"Junto com meus colegas, luto por melhorias na minha escola"

Autorretrato

POR:
Sophia Winkel, Bruna Nicolielo
No grêmio escolar, Gabrielly é porta-voz das reivindicações de todos os estudantes. Fotos Manuela Novais
No grêmio escolar, Gabrielly é porta-voz das reivindicações de todos os estudantes

 

Conte sua história para a seção Autorretrato

"Faço parte do grêmio da EE Oswaldo de Oliveira Lima, em Suzano (região metropolitana de São Paulo), há dois anos. Nosso objetivo é levar as reclamações e sugestões de todos à direção e conseguir mudar as coisas. Os outros estudantes nos veem como representantes deles. Cada um tem sua função. Eu respondo pelos documentos e pelas atas de reunião. Tem quem cuide do nosso blog, das ações de sustentabilidade e da revitalização do espaço, por exemplo. Somos 40 integrantes compartilhando uma mesma vontade: melhorar a escola.

Para coletar opiniões, usamos uma caixinha, onde os alunos depositam as propostas e denúncias anonimamente. Também passamos nas salas uma vez por mês para conversar com as turmas. Perguntamos se está tudo bem, se estão precisando de apoio em alguma reivindicação ou se têm problemas com algum professor. Também convocamos assembleias. Nesses encontros, todos são convidados a participar da organização de nossas iniciativas. É bem legal, pois todo mundo fica pensando, discutindo e tentando propor maneiras para viabilizar os planos. Os educadores, principalmente a Juliana Christie Menezes Silva, professora-coordenadora do grêmio, são importantes, já que nos ajudam a elaborar nossos projetos e a dividir as tarefas.

Estamos envolvidos em muitas ações, que surgem das demandas de toda a comunidade escolar. Já revitalizamos alguns ambientes, como um depósito de entulho em que montamos um jardim. Também fizemos uma horta em um lugar que não servia para nada. Temos, ainda, um projeto de reaproveitamento de carteiras e materiais didáticos usados. Além disso, a professora Simone Corsini organizou oficinas de grafite com o apoio dos alunos. Conseguimos autorização da direção para fazê-los utilizando os muros da escola. Antes, as pichações tomavam conta de tudo, deixando o prédio com cara de sujo. Agora, ele está alegre e colorido.

Por causa da nossa atuação, sempre somos chamados para ir a outras unidades da rede estadual explicar sobre o funcionamento de um grêmio. Já estivemos em mais de dez!

É claro que fazer tudo isso dá trabalho. Ficamos mais tempo depois da aula para colaborar com os projetos que elaboramos, mas vale a pena, pois queremos deixar o ambiente mais acolhedor. O grêmio quer o que todos os alunos querem: uma escola melhor."


  • Em vídeo, alunos contam como criar um grêmio estudantil:

Gabrielly Lima da Silva, 14 anos, é primeira-secretária do grêmio da escola dela

Compartilhe este conteúdo:

Tags

Guias