Como envolver os alunos na aprendizagem colaborativa

Confira como a metodologia permite engajar os estudantes e sugestões de ferramentas digitais

POR:
Débora Garofalo
Crédito: Getty Images

 A aprendizagem colaborativa é uma maneira efetiva de tornar o aprendizado envolvente e significativo com atuação ativa dos estudantes no processo de ensino e aprendizagem. A metodologia permite o desenvolvimento de equipes de trabalho em torno de um problema real, valorização do conhecimento prévio dos alunos, compartilhamento de saberes individuais e coletivos, além da construção do respeito mútuo e da empatia, trabalhando com a liberdade de expressão e visando atingir um consenso.

Aprendizagem colaborativa alinhada às competências da BNCC

Pensamento científico, crítico e criativo;

Cultura digital;

Argumentação;

Autoconhecimento e autocuidado;

Empatia e colaboração.

O modelo tradicional de ensino já não condiz com nossa atual sociedade e nem com as demandas e expectativas dos nossos estudantes. A aprendizagem colaborativa é uma forma de romper com as estruturas tradicionais de ensino e alavancá-lo. 

Como implementar a aprendizagem colaborativa na sala de aula 

Além de tendências educacionais como a cultura maker, o pensamento computacional ou a robótica, as ferramentas digitais têm sido grandes facilitadoras da estratégia da aprendizagem colaborativa, Importante ressaltar que as propostas desenvolvidas devem sempre vir acompanhadas de desafios e atividades que privilegiam o trabalho em grupo e a construção coletiva de saberes, situações em que a autonomia e a cooperativismo, devem ser amplamente estimulados.

Entre as ferramentas mais utilizadas na aprendizagem colaborativa, temos:

Chats: proporcionam tempo real, fazem uma extensão da sala de aula e proporcionam colaboração para utilização deste espaço. Importante salientar que o professor estará mediando a conversa, estando à disposição dos alunos, podendo combinar horários estabelecidos. Entre os modelos de chat, a sugestões é escolher os que permitem interação em grupos, como, por exemplo, o Messenger ou grupos fechados de Facebook; Twitter que permite a escrita em 280 caracteres; ou o Google sala de aula, que permite a construção de atividades com recursos de colaboração.

Blogs: temos hoje opções gratuitas, como o Blogspot e Wordpress, em que os estudantes podem postar, comentar e divulgar conteúdos. As plataformas são espaços que ampliam e enriquecem debates, construções de conhecimentos e exercitam o senso comum de forma ética e reflexiva. Toda a comunidade escolar pode se beneficiar deste recurso.

Vídeos: recursos digitais são importantes para o desenvolvimento do trabalho colaborativo. No trabalho com vídeos, a aprendizagem está envolvida ao longo de todo o processo: da elaboração dos roteiros à execução dos vídeos. Eles podem ser produzidos como curtas, documentários e até filmes de animações como o stop motion, que é uma técnica de foto quadro a quadro. 

Avaliação

Outro ponto alto da aprendizagem colaborativa é a oportunidade do docente de avaliar e intervir no processo de ensino aprendizagem de forma mais próxima. O modelo permite que o professor avalie o processo, observe o engajamento, dialogue com os alunos e seus pares, permitindo, desta maneira, uma tomada de decisão mais clara para direcioná-los durante este percurso e possibilitando novos caminhos.

E você, querido professor, como lida com a aprendizagem colaborativa em suas aulas? Conte aqui nos comentários e ajude a fomentar práticas docentes, mais interações e maior autonomia dos alunos.

Um abraço,

Débora Garofalo

Professora da rede Municipal de Ensino de São Paulo, formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, colunista de Tecnologia para o site da NOVA ESCOLA, Vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e Top 10 no Prêmio Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação.

Tags

Guias