Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Projeto de saúde mental afasta violência com ambiente de troca e confiança na escola

Escola estadual de Brasília conta também com acolhimento, automassagem e Reiki estão entre as iniciativas do projeto

POR:
Ana Carolina C D'Agostini
Alunos da Escola Estadual Gesner Teixeira, no Gama (DF), participam de roda para compartilhar experiências dentro do Projeto Cuidado, que trata da saúde mental dos alunos   Foto: Acervo pessoal

A violência foi o que levou o Centro Educacional Gesner Teixeira, cidade próxima a Brasília (DF), a criar uma iniciativa inovadora para promover a saúde mental entre alunos. Ao longo de 2018, a escola desenvolveu em parceria com a Secretaria de Educação e a Secretaria de Saúde do município o Projeto Cuidado, que inclui estratégias de cuidado emocional, mediação de conflitos e terapias comunitárias gratuitas para alunos de 13 a 17 anos. O programa nasceu como uma diretriz do Projeto Político Pedagógico (PPP) da escola.

Uma sala na biblioteca denominada Espaço Convida sinaliza a intenção do projeto: todas as alunas e alunos são bem-vindos ali. O espaço, decorado por alunos e professores, abriga terapias de saúde integrativa, como as Rodas de Terapia, coordenadas pela médica Norma Esther Calpineiro e pela psicóloga Doralice Oliveira Gomes e que contam também com a participação de outros profissionais da área formados em Práticas Integrativas de Saúde.

LEIA MAIS   Tiroteio em Suzano: o que educadores podem fazer frente a uma tragédia como essa?

As Rodas de Terapia foram inspiradas no modelo de Terapia Comunitária Integrativa (TCI) proposto pelo médico psiquiatra cearense Adalberto Barreto. Ao atender pacientes em situação de vulnerabilidade social em Fortaleza, o médico percebeu que muitos daqueles que apresentavam quadros de ansiedade e depressão e buscavam medicação psicotrópica na esperança de cura, na verdade precisavam fortalecer ou reestabeler os vínculos comunitários. Ele concluiu que um local de acolhimento para compartilhar sofrimentos, inquietações e angústias era altamente benéfico para a saúde dos seus pacientes e, assim, surgiu a Terapia Comunitária Integrativa (TCI), metodologia hoje presente em mais de 25 países e que foi incluída entre as Práticas Integrativas Complementares do Sistema Único de Saúde (SUS) e aos cursos de capacitação em prevenção ao uso de drogas oferecido pela Secretaria Nacional Antidrogas (Senad). Os profissionais da Secretaria de Saúde do Gama oferecem outras alternativas gratuitas para o desenvolvimento de projetos de Saúde Integrativa em escolas públicas, tais como acupuntura, arterapia, automassagem, dança, yoga, fitoterapia, homeopatia, meditação, musicoterapia, Shantala e Reiki.

LEIA MAIS   Baixe agora: e-book ensina como encarar bullying, ansiedade e brigas nas escolas

Na Escola Estadual Gesner Teixeira, terapeutas comunitários certificados pelo método de Terapia Comunitária Integrativa (TCI) participam dos encontros. A proposta é que nesse espaço de troca e de compartilhamento de experiências de vida, os presentes possam discutir temas como bullying, aceitação do próximo, violência, depressão e outras questões que surjam a partir da interação dos alunos.

Além de Terapia Comunitária Integrativa, a escola realiza oficinas de automassagem e Reiki, técnica japonesa de equilíbrio e canalização de energia. Todos os professores da escola Gesner Teixeira vivenciaram as técnicas e alguns professores passaram por uma formação específica em Práticas Integrativas de Saúde reconhecidas pelo SUS, já que é fundamental que o próprio profissional aprenda técnicas para cuidar dos seus aspectos emocionais antes de cuidar dos seus alunos.

LEIA MAIS   Resiliência na escola traz desafios (mas também possibilidades)

Professores e funcionários da Escola Estadual Gesner Teixeira, no Gama (DF), participam de formação e dinâmica dentro do Projeto Cuidado   Foto: Acervo pessoal

O projeto tem colhido ótimos resultados dentro de sala de aula e no processo de aprendizagem. Houve um avanço pedagógico visível na aprendizagem dos alunos, que passaram a atingir notas mais altas. O comportamento também melhorou e trouxe consigo maior protagonismo dos alunos nos assuntos do cotidiano escolar. Um exemplo é que hoje os próprios alunos organizam as rodas de compartilhamento no Espaço Convida sempre que sentem necessidade. Com esse projeto, a Escola Gesner Teixeira foi premiada em primeiro lugar pela Controladoria do Distrito Federal, recebendo investimento financeiro para a iniciativa e uma viagem para os alunos. Em breve, o projeto será levado para outras sete escolas da Ensino Fundamental e Ensino Médio que fazem parte da Coordenação Regional de Ensino do Gama, com inclusão de formações em yoga e meditação.

LEIA MAIS   Trauma: que cuidados devemos ter após a tragédia de Suzano

Segundo Francisca Beleza, coordenadora pedagógica da escola e com mais de 30 anos de experiência em sala de aula, a iniciativa deu certo porque foi construída a muitas mãos e contou com a participação ativa de gestores, como a diretora Leila Cunha Albuquerque e a vice-diretora Maria da Guia de Oliveira. Além disso, a comunidade escolar acolheu o projeto integralmente e professores puderam debater sobre os efeitos da iniciativa nas reuniões pedagógicas, tornando a iniciativa uma forma de endereçar cuidado emocional entre todos os envolvidos no processo de ensinar e aprender. A coordenadora destaca que após a tragédia em Suzano (SP) no dia 13 de março, ela foi procurada por uma aluna que estava muito impactada com esse episódio de violência. A adolescente sentia medo de voltar à escola por receio que algo similar pudesse ocorrer. Ao encontrar espaço e alguém capacitado para falar sobre esse sentimento, ela se acalmou e reconheceu que está em um ambiente comprometido com a busca por um clima de paz e harmonia dentro da escola. Segundo Francisca, é fundamental que haja práticas de cuidado emocional na escola e que, muitas vezes, precisamos reconhecer que é exatamente isso que um aluno precisa.

LEIA MAIS   Tragédias em escolas: como recomeçar depois de tanta dor?

Iniciativas e práticas que promovem saúde mental na escola como do Centro Educacional Gesner Teixeira merecem destaque e reconhecimento, já que o debate sobre a intersecção entre saúde e Educação deve existir de forma prática em cada escola de maneira que faça sentido para gestores, professores, alunos e familiares.

 

Ana Carolina C D'Agostini é psicóloga e pedagoga com formação pela PUC-SP e mestre em Psicologia da Educação pela Columbia University. Trabalha como consultora de projetos em competências socioemocionais e é consultora do projeto de Saúde Mental da Nova Escola.

 

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias