Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

AG
Alessandra Gotti

Educação infantil: vamos falar de uma experiência de sucesso na garantia desse direito?

Apesar da pré-escola ser obrigatória desde 2016, 96% das crianças 25% mais ricas estavam na escola nesse período, enquanto esse percentual era de 81,5% para as 25% mais pobres

POR:
Alessandra Gotti
Crédito: Arquivo/Agência Brasil

As experiências vividas na Primeira Infância impactam a arquitetura do cérebro humano. É cientificamente provada a influência dos estímulos nessa etapa da vida no desenvolvimento das capacidades motoras, cognitivas, afetivas e de relacionamento social do ser humano, com repercussão direta no seu desenvolvimento pessoal e profissional.

Não é por acaso que as estratégias de política educacional adotadas mundialmente privilegiam a Educação Infantil como um de seus pilares e, por consequência, uma de suas prioridades. O investimento em Educação nessa etapa da vida tem sido considerado como uma estratégia fundamental de combate estrutural à pobreza e à desigualdade social, sobretudo para as crianças mais vulneráveis cujas famílias têm mais dificuldades em prover estímulos necessários à idade, como defende James Heckman, prêmio Nobel de Economia.

LEIA MAIS   Ensino domiciliar: os pais podem optar por substituir a escola no Brasil?

Partindo dessas evidências, o Plano Nacional de Educação (PNE) previu, em sua Meta 1, a missão de universalizar, até 2016, a Educação Infantil na pré-escola para as crianças de 4 a 5 anos de idade e ampliar a oferta de Educação Infantil em creches de forma a atender, no mínimo, 50% das crianças de até 3 anos até o final da vigência deste PNE, em 2024.

Segundo o Anuário Brasileiro da Educação Básica 2018, do Todos Pela Educação, o percentual de crianças de 0 a 3 anos que frequentavam a creche no Brasil, em 2017, era de 34,1%, enquanto que as crianças que frequentam a pré-escola (4 a 5 anos) totalizavam 93%. Em 2001 esse percentual era, respectivamente, de 13,8% e 66,4%.

Embora importantes avanços tenham ocorrido nas últimas décadas, há um grande caminho pela frente, especialmente para garantir uma maior equidade nas oportunidades educacionais.

Crédito: Arquivo/Agência Brasil

O desafio da equidade educacional

Enquanto 55% das crianças 25% mais ricas estavam na creche em 2017, esse percentual era de 26% para as 25% mais pobres. E, apesar da pré-escola ser obrigatória desde 2016, 96% das crianças 25% mais ricas estavam na escola nesse período, enquanto esse percentual era de 81,5% para as 25% mais pobres.

A ampliação da rede de atendimento à Educação Infantil é um desafio por si só. Sem um diálogo interinstitucional focado no planejamento e metas progressivas de atendimento, com a participação qualificada da sociedade civil organizada, a judicialização crescente é uma realidade inafastável.

LEIA MAIS   Por que o Fundeb é pauta prioritária em 2019

Se por um lado, as decisões judiciais possuem um impacto positivo e impulsionam a “agenda” de direitos das crianças; de outro lado, a atuação do Poder Judiciário, sem qualquer diálogo com os gestores públicos, traz um grande impacto no planejamento e na execução da política pública de educação, com pouca resolutividade.

Como quantidade de equipamentos não é suficiente para o acolhimento de todas as crianças, a simples determinação, nas ações judiciais que se amontoam no Poder Judiciário, é pouco ou nada eficaz. A rigor as liminares e sentenças concedidas limitam-se a provocar a alteração na ordem de chamada da fila de espera (quanto ela existe), ou seja, “furam” literalmente a ordem cronológica de ingresso das crianças, ampliando-se ainda mais a desigualdade no acesso à educação infantil.

Crédito: Wilson Dias/Agência Brasil

O que fazer para reverter esse quadro?

Certamente não será seguindo o velho roteiro de sempre que essa situação será revertida em um horizonte próximo. É preciso inovar, fazer diferente.

O fenômeno da intensa judicialização por matrículas em creches demanda soluções dialogadas, sobretudo em uma época de sérias restrições orçamentárias.

LEIA MAIS   Os desafios da Educação brasileira em 2019

Soluções inovadoras, como a adotada pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, em 2013, para eliminar a fila de espera na Educação Infantil na capital paulistana, onde, com o espírito visionário do Desembargador Samuel Alves Jr, foi conduzida uma audiência pública e adotada uma decisão estrutural,  têm se mostrado exitosas ao impulsionar a resolução das deficiências da macropolítica, mitigando desigualdades sociais.

Nessa decisão, adotada em uma ação proposta pelas ONGS do Movimento Creche para Todos, foi determinada a elaboração de um plano de expansão pelo Município de São Paulo para criar, no mínimo 150 mil vagas em creches e pré-escolas, no período de 2014 a 2016, de modo a eliminar a fila de espera, garantindo-se, ainda, a qualidade da educação ofertada. De forma inédita, a Coordenadoria da Infância e Juventude, sob a condução do Desembargador Eduardo Gouveia, ficou incumbida de monitorar a criação das vagas, assessorada por um Comitê de Monitoramento interinstitucional, com representação do Sistema de Justiça, sociedade civil organizada e especialistas (1).

Segundo o balanço apresentado pelas ONGs autoras no primeiro ciclo de acompanhamento do plano de expansão, de 2014-2016, foram criadas 89.249 vagas, sendo 72.814 em creches e 16.435 em pré-escolas.

A ampliação do acesso foi eficaz para equacionar o problema da fila de espera na pré-escola, mas não foi suficiente para eliminar o déficit de vagas em creches. Justamente em função da “missão ainda não estar cumprida”, em 2017, foi firmado um novo acordo judicial, que previu a criação de mais 85,5 mil vagas em creches, no quadriênio 2017-2020, nas áreas com maior demanda e vulnerabilidade socioeconômica, além do aprimoramento de critérios de qualidade relacionados à infraestrutura, razão crianças-educador e a formação dos professores em especial na rede conveniada privada, que é responsável por cerca de 80% do atendimento da demanda.

O diálogo em torno das metas do novo ciclo continua a ser conduzido pela Coordenadoria da Infância e Juventude, em reuniões semestrais com a Secretaria Municipal de Educação, assessorada pelo Comitê de Monitoramento que, além das instituições e especialistas que a integravam, passou a contar com a participação do Tribunal de Contas do Município.

Em 2018, quase 5 anos após essa decisão inovadora, a cidade de São Paulo superou a meta 1 do PNE com 61% das crianças de 0-3 anos em creches. Outro avanço relevante é a formação continuada dos professores da rede privada conveniada, que passa a ser feita conjuntamente com os docentes da rede direta a partir de 2019. Isso sem falar que a Defensoria Pública do Estado de São Paulo constatou depois de quase uma década o declínio no ajuizamento de novas ações.

Embora haja muito trabalho pela frente, é importante reconhecer que o saldo é positivo. Ele é fruto do esforço de seguidas gestões municipais, da pressão social e, certamente, do diálogo colaborativo no âmbito do Comitê de Monitoramento, que tornaram a política de educação infantil uma verdadeira política de Estado e não de governo.

Decisões lastreadas no diálogo interinstitucional têm o mérito de fomentar a necessária articulação entre os principais atores responsáveis pela execução e controle de uma determinada política pública, o que facilita a obtenção de soluções mais eficazes e duradouras. Os resultados falam por si.

 

Alessandra Gotti é fundadora e presidente-executiva do Instituto Articule. Advogada e Doutora em Direito Constitucional pela PUC/SP. Consultora da Unesco e Conselho Nacional de Educação.

[1] Comitê de Assessoramento à Coordenadoria da Infância e Juventude era composto, de 2014-2016, pelas seguintes instituições: Ação Educativa; Associação Comunidade Ativa Vila Clara; Centro de Direitos Humanos e Educação Popular de Campo Limpo; Defensoria Pública do Estado de São Paulo; Fórum Municipal de Educação Infantil; Fórum Paulista de Educação Infantil; Instituto de Cidadania Padre Josimo Tavares; Negri – Núcleo de Estudos de gênero, raça e idade;  Grupo de Atuação Especial de Educação do MPSP (GEDUC); Grupo de Trabalho de Educação da Rede Nossa São Paulo; Rubens Naves Santos Junior (Rubens Naves) e Hesketh Advogados (Alessandra Passos Gotti e Ana Cláudia Pires Teixeira).

 

Tags

Guias