Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias
RDRevista Digital

Nova Escola

Nesta área você encontrará todo o acervo da revista de maneira organizada e em formato digital

Conte | Conte


Por: Bruna Tiussu

Professor paulista faz dos passeios e viagens uma rotina na escola

Com apoio da comunidade, Leandro conseguiu consolidar as excursões escolares no planejamento anual da instituição onde atua

Aula ao ar livre Os alunos de Leandro conheceram pontos turísticos da própria cidade. Crédito: Roosevelt Cássio/NOVA ESCOLA

Leandro Mariz é daqueles que acreditam que a aprendizagem vai além das quatro paredes da sala de aula. Professor de Geografia na EE Ismael Iglesias, na cidade litorânea de Caraguatatuba (SP), Leandro observou que muitos alunos não tinham a oportunidade de conhecer parques, museus e pontos turísticos, inclusive no próprio município.

Por isso, ele deu início, em 2013, a um projeto cujo objetivo é proporcionar aos estudantes essas experiências por meio de uma das práticas mais típicas da escola: as excursões com a garotada. A primeira visita foi à praia e ao Morro de Santo Antônio. “Muitos alunos nunca tinham ido a este que é o principal cartão-postal da nossa cidade”, conta Leandro, que utilizou o passeio para abordar conteúdos relacionados ao clima e à atmosfera.

Com o passar do tempo, o município ficou pequeno para Leandro, que pediu o apoio da direção, dos colegas docentes e das famílias para montar um programa pedagógico de visitas e buscar os recursos necessários para as excursões. Alunos e pais, por exemplo, conseguem produtos que viram prêmios de rifas e bingos; e os professores colaboram no contato com possíveis patrocinadores, como empresários e sindicatos da cidade.

Com o esforço da comunidade, o projeto já conseguiu levar alunos a São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. Esse esforço trouxe impactos positivos na postura dos alunos e no dia a dia na escola. “Nas viagens, turmas de anos diferentes se conhecem melhor, interagem. E como o projeto se tornou interdisciplinar, está presente em fases diferentes da rotina escolar”, explica Leandro. No ano passado, o professor e os alunos resolveram reunir todos os aprendizados em um livro. “O envolvimento deles é impressionante. E o horizonte que se abre a cada um é impagável.”


LUGARES INCRÍVEIS E ACESSÍVEIS

 

1. Itaipu, Foz do Iguaçu (PR)

A usina oferece, de graça, uma visita panorâmica que permite ver o vertedouro e o topo da barragem. O passeio é para grupos de até 40 pessoas. Agende: panoramica@itaipu.gov.br 

2. Estação Cabo Branco (PB)

A instituição mescla ciência e artes em um prédio projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer. Há atividades no planetário, oficinas e um tour pelo lugar. Agende: joaopessoa.pb.gov.br/estacaocb


A OPINIÃO DE QUEM ENTENDE

“Organizar uma excursão é dar ao aluno a chance de ampliar seu mundo. Muitos só têm essa oportunidade com a escola.”
Maura Barbosa, coordenadora pedagógica na área de gestão da CEDAC

“Quando fomos à praia, vimos e sentimos a água, o ar, a areia, a biodiversidade. É muito mais fácil aprender assim.”
Evelin Alonso Campos, 12 anos, aluna do 7º ano do Ensino Fundamental 

“Na Casa da Moeda, [no Rio de Janeiro], vi o dinheiro ser feito de um jeito diferente do que eu imaginava. Foi como adquirir conhecimento vivo.”
João Vitor Maia de Abreu, 16 anos, aluno do 3º ano do Ensino Médio


COMO APRENDER FORA DA ESCOLA

A especialista em gestão escolar Maura Barbosa, da Cedac, elenca três pontos essenciais para planejar uma excursão:

1. Proposta colaborativa
Os passeios devem fazer parte do Projeto Político-Pedagógico (PPP) da escola. Conselho escolar, Secretaria de Educação, pais e alunos devem se envolver no planejamento das atividades e tomar as decisões juntos.

2. Meios de financiamento
Também é importante debater com a comunidade escolar as estratégias para conseguir os recursos necessários: busca por patrocinador (e qual contrapartida será dada), eventos na escola, bingo, rifa etc. Não se esqueça de registrar e prestar contas com clareza.

3. Atividades prévias
Quando a excursão está casada ao currículo escolar, os professores precisam trabalhar os temas relacionados à visita antes, em sala. Vale propor debates, passar filmes e até discutir com a turma quais regras devem ser seguidas no passeio.

QUER ENVIAR SUA HISTÓRIA? Envie para: pedro@novaescola.org.br