Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Weintraub nega bloqueio de verba e diz que está "bem acima da média" dos ministros da Educação

Diante de uma comissão de senadores, o ministro Abraham Weintraub apresentou números para justificar investimentos do MEC

POR:
Camila Cecílio
O ministro da Educação Abraham Weintraub durante audiência na Comissão de Educação do Senado em Brasília   Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Prestes a completar um mês no cargo, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, foi à Comissão de Educação do Senado nesta terça-feira (07/05) para apresentar as diretrizes e os programas prioritários do MEC. Escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga aberta após a demissão de Ricardo Vélez Rodríguez, Weintraub afirmou na audiência que sua gestão será focada na Educação Básica, gestão técnica e baseada em entrega de resultados e reconhecimento por mérito.

Segundo o ministro, a Educação Básica será prioridade do MEC. “A gente aqui no Brasil quis pular etapas, colocou dinheiro demais no teto e esqueceu a base”, afirmou.

LEIA MAIS   Educação domiciliar: os pais podem optar por substituir a escola no Brasil?

O primeiro assunto abordado pelo ministro foi as metas do Plano Nacional de Educação (PNE), apresentando um panorama sobre o ensino no Brasil. Citou, ainda, o Plano Nacional de Alfabetização, investimentos no Ensino Médio, valorização do ensino técnico, e dependeu que o governo descentralize as tomadas de decisão da área.

Sobre os cortes no MEC, anunciados na semana passada, o ministro disse que "não houve corte, não há corte, há um contingenciamento". Ele se referia ao bloqueio de 30% da verba de instituições federais de Ensino Superior. Diante dos senadores, o ministro completou que se trata de uma medida momentânea. "Se a economia tiver um crescimento com a aprovação da nova Previdência, e eu acredito nisso, isso vai retomar a economia. Retomando a dinâmica, aumenta a arrecadação e descontigencia”, disse.

O ministro Abraham Weintraub apresenta dados do Ministério da Educação diante dos senadores da Comissão de Educação em Brasília   Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Segundo Weintraub, o contingenciamento é sobre “uma parte pequena do volume total de despesas” que atinge a parte discricionária das universidades federais. De acordo com o ministro, as 65 universidades federais custam, em média, R$ 1 bilhão e a folha de pagamento e o refeitório estão integralmente preservados.

LEIA MAIS   Por que tantos estudantes de Pedagogia estão sofrendo para pagar a universidade

Ainda sobre as universidades, o ministro disse que pretende dar mais autonomia às universidades, mas que isso não pode ser confundido com o que chamou de “soberania”. “A autonomia universitária não é soberania [...], se tem coisa acontecendo dentro, por que a polícia não pode entrar [nas universidades]? Não tem que ter consumo de drogas, está errado. Sou contra isso”.

Desastre e tragédia

Durante a audiência, o ministro Abraham Weintraub classificou como “desastre” e “tragédia” o Fies, programa de financiamento estudantil criado no governo Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e, posteriormente, reformulado e ampliado na gestão Luiz Inácio Lula da Silva (PT). "É uma tragédia o financiamento estudantil, são 500 mil jovens começando a vida com o nome sujo", destacou. Segundo ele, apenas 13% da produção na área de Ciências Sociais Aplicadas, Humanas e Linguística têm impacto científico, o que justificaria a ideia de reduzir os investimentos nos cursos da área de Humanas para realocá-los em disciplinas de Exatas ou Biologia, como engenharia e medicina. 

"Melhor ministro"

Em resposta ao questionamento do senador Confúncio Moura (MDB-RO) sobre se estaria em condições para conduzir o Ministério da Educação, Weintraub foi enfático ao afirmar que seu currículo está “bem acima da média dos últimos 15 ministros que passaram por lá" e reforçou: "Eu poderia ter entrado na USP aos 14 anos.” 

 

Ensino domiciliar

Weintraub defendeu o projeto de lei que vai tramitar no Congresso e que defende a regularização da Educação domiciliar (homeschooling). O PL está ligado ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos e não ao Ministério da Educação. O ministro reforçou o argumento de Angela Vidal Gandra, secretária da Família, que em entrevista a NOVA ESCOLA defendeu o direito dos pais de educar seus filhos em casa“Quem coloca os filhos no mundo tem que ter a primazia na Educação. […] Se o pai e a mãe estão educando bem os seus filhos, quem somos nós para interferir? Não é o que eu faria para os meus filhos, não foi o que eu fiz. Acho importante a interação [com outras crianças na escola], mas eu tenho que respeitar o direito do próximo para ter o meu respeitado”, afirmou na audiência da Comissão de Educação do Senado.

Abraham Weintraub trocou nome de escritor: virou trending topics no Twitter  Crédito: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O livro de "Kafta"

Durante sua fala na Comissão de Educação, o ministro cometeu uma gafe ao citar que foi alvo de um processo administrativo “inquisitorial e sigiloso” quando lecionou na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Que eu saiba só a Gestapo (polícia do governo de Adolf Hitler) fazia isto, ou no livro do Kafta ou na Gestapo”, afirmou, confundindo o nome do escritor austro-húngaro Franz Kafka com a comida árabe kafta. O erro está repercutindo nas redes sociais e a hashtag #Kafta já está entre os assuntos mais comentados no Twitter nesta terça-feira. 

LEIA MAIS   Como trabalhar "A metamorfose" de Franz Kafka em sala de aula

Na semana passada outra fala do ministro gerou reações nas redes, quando ele insistiu em afirmar, durante coletiva de imprensa, que 7 milhões de crianças seriam avaliadas pelo Saeb ao custo de R$ 500 mil. Mesmo questionado por jornalistas sobre o valor considerado baixo, o ministro manteve a informação. Após a coletiva, o MEC enviou uma nota à imprensa para dizer que o exame, na verdade, custaria R$ 500 milhões.

Veja o vídeo da Comissão de Educação do Senado com apresentação do ministro Abraham Weintraub:

....

Tags

Guias