativa, capaz de aguçar, desafiar e despertar a aprendizagem ao propor que os alunos saiam da passividade e assumam o centro do processo de aprendizagem.

Programação e robótica

O ensino de programação está relacionado ao ensino de robótica (por exemplo, para criar orientações para que os robôs se mexam). Porém, há muitas vertentes a serem exploradas quando estamos trabalhando a programação – incluindo de forma offline. O ensino pode inclusive se iniciar de forma desplugada (aquele realizado longe de um computador) e abarcar muitas variáveis do currículo. No ensino através de um programação, muitas outras possibilidades estão à disposição:  trabalhar gifs, narrativas digitais, jogos... e a programação para ser repassada para a placa programável, aquela que dará vida a um protótipo.
 

INDICAÇÕES PARA EXPLORAR

Ensinando ciência da computação sem o computador”, livro gratuito em PDF sobre programação desplugada

Scratch, site que está em sua versão 3.0. O site possui muitas dicas e uma comunidade para remixar projetos

Code org., plataforma para trabalhar de forma lúdica a programação


Já o ensino de robótica trabalha a automação, que possui uma unidade de processamento, sensores para perceber seu ambiente, motores e atuadores (para mover seus membros e/ou rodas), seguindo instruções programadas. É um aprendizado que perpassa pelas mãos, com aprendizagem criativa, que mexe com o raciocínio lógico, capaz de dar soluções à vida cotidiana e ao próprio currículo. A robótica pode ser desenvolvida através de um kit específico e ou materiais não estruturados (saiba mais aqui).

Abaixo, compartilho 5 motivos inserir a programação e o ensino de robótica nas aulas:

1 - Desperta para a aprendizagem criativa

Ambos são capazes de alavancar a aprendizagem, tornando-o envolvente e significativo. Isso acontece porque são formas de aprender que permitem que a criatividade e a inventividade estejam presentes em todo o momento. Não é algo só para as exatas: programação e robótica podem ser trabalhadas em qualquer área do conhecimento e de forma interdisciplinar.

2-  A robótica ajuda a compreender a programação

Ao dar vida aos protótipos, a lógica de programação (que parece ser algo abstrato), ganha uma outra percepção. Desenvolver seus próprios protótipos permite aos alunos compreenderem de forma lúdica o que está por trás dos funcionamentos dos objetos. Esse encantamento vai além do simples “aprender na prática o funcionamento de um algoritmo”. Ele permite que os estudantes compreendam como a lógica da programação se transforma em projetos reais.

3 – A robótica auxilia a compreender o mercado de trabalho

Já vivemos a indústria 4.0. Trabalhar a robótica é oportunizar que os alunos tenham possibilidade de se adaptar a um mercado que cada dia está mais tecnológico e para que possam ocupar boas posições. Há vivência, ainda na Educação Básica, de competências necessárias ao mundo do trabalho, como colaboração, empatia, resoluções de problemas. O desenvolvimento dessas competências permite que eles não sejam apenas consumidores, mas também produtores de tecnologia.

4 – Desenvolve as competências socioemocionais

Por si só, o ensino de programação e robótica tem como premissa a colaboração, a troca de ideias, a resoluções de problemas para desenvolver projetos e avançar com os desafios que surgem ao longo do percurso. Os alunos terão de resolver conflitos, trabalhar com questões e valores para avançar em seus protótipos, aprendendo a descordar e a lidar com angústias, frustações, divergências de opiniões, ansiedade...

 – Ajuda a desmitificar o uso das tecnologias.

Precisamos compreender que a tecnologia não é um fim e sim o meio. Ao trabalhar com projetos mão na massa, estamos olhando a tecnologia por outro prisma ao trabalhar com problemas reais (como a utilização por uma questão social).

E você, querido professor, já experimentou inserir em suas aulas o ensino de programação e de robótica? Como foi? Conte aqui nos comentários e ajude a fomentar práticas docentes.

Um abraço,

Débora Garofalo

Professora da rede Municipal de Ensino de São Paulo, formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, colunista de Tecnologia para o site da NOVA ESCOLA, Vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e Top 10 no Prêmio Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação.

Tags

Guias