Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
Inove | Coluna Helena Singer


Por: Helena Singer

A importância da construção dos valores para gerar transformação

Por si só, o desenvolvimento socioemocional não garante a opção pelo bem comum

O desenvolvimento socioemocional tem sido cada vez mais relevante nos debates internacionais sobre Educação. Parece que, finalmente, o mundo percebeu que o foco da escolarização em habilidades instrumentais e conhecimentos acadêmicos não o livrou das escolhas egoístas que levam à degradação social e ambiental. Assim, ganha força a proposta de que a escola deve garantir o desenvolvimento socioemocional. E essa posição aparece como uma inovação na Educação. A escola precisa reconhecer a importância de criar estratégias para o desenvolvimento emocional e afetivo. Todos os grandes educadores já disseram isso. Mas é preciso atentar para aspectos específicos do debate.

Há diversas formas de enumerar as habilidades socioemocionais. Em geral, mencionam-se autodisciplina, motivação, amabilidade e resiliência, entre outras. Sempre concordando com a importância de atentar para seu desenvolvimento, é bom lembrar que pessoas com comportamento antissocial, como corruptos ou ladrões, muitas vezes dominam bem essas habilidades. Ou seja, por si só, o desenvolvimento socioemocional não garante a opção pelo bem comum. Argumenta-se que é importante trabalhar essas habilidades para favorecer o avanço na escolaridade com a redução do absenteísmo, da evasão escolar e melhora do desempenho acadêmico, o que levaria ao aumento da empregabilidade e melhores salários.

Ou seja, promovem-se as habilidades socioemocionais para que os estudantes se adaptem à estrutura escolar e, depois, tenham sucesso no mercado de trabalho. Bem, isso é o oposto da visão sobre a inovação no sistema educacional: é preciso que a escola se adapte, ou melhor, continuamente se reinvente, para que seus alunos se sintam engajados e motivados a aprender. Depois, terão melhores condições em um mundo do trabalho que está exigindo cada vez menos a capacidade de repetição e cada vez mais a criação.

No entanto, mais importante é que o jovem desenvolva os valores necessários para se engajar na transformação necessária para a superação da degradação social e ambiental que hoje ameaça o futuro.

Helena Singer é doutora em Sociologia e líder da Estratégia de Juventude para a América Latina na Ashoka. Foi assessora especial do MEC

Foto: Tomás Arthuzzi/NOVA ESCOLA