Ir ao conteúdo principal Ir ao menu Principal Ir ao menu de Guias

Como preparar os alunos para a fluência digital

Saiba o que é fluência digital, como ela afeta a sala de aula e como ela pode colaborar para a construção de cidadãos críticos

POR:
Débora Garofalo
Crédito: Getty Images

Uma demanda do mundo contemporâneo, a fluência digital é um termo relacionado à sociedade da informação e ao letramento digital.  Com o acesso e a inserção de ferramentas digitais na rotina dos estudante, a fluência digital promete influenciar a forma do processo de ensino e aprendizagem.

É necessário preparar os alunos para saber empregar essas ferramentas. Um dos caminhos é a vivência e a experimentação ainda na Educação Básica. Para além da fluência, também como forma de trabalhar autonomia, segurança, uso consciente e apropriado, ético, reflexivo e criativo.

LEIA MAIS Como levar a realidade virtual para suas aulas

A sala de aula é um ambiente propicio e possibilita trabalhar a criticidade! Nos deparamos com um mundo hoje na ponta dos dedos. Apesar da facilidade de acesso à  internet e em possuir equipamentos eletrônicos como celulares e computadores, nossos alunos ainda possuem dificuldades, por exemplo, de selecionar informações e compartilhar.

Na prática deveremos preparar os nossos estudantes para lidar com os recursos tecnológicos em soluções para problemas reais. É a forma mais eficiente de atribuir sentido a esses conhecimentos. Mas não só os estudantes precisam trabalhar habilidades relacionadas ao mundo contemporâneo. A prática docente também deverá ser revista desenvolvendo novas habilidades e competências para aprimorar o processo pedagógico e inserir ferramentas digitais com propósito ao seu planejamento.

LEIA MAIS Quais são os caminhos para ensinar no mundo digital?

É uma oportunidade para a Educação criar estímulos cognitivos diferenciados. É um caminho a ser percorrido para a melhoria do aprendizado, capaz de despertar novas competências, entre elas a colaboração, a empatia e outras relações socioemocionais, assumindo um papel mais ativo na construção da sua própria aprendizagem.

Em um quadro mais amplo, sabemos que a tecnologia marca presença na vida das pessoas, tendo impacto material, intelectual e cultural. Mas, precisamos destacar neste cenário a demanda para o letramento digital crítico por meio do desenvolvimento da fluência digital, que permite aos alunos aprofundamento e reflexões sobre o tema.

Fluência digital na prática

Os textos, cada vez mais, apresentam informações variadas, através de recursos multimodais e também de hiperlinks – tanto no impresso quanto no digital. A capacidade de disseminação que a esfera digital apresenta traz a necessidade de maior atenção para as informações contidas neles de forma explicita e implícita.

Trabalhar com esses textos é uma das possibilidades para transformar os estudantes em leitores responsivos e críticos – o que faz parte da fluência digital. Além disso, permite desenvolver as habilidades e competências distinguir diferentes propostas editoriais – como a identificação dos recursos utilizados para impactar o leitor e que podem comprometer uma análise crítica dos textos propostos, conforme a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) indica.

As habilidades de aprendizagens devem ser asseguradas aos alunos nos diferentes contextos escolares, ofertando uma gama de possibilidades. No entanto, se faz primordial trabalhar três grandes eixos, com os quais eles se deparam constantemente:


As atividades devem conter a possibilidade de reflexão, através de estudos de casos, e também de produção, utilizando ferramentas digitais, muitas delas através de aplicativos, oferecidos pelo próprio celular. O conhecimento mobilizado deve ser entendido como a explicitação da situação ou condição em que a habilidade deve ser desenvolvida, considerando o nível de aprendizado de cada estudante, ofertando ao aluno a possibilidade de serem consumidores e produtores de tecnologia.

Desta forma, conhecer a prática de linguagem, com a definição de objetivos claros de conhecimento e habilidades a serem desenvolvidas, é oportunizar o desenvolvimento da fluência digital. Por exemplo, quando falamos em texto jornalístico, o aluno pode se apropriar de diferentes mídias de publicações (como de jornais impressos e televisivos, por exemplo) e também desenvolver atividades através de um blog, com finalidades interativas que visam desenvolver habilidades e objetivos da aprendizagem.

E você, querido professor, como aborda a fluência digital em sala de aula? Conte aqui nos comentários e ajude a disseminar boas práticas pedagógicas.

Um abraço,

Débora Garofalo
Professora da rede Municipal de Ensino de São Paulo, formada em Letras e Pedagogia, mestranda em Educação pela PUC-SP, colunista de Tecnologia para o site da NOVA ESCOLA, Vencedora na temática Especial Inovação na Educação no Prêmio Professores do Brasil e Top 50 no Prêmio Global Teacher Prize, considerado o Nobel da Educação.

Tags

Guias