Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

10 aprendizados de Singapura para o Brasil

Valorização da prática, promoção de redes de conhecimento e ênfase na formação continuada impulsionam a Educação no país que lidera o ranking do PISA

POR:
Marcela Bourroul
Crianças assistem a aula em escola de Singapura      Crédito: Reprodução/YouTube

Atual líder do ranking do PISA, o sistema educacional criado em Singapura desperta o interesse de qualquer profissional interessado em entender o que é necessário para oferecer uma educação pública de qualidade. “Vi fotos antigas de Singapura e, há 50 anos, a paisagem do país era parecida com a de Sobral, onde trabalhei”, diz Carolina Campos, consultora de gestão e formação de professores no Brasil. A diferença, aponta, é que durante esse período, Singapura investiu em Educação.

Carolina integrou o grupo de educadores brasileiros que visitou o país no início deste ano para identificar que aprendizados poderiam ser instituídos por aqui. Organizada pela rede de líderes da Fundação Lemann, mantenedora de NOVA ESCOLA, a viagem rendeu reflexões importantes de iniciativas que poderiam ser implementadas no país.

LEIA MAIS   É hora de criar formas de avaliar as habilidades do século 21

Singapura é um país bem diferente do Brasil. Em termos geográficos, seu tamanho é de 719km², uma área trinta vezes menor que a do Sergipe, o menor estado brasileiro. A quantidade de instituições de ensino também é bem acanhada quando comparada à realidade brasileira: são 400 escolas, com aproximadamente 30 mil professores e meio milhão de estudantes contra 184,1 mil escolas, de acordo com dados do mais recene Censo Escolar.

A partir dessas reflexões, levantamos uma lista de 10 aprendizados sobre Singapura para compartilhar com outros professores e gestores.

  1. Valorização da prática
    Em Singapura, a prática e a didática são pilares fundamentais da formação dos educadores. Em todas as formações, é evidente o diálogo entre teoria e prática, considerando o que acontece em sala de aula. “A prática é sempre discutida e é o centro das formações. A teoria existe para somar ao que o professor vive em sala”, conta Carla Amrein, coordenadora pedagógica na Eleva, plataforma de ensino que une cultura de resultado e aprendizagem. Para que os professores possam melhorar sempre e aprender com profissionais mais experientes, existem também os professores mentores, que dão orientações aos mais jovens.


  2. Padronização
    As instituições e os profissionais, da sala de aula ao ministro da Educação, possuem um alinhamento impressionante. Os discursos e as ações são coerentes. Os objetivos a serem perseguidos estão claros para todos. A padronização é tanta que se reflete até nas apresentações. “Visitamos escolas, universidades e institutos de formação e todas as instituições estão alinhadas no discurso e na prática. Até os slides eram os mesmos”, conta Darkson Vieira, professor de línguas e consultor de escolas e secretarias municipais.


  3. Formação continuada
    Durante o ano, cada professor deve completar um total de 100 horas de formação continuada. Cerca de um terço de todo o orçamento do Ministério da Educação de Singapura é destinado para essa finalidade. Como o currículo de Singapura é revisto a cada cinco anos, aproximadamente, a formação continuada é essencial para manter o alinhamento. Existe inclusive uma instituição dedicada a essas formações, a Academy for Singapore Teachers (AST). Alguns dos professores que participaram da viagem, inclusive, voltaram para o Brasil com muita vontade de criar uma iniciativa parecida no país, um espaço onde os professores possam voltar para aprender e reciclar conhecimentos.

  4. Redes de conhecimento
    Escolas de uma mesma região costumam promover encontros de professores que lecionam as mesmas matérias ou que dão aulas para um mesmo ano. São momentos em que é possível trocar experiências e aprendizados. Além disso, o National Institute of Education (NIE), que é basicamente a faculdade de educação que forma todos os professores em Singapura (imagine uma Unicamp ou USP de alcance em rede), conta com cerca de 300 redes para discutir assuntos de interesses específicos. As pessoas com interesses em comum se reúnem para discutir temas como, por exemplo, a mentalidade fixa e a mentalidade de crescimento.

  5. Avaliação e crescimento na carreira
    Anualmente, todos os professores são avaliados para saber como está seu desempenho dentro da sala de aula. “Lá, tudo é mérito. Para os alunos e para os professores. Se você for um professor bem avaliado, ganha bônus. Se for mal avaliado e não melhorar, pode ser demitido”, conta Darkson Vieira. Além disso, o sistema permite que os professores que amam ensinar sigam lecionando, em vez de migrarem para cargos administrativos para crescer na carreira, como acontece no Brasil. Assim, bons professores podem continuar na sala de aula.

  6. Professores reconhecidos
    A importância dos professores é reconhecida pelo governo e pelas famílias. Todos admiram e têm grande apreço por cada educador. De acordo com a diretora executiva da Academy for Singapore Teachers (AST), Chua Yen Ching, os pais colocam a responsabilidade do cuidado das crianças nas mãos dos professores, que devem ser bem treinados e formados ao longo da sua carreira.

  7. Rígido - solto - rígido
    O ensino é guiado por esse sistema. O que significa isso? O primeiro rígido representa o currículo estudantil, que é o mesmo para todas as escolas e deve ser seguido. O solto que está no meio representa a pedagogia, que é mais livre. Ou seja, cada escola pode fazer a implementação desse currículo à sua maneira e escolher como ensinar aos alunos os conteúdos previstos. O rígido que fecha o ciclo são as avaliações são nacionais, aplicadas em todas as escolas igualmente. A proposta da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) segue o mesmo princípio de ter Diretrizes Nacionais para a Educação Básica, mas deixa o currículo para implementação em nível de secretarias, que repassam para as escolas, fechando o ciclo com as avaliações do Saeb.


  8. Educação é prioridade nos investimentos
    A importância da educação é tanta que o Ministério da Educação de Singapura é o que possui o segundo maior orçamento do país (cerca de 6%), perdendo apenas para o Ministério da Defesa.


  9. Sala de aula e crianças: nada de novo
    É natural imaginar que uma sala de aula tenha um aspecto futurista em Singapura, mas não é nada disso. O ambiente escolar é simples. As salas de aula têm lousas, mesas e cadeiras como no Brasil. Nada de equipamentos sofisticados e aplicativos por todos os cantos. “Foi muito legal ver que os desafios do chão da escola no Brasil e em Singapura são os mesmos. Até porque criança é criança em qualquer lugar do mundo”, diz a coordenadora Carolina Campos.

  10. Nem tudo é perfeito
    Para liderar o ranking do PISA não é preciso ser perfeito. Singapura também tem suas questões para melhorar, segundo educadores que participaram da viagem. Alguns dos desafios que devem ser enfrentados nos próximos anos são a melhoria da Educação Infantil, a maior atenção às habilidades socioemocionais e o estímulo da criatividade. Hoje, os alunos sofrem muita pressão para ter bons resultados e se desenvolvem muito bem como executores, mas têm dificuldade para resolver determinadas situações que exigem maior jogo de cintura.



     

Tags

Guias

Tags

Guias