Déficit de atenção: há um excesso de medicalização

O uso de medicamentos aumentou 775% em dez anos no Brasil

POR:
Renata Ishida
Pessoa pegando comprimidos, pílulas brancas, com fundo esverdeado
Foto: Getty Images

A Educação do século 21, expressão que já se transformou em um jargão na imprensa, nos congressos e em encontros de educadores, tem sido descrita, majoritariamente, através da perspectiva das transformações que o avanço da tecnologia tem proporcionado nos últimos tempos, como o impacto nas formas da transmissão de informação, no mercado de trabalho e suas profissões e nas próprias relações humanas.

Proponho, aqui, usarmos uma lente diferente: a da saúde. O modo como a Educação tem sido entendida e praticada no Brasil pode ser discutida a partir dos resultados de algumas pesquisas realizadas nos últimos anos referentes ao aumento alarmante do uso de medicamentos psiquiátricos entre crianças e adolescentes no Brasil e no mundo.

LEIA MAIS  O que é o Transtorno de Déficit de Atenção com ou sem Hiperatividade (TDAH)

De acordo com pesquisa realizada pelo Instituto de Medicina Social da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), em dez anos (de 2003 a 2012), o consumo do metilfenidato – a conhecida Ritalina ou Concerta – o mais utilizado na tentativa de reverter os sintomas do controverso Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade (TDAH), aumentou 775% entre crianças e adolescentes na faixa dos 6 aos 16 anos.

Os sintomas mais frequentes que fazem parte da descrição, relatada pelo manual de psiquiatria (DSM 5), do quadro de TDAH são: agitação, falta de atenção, impulsividade. Manifestações não inusitadas na infância e adolescência que podem ser oriundas de questões circunstanciais e não de saúde, mas que também podem ser sinais de outros quadros psicopatológicos, como ansiedade ou depressão.

A pressa por uma resposta e a falta de critérios para distinguir uma coisa da outra (por isso o termo “controverso” para caracterizar o TDAH) aumentam as chances dessas crianças receberem esse diagnóstico e, consequentemente, o medicamento. De fato, não existe um exame clínico nem psicológico que determine de forma objetiva a existência de TDAH.

Então, será que o fato de uma criança se distrair ou agir impulsivamente ou ainda estar inquieta significa que ela possui uma patologia? Será que essas questões devem necessariamente ser cuidadas através de medicação? E o que isso tem a ver com a Educação?

LEIA MAIS  Devo cobrar menos em avaliações de alunos com TDAH?

O principal caminho para se chegar a esse diagnóstico, no Brasil, tem seu início na escola, a partir das dificuldades de aprendizagem e/ou insubordinação de determinada criança ou adolescente. São corriqueiras hoje nas escolas as cenas em que professores e coordenadores encaminham alunos para avaliação psiquiátrica, neurológica e psicológica com suspeita de TDAH e/ou supervisionam o uso de medicação daqueles já diagnosticados. A responsabilidade da falta de atenção, nesse caso, seria sempre de uma incapacidade particular do aluno e não de uma possível aula desinteressante do professor ou outra situação do contexto escolar.

Além dos professores, mães e pais passaram a exigir diagnóstico e medicamento em busca de aquietar os conflitos na escola e dentro de casa. Encontrar um culpado pelos problemas – e que tem possibilidade de desaparecer com o uso de uma pílula – pode ser menos angustiante do que escutar o que uma criança ou um adolescente está querendo dizer com seu comportamento e sinais.

Além disso, os efeitos do uso de medicamento psicotrópico em crianças e adolescentes ainda são desconhecidos, tendo em vista que eles estão em desenvolvimento físico e emocional.

Com essas provocações, o intuito não é condenar as avaliações médicas nem a pesquisa de novos tratamentos medicamentosos. Até porque foi através do aprofundamento do estudo das psicopatologias e sua divulgação que as pessoas tiveram mais acesso à informação e as crianças, que antes eram taxadas de incapazes, puderam ter a oportunidade de aprender melhor.

O alerta, portanto, é o seguinte: será que, na Educação do século 21 (seja na escola seja em casa), estamos transformando em patologias as dificuldades do dia a dia? Será que o mais saudável é medicar uma criança afim de que ela se adapte e se conforme a um mundo que nós mesmos criticamos?

Este não é um texto que nega os diagnósticos como aliados do cuidado, mas um alerta de que eles não devem ser usados como rótulos, classificando as crianças e adolescentes como passíveis ou não de serem educados. Este é um texto que afirma a importância de escutar os estudantes na sua singularidade, como protagonistas de suas histórias e que fazem parte de um contexto familiar e social. Calá-los em suas tentativas de se comunicar com os adultos, em prol de uma “normalidade”, pode significar calar não só os conflitos, mas também aquilo que os alimenta: o pensamento crítico, a curiosidade, a capacidade imaginativa. Ou seja, pode significar calar os propulsores do ato de educar que esperamos para o século 21.

Renata Ishida é psicóloga e consultora pedagógica do LIV – Laboratório Inteligência de Vida, organização especializada em educação socioemocional

Deixe seu email e mantenha-se atualizado para assuntos de saúde na educação

Tags

Guias