Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Faltam para:   

Campos de Experiência na prática: como trabalhar “o eu, o outro e o nós” na Educação Infantil

NOVA ESCOLA foi buscar relatos de professores que já colocaram em prática os Campos de Experiência da BNCC da Educação Infantil para inspirar você no seu trabalho

POR:
Lucas Santana
Crédito: Getty Images

Desde que a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) da Educação Infantil tomou forma, NOVA ESCOLA tem se dedicado a criar conteúdos que possam traduzir, desde o planejamento dos coordenadores pedagógicos com os professores até a sala de aula, os conceitos e objetivos apresentados no documento. Para mostrar como os Campos de Experiência podem ser trabalhados com as crianças, fomos buscar exemplos de atividades que possam inspirar professores, gestores e toda a comunidade escolar a fazer a diferença na Educação Infantil com os conceitos propostos nos Campos de Experiência – e que você pode complementar com curso sobre o tema e planos de atividade produzidos pelo nosso Time de Autores.

É importante ressaltar que, como aponta a BNCC e diversos especialistas em Educação, as atividades podem e devem englobar mais de um Campo de Experiência simultaneamente, a depender da criatividade e proposta dos educadores. Aqui, buscamos destacar nos relatos dos educadores aqueles campos que são preponderantes, enfatizando os impactos e possibilidades de cada um deles.

LEIA MAIS   6 planos de atividade para trabalhar os Campos de Experiência

Conheça os 5 Campos de Experiência
Os 5 Campos de Experiência ocupam espaço importante do novo documento da Educação Infantil. São eles:
  1. O eu, o outro e o nós
  2. Corpo, gestos e movimentos
  3. Traços, sons, cores e formas
  4. Escuta, fala, pensamento e imaginação
  5. Espaço, tempo, quantidades, relações e transformações
Crédito: Getty Images

Por que trabalhar os Campos de Experiência

Os Campos de Experiência apresentam uma leitura nova e avançada sobre os objetivos de aprendizagem desde os primeiros anos de vida das crianças. “Os Campos de Experiência se referem à base estrutural pedagógica. São propostas curriculares que devem guiar as escolas com as aprendizagens necessárias para cada série”, explica Andrea Ramal, consultora e doutora em Educação pela PUC-Rio. Para ela, os campos não são apenas uma lista de conteúdos [como se tem no Ensino Fundamental] divididos por disciplinas e ano escolar. “É uma forma de expressar que a Educação precisa ser menos conteudista e mais baseada no desenvolvimento de competências”.

GUIA DA BASE   Baixe o PDF do livro digital da BNCC na Educação Infantil

A BNCC de Educação Infantil altera a concepção de professor e de criança. Nesse sentido, os Campos de Experiência são um convite para que os professores inovem, tenham outro olhar sobre esta etapa do desenvolvimento da pessoa e construam uma Educação diferente. “Isso fica evidente nas dez competências que a BNCC integra ao currículo da Educação Básica. São as competências de que um cidadão do século XXI precisa para viver bem neste mundo”, aponta.

CURSOS   Grátis: Os Campos de Experiência na BNCC da Educação Infantil

CAMPO DE EXPERIÊNCIA: O EU, O OUTRO E O NÓS

É na interação com os pares e com adultos que as crianças vão constituindo um modo próprio de agir, sentir e pensar e vão descobrindo que existem outros modos de vida, pessoas diferentes, com outros pontos de vista. Conforme vivem suas primeiras experiências sociais (na família, na instituição escolar, na coletividade), constroem percepções e questionamentos sobre si e sobre os outros, diferenciando-se e, simultaneamente, identificando- se como seres individuais e sociais. Ao mesmo tempo que participam de relações sociais e de cuidados pessoais, as crianças constroem sua autonomia e senso de autocuidado, de reciprocidade e de interdependência com o meio. Por sua vez, na Educação Infantil, é preciso criar oportunidades para que as crianças entrem em contato com outros grupos sociais e culturais, outros modos de vida, diferentes atitudes, técnicas e rituais de cuidados pessoais e do grupo, costumes, celebrações e narrativas. Nessas experiências, elas podem ampliar o modo de perceber a si mesmas e ao outro, valorizar sua identidade, respeitar os outros e reconhecer as diferenças que nos constituem como seres humanos.

Trecho extraído do documento Base Nacional Comum Curricular

O primeiro dos Campos de Experiência proposto pela BNCC trata sobre a construção da identidade, da subjetividade, das relações interpessoais, do respeito próprio e coletivo, da sensação de pertencimento a um grupo. “Nesse campo, as crianças são convidadas a participar ativamente do processo educativo, incluindo as decisões nos projetos coletivos. Reconhecer seu pertencimento a um grupo social e compreender que há diferentes modos de dizer, de fazer, de querer, de ser, além da importância de respeitar as diferenças”, destaca o educador e autor Wagner Priante, especialista em Arte-Educação pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Para Andrea Ramal, o Campo reflete o olhar da BNCC para a educação voltada ao autoconhecimento e aceitação dos demais. “Reflete o entendimento de que a vida é construída a partir de relacionamentos e de interações. Também envolve aprender a conviver e a trabalhar junto com outros”, analisa a educadora.

PLANOS DE AULA   Educação Infantil: veja planos de atividade que incluem Campos de Experiência

Crédito: Stephen Andrews/Unsplash

Afinal, como conceitos tão vastos e complexos como a identidade, a subjetividade e a coletividade podem ser trabalhados com as crianças? Essas respostas ainda estão sendo construídas por educadores, mas alguns caminhos já estão sendo traçados. “O maior desafio para os professores será aliar seus conteúdos às competências determinadas pela base. Existem competências, como a construção de uma visão crítica e a capacidade de interagir com os outros aceitando a diversidade que não estão ligadas a uma matéria específica. É justamente por conta disso que o professor precisa repensar seu papel e estar atento a toda essa transformação global”, provoca Andrea.

A seguir, reunimos três relatos enviados por professoras de diferentes regiões brasileiras. Neles, as educadoras traduzem, cada uma a seu modo, como “O eu, o outro e nós” podem se tornar atividades ricas e atraentes para as crianças.

A interação com espelhos e latas pedagógicas

IDADE: bebês (0 a 1 ano e 6 meses) e crianças bem pequenas (1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses)

Trouxemos a proposta para os bebês de materiais lúdicos, coloridos e não estruturados que retratassem, através da própria imagem, um sentimento instigador e curioso. Por meio das próprias fotos eles são incentivados a conhecer a si próprios, a conhecer os colegas e suas famílias.

Confeccionei latas encapadas com papel colorido e, no centro das latas, coloquei as fotos das crianças da turma. Eram fotos individuais e coletivas que fui registrando ao longo de um período. O estímulo das latas também era sonoro: coloquei grãos, pedrinhas e tampinhas dentro das latas, que os bebês podiam sacudir, olhar as imagens, empilhar. A experiência foi muito significativa.

Outra proposta foram os espelhos que colocamos na sala. Um deles, colocado no trocador, obteve um resultado magnífico. Os bebês olhavam felizes para o espelho, se identificando. Quando viam a fraldinha suja com cocô, faziam carinha de nojo.

Daniane Santos Miguel Machado, Escola Municipal de Educação Infantil (EMEI) Cara Melada, Canoas (RS)

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM TRABALHADOS

- Perceber que suas ações têm efeitos nas outras crianças e nos outros (EI01EO01);
- Demonstrar atitudes de cuidado e solidariedade na interação com crianças e adultos (EI02EO01);
- Reconhecer seu corpo e expressar suas sensações em momentos de alimentação, higiene, brincadeira e descanso (EI01EO05);
- Perceber que as pessoas têm características físicas diferentes, respeitando essas diferenças (EI02EO05).

APRENDIZADOS

Minha turma é composta por 15 bebês. Recentemente adotamos práticas pedagógicas voltadas para a BNCC e executadas a partir do Referencial Curricular Gaúcho e do Referencial do Município de Canoas. Inseri no planejamento diário um dos Campos de Experiência que tem sido o carro-chefe das nossas proposições: “O eu, o outro e o nós”. Um momento me marcou: um bebê de 8 meses, ao visualizar sua imagem na lata, arregalou os olhinhos e fez aquela expressão de “uau”. Foi lindo de ver. Outra bebê empilhou as latas e, quando conseguiu fazer uma torre, bateu palmas e vibrou com a conquista, isso com o auxílio de suas colegas bebês. A relação deles é incrível.

 .

construindo pontes entre a imaginação das crianças e a participação dos pais

IDADE: crianças bem pequenas (1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses)

Desenvolvemos um projeto chamado ‘Viajando no Mundo da Literatura Infantil’. Trata-se de um convite ao imaginário ao mundo da leitura, com o objetivo de desenvolver a convivência e a familiaridade com os livros e a leitura, de forma a estimular a criação e o registro de histórias.

Todas as semanas temos ‘Sexta-Feira Literária’, em que as narrativas são socializadas com as turmas através da contação das histórias, reconto, desenhos e dramatizações. O projeto foi muito bem com a turma do Maternal I. Nessa turma, às sextas-feiras as crianças levavam para casa algo que chamamos de ‘sacola literária’, contendo o livro escolhido por elas, lápis de cor e um texto informativo sobre o projeto. O objetivo era que os pais ou responsáveis fizessem a leitura para seus filhos. Após a leitura, as crianças fazem um desenho com suas percepções sobre a história e um registro escrito pelos pais sobre esse momento de interação, promovendo, assim, a aproximação das famílias com o CREI através de convites aos pais, mães e avós para contarem histórias, ouvirem ou lerem para seus filhos e colegas.

Adriana Lopes e Roberta Melo de Carvalho, Centro de Referência de Educação Infantil (CREI) Arthur Antônio Belarmino Ferreira - João Pessoa (PB)

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM TRABALHADOS

- Perceber as possibilidades e os limites de seu corpo nas brincadeiras e interações das quais participa (EI01EO02);
- Demonstrar imagem positiva de si e confiança em sua capacidade para enfrentar dificuldades e desafios (EI02EO02);
- Agir de maneira independente, com confiança em suas capacidades, reconhecendo suas conquistas e limitações (EI03EO02);
- Ampliar as relações interpessoais, desenvolvendo atitudes de participação e cooperação (EI03EO03).

APRENDIZADOS

No momento das leituras, as crianças são recepcionadas já no cantinho da leitura com uma grande variedade de livros para que escolham o que vai ser lido e recontado. As histórias infantis têm papel fundamental na formação geral e no desenvolvimento das crianças, pois é a partir delas que as crianças entram em contato com os conhecimentos historicamente acumulados, a escrita e a oralidade. Damos às crianças a oportunidade para que se encontrem consigo mesmas pela identificação de seus medos, anseios, sonhos e necessidades vivenciados pelos personagens das histórias. Por isso, compete aos profissionais que atuam nessa faixa etária trabalharem as possibilidades e o incentivo à leitura, propiciando às crianças o gosto e a paixão por essa prática social e o direito de acesso, entendendo que a leitura realizada com prazer desenvolve a imaginação e a escuta, amplia e enriquece o vocabulário envolvendo as múltiplas linguagens.

OS MASCOTES QUE ESTIMULAM A INTERAÇÃO E O DEBATE SOBRE AS DIFERENÇAS 

IDADE: crianças bem pequenas (1 ano e 7 meses a 3 anos e 11 meses)

No CECI/UNICAMP, as crianças permanecem por um período de 8 a 9 horas por dia no ambiente da creche. Para que essa permanência seja agradável e estimule a interação e a constituição das crianças enquanto sujeitos simultaneamente individuais e coletivos, propusemos já no início do ano uma votação coletiva para definir o nome da turma. Como nessa faixa etária as crianças estão na etapa de construção da fala, a votação ocorreu por meio de gravuras de diversos animais, em que cada criança indicava qual animal mais lhe agradava. Qual foi a nossa surpresa quando a maioria das crianças apontou para a formiga?! Escolhido o nome da turma, decidimos enviar para as famílias diversos materiais, para que cada família, juntamente com seus filhos e filhas, confeccionasse um mascote. A parceria familiar resultou em variados mascotes que usamos diariamente na roda que realizamos com as crianças.

As crianças seguram suas “formigas” na roda, enquanto cantamos e contamos quantos crianças vieram e o que iremos fazer no dia. Também conseguimos conversar sobre as diferenças de uma formiga para outra, demonstrando que nós também somos diferentes.
Na roda conseguimos fazer com que as crianças interajam e compartilhem seus mascotes com as outras, bem como consigam evidenciar quando não querem participar da troca, por meio de gestos que indicam uma negativa. Outra forma que trabalhamos com com esses objetos e que propicia o cuidado é possibilitar que cada criança, uma vez na semana, cuide de seu mascote: alimente-o, faça-o dormir, limpe-o e brinque com ele.

Adriely Quental e Mellina Silva, com apoio de Lindaura Silva, Centro de Educação e Convivência Infantil – CECI/ Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP, Campinas (SP)

OBJETIVOS DE APRENDIZAGEM TRABALHADOS

- Demonstrar atitudes de cuidado e solidariedade na interação com crianças e adultos (EI02EO01);
- Compartilhar os objetos e os espaços com crianças da mesma faixa etária (EI02EO03);
- Comunicar-se com os colegas e os adultos, buscando compreendê-los e fazendo-se compreender (EI02EO04) ;
- Perceber que as pessoas têm características físicas diferentes, respeitando essas diferenças (EI02EO05).

APRENDIZADOS

Com esta atividade percebemos que as crianças se sentiram acolhidas no ambiente da creche, que conseguiram estabelecer segurança em si mesmas e entender que interagimos uns com os outros. Também que nossas ações interferem no ambiente e nos sujeitos. Notamos que aproximar as famílias do nosso trabalho pedagógico contribuiu ainda mais com as experiências das crianças na creche.